Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» A crise do Brexit e o capitalismo impotente

» Pilger: é hora de salvar o jornalismo

» Missão: extinguir o BNDES

» Etiópia: a eterna marcha da humanidade

» O direito ao sagrado dos povos do terreiro

» Como derrotar a “direita Trump-Bolsonaro”

» As pedras da contracultura (ainda) rolam

» Corporações: já vivemos uma distopia…

» Olhai a nova geração de ativistas

» Rússia e China: fim do mundo unipolar?

Rede Social


Edição francesa


» Comment les apprentis sorciers ont aggravé le chaos au Proche-Orient

» Quarante ans de conflits et d'échecs nourris par les interventions occidentales

» Décentraliser l'éducation pour mieux la privatiser

» L'avenir du temps

» Ces Espagnols qui ont libéré Paris

» Les pompiers pyromanes de l'antisémitisme

» Menace iranienne, menace sur l'Iran

» Comme si l'école était une entreprise…

» Voyage au bout de la peur avec les clandestins du Sahel

» Chanter le devenir du monde


Edição em inglês


» Confessions of a map-maker

» The Spaniards who liberated Paris

» Fighting for communication control

» June: the longer view

» Niger, a migration crossroads

» Niger, a migration crossroads

» Whatever happened to Bob Woodward?

» Europe in space

» The Corbyn controversy

» The invisible people


Edição portuguesa


» Edição de Junho de 2019

» As pertenças colectivas e as suas conquistas

» A arte da provocação

» 20 Anos | 20% desconto

» EUROPA: As CaUsas das Esquerdas

» Edição de Maio de 2019

» Os professores no muro europeu

» Chernobil mediático

» Edição de Abril de 2019

» A nossa informação, as vossas escolhas


ILHAS COMORES

Uma viagem especial

Imprimir
Enviar

Ler Comentários
Compartilhe

Relatório do Observatório de Emigração Clandestina da Ilha de Anjouan, do dia 6 de agosto de 2001:

Christophe Wargny - (01/04/2002)

“Acidente nº 11:

A lancha partiu de Domoni com 32 pessoas a bordo (sete homens, vinte mulheres e cinco crianças). Após cerca de 15 quilômetros, uma enorme onda inundou a embarcação. Os três pilotos e mais três homens conseguiram agarrar-se aos barris de combustível, nadando para se salvar. A lancha foi encontrada três dias mais tarde, sem qualquer passageiro. Foi trazida para terra por pescadores, que pediram ao proprietário 750 mil francos locais (cerca de 3.100 reais), que acabou negociando e recuperou seu kwassa kwassa por 250 mil (cerca de mil reais).

Acidente nº 12:

A lancha partiu de Domoni às 15 horas com 28 pessoas a bordo. Quando chegava próximo ao litoral de Mtsamboro, ambos os motores quebraram e a corrente marinha arrastou o kwassa kwassa. Após onze dias, a embarcação foi encontrada em Pemba, na Tanzânia. Duas meninas morreram, por exaustão, durante o período em que a lancha ficou à deriva. Os sobreviventes foram todos recolhidos a um hospital na Tanzânia. Interrogamos dois sobreviventes, que voltaram a Anjouan graças a uma ajuda financeira de suas famílias. Alguns ainda se encontram na Tanzânia por não disporem de meios financeiros para voltar ao país.” (Trad.: Jô Amado)




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Migrações
» África

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos