Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Etiópia: a eterna marcha da humanidade

» O direito ao sagrado dos povos do terreiro

» Como derrotar a “direita Trump-Bolsonaro”

» As pedras da contracultura (ainda) rolam

» Corporações: já vivemos uma distopia…

» Olhai a nova geração de ativistas

» Rússia e China: fim do mundo unipolar?

» Está aberta a nova temporada de privatizações

» Direito à privacidade e o cinismo de Moro

» Boaventura: o avanço da direita e a causa oculta

Rede Social


Edição francesa


» L'avenir du temps

» Ces Espagnols qui ont libéré Paris

» Les pompiers pyromanes de l'antisémitisme

» Menace iranienne, menace sur l'Iran

» Comme si l'école était une entreprise…

» Voyage au bout de la peur avec les clandestins du Sahel

» Chanter le devenir du monde

» A qui profite Paris ?

» Quand la ville se perd dans une métamorphose planétaire

» M. Jesse Jackson et l'ouverture du Parti démocrate


Edição em inglês


» Confessions of a map-maker

» The Spaniards who liberated Paris

» Fighting for communication control

» June: the longer view

» Niger, a migration crossroads

» Niger, a migration crossroads

» Whatever happened to Bob Woodward?

» Europe in space

» The Corbyn controversy

» The invisible people


Edição portuguesa


» Edição de Junho de 2019

» As pertenças colectivas e as suas conquistas

» A arte da provocação

» 20 Anos | 20% desconto

» EUROPA: As CaUsas das Esquerdas

» Edição de Maio de 2019

» Os professores no muro europeu

» Chernobil mediático

» Edição de Abril de 2019

» A nossa informação, as vossas escolhas


LITERATURA

Nos porões

Imprimir
Enviar

Ler Comentários
Compartilhe

A festa do Bode, de Mario Vargas Llosa (trecho)

(01/05/2002)

Tiraram-no do carro a empurrões. Cruzou um corredor escuro, com celas onde estavam grupos de homens nus, e o fizeram descer uma longa escadaria. O Turco se sentiu tonto pelo cheiro azedo, forte, de excremento, vômito e carne queimada. Pensou no inferno. No fundo da escada havia luz, mas nas trevas ele conseguiu ver uma fileira de celas, com portas de ferro e janelinhas com grades, cheias de cabeças tentando enxergar alguma coisa. No fim do subterrâneo, arrancaram-lhe a calça, a camisa, a cueca, os sapatos e as meias. Ficou nu, algemado. Sentia as plantas dos pés molhadas por uma substância pegajosa, que estava por todo o chão de ladrilhos sujos. Sempre aos empurrões, o Turco entrou em outra sala, quase totalmente escura. Ali o sentaram e o amarraram num sofá desconjuntado, forrado de placas metálicas – sentiu um calafrio – com correias e anéis de metal para as mãos e para os pés. (...) A descarga elétrica o levantou e o espremeu contra as ligaduras e anéis que o subjugavam. Sentiu agulhas nos poros, a cabeça explodiu em bólidos ardentes, e ele urinou, cagou e vomitou o que tinha nas entranhas. Um balde de água o fez voltar a si. (...) A segunda descarga voltou a lançá-lo contra as amarras – sentiu que os olhos saíram das órbitas como os de um sapo – e desmaiou. Quando o reanimaram, estava no chão de uma cela, nu e algemado, no meio de um charco de lama. Caíam-lhe os ossos, os músculos, e sentiu um ardor insuportável nos testículos e no ânus, como se os tivesse esfolado.

De todos os testemunhos de seus companheiros de cela, Salvador ficou impressionado, de forma indelével, com a história que contou Modesto Díaz entre soluços. Nas primeiras semanas, teve Miguel Angel Báez Díaz como companheiro de cela. O Turco lembrava de sua surpresa, em 30 de maio, na estrada para San Cristóbal, quando esse personagem apareceu junto ao seu Volkswagen garantindo-lhe que Trujillo, com que ele havia caminhado na Avenida, viria, e soube assim que esse grande senhor da elite trujillista também estava na conjuração. Abbes García e Ramfis ficaram tão enlouquecidos com ele, por haver estado tão perto de Trujillo, que presenciaram as sessões de cadeira elétrica, os açoites e as queimaduras que lhe infligiam, dizendo aos médicos do SIM que o reanimassem para continuar. Duas ou três semanas depois, em vez do habitual prato fedido de farinha de milho, trouxeram ao calabouço uma panela com pedaços de carne. Miguel Angel o insultou: “Pode dizer a esse imundo filho da puta que morda a língua e se envenene.” O carcereiro começou a rir. Saiu e voltou, mostrando-lhes, da porta, uma cabeça de criança que segurava pelos cabelos. Miguel Angel Báez Díaz morreu horas depois, nos braços de Modesto, de um infarto.

Tradução do espanhol de Wladir Dupont, São Paulo, ed. Mandarim, 2000, pp. 374 a 379.




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Literatura
» Romance
» Peru
» América Latina

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos