Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Porto ameaça cartão-postal amazônico

» Banco Mundial, parceiro de maldades de Bolsonaro

» Por que os EUA traíram a guerrilha curda

» Franz Kafka: como sair do labirinto

» Por trás do iPhone, o Estado e os militares

» Equador: bastidores e sentidos da notável vitória

» No Equador, a insurreição tem rosto indígena

» A instigante experiência da “comuna” originária

» Alcântara, acordo indigno

» Marxismo cultural, hora de um resgate

Rede Social


Edição francesa


» Les médias américains délaissent le monde

» Fruits et légumes au goût amer

» La Bolivie dans l'étau du néolibéralisme

» La crise suscite de sérieux remous en Irak et relance la guerre froide en Proche-Orient

» Les rivalités entre Washington, Moscou et Pékin

» Gauche latino-américaine, version Uruguay

» Fascisme, islam et grossiers amalgames

» Intellectuels est-allemands sur la sellette

» Le malheur kurde

» La Turquie dans le grand jeu


Edição em inglês


» October: the longer view

» Socialism resurgent?

» Power to decide who's guilty

» East Germany's loyal returnees

» Ankara realpolitik

» South Africa's lands must be shared

» Turkey's rival Islamists

» Argentina's unlikely presidential duo

» Reversing the polarities

» Value chains: who takes the profits?


Edição portuguesa


» A crise catalã nasceu em Madrid

» Quantas divisões há entre os curdos?

» Edição de Outubro de 2019

» Estabilidade para quem?

» Washington contra Pequim

» Edição de Setembro de 2019

» Portugal não pode parar?

» Quem elegeu Ursula von der Leyen?

» Edição de Agosto de 2019

» Plural e vinculado à esquerda


LITERATURA

Um romancista excepcional

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

Em Mario Vargas Llosa coabitam o panfletário neoliberal, presunçoso e medíocre, e um romancista com a veia de Flaubert e de Faulkner, que se lembra de ter sido, por muito tempo, marxista – e até castrista – e que fascina os seus leitores

Ignacio Ramonet - (01/05/2002)

Em suas colunas semanais, cumprimenta os poderosos, elogia a empresa, exalta os patrões e adula, incansavelmente, os Estados Unidos

Polemista ultraliberal, defensor convicto das “terapias de choque” à la Thatcher, incansável glorificador do mercado, da Bolsa e do setor privado, Mario Vargas Llosa nem por isso deixa de ser um escritor notável, sem dúvida um dos melhores romancistas contemporâneos.

Na realidade, nesse escritor esquizofrênico coabitam dois personagens: um panfletário neoliberal, presunçoso e medíocre, que se esparrama semanalmente nas colunas dos “jornais bajuladores” para cumprimentar os poderosos, elogiar a empresa, exaltar os patrões, adular incansavelmente os Estados Unidos, agradar, acariciar e bajular a globalização liberal.

Simultaneamente, como um Janus de duas cabeças, vive um romancista excepcional, com a veia de Flaubert e de Faulkner, que se lembra de ter sido, por muito tempo, marxista – e até castrista –, capaz de construir arquiteturas narrativas implacáveis, com um senso de narração que cativa e fascina os leitores, conduzidos por uma intriga em que as forças sociais se confrontam, os destinos agem e a história se faz.

A atenção para com os humildes

A Festa do Bode, um de seus livros mais bem-sucedidos, narra o último dia da vida de um ditador nada fictício, o dominicano Rafael Leonidas Trujillo

A Festa do Bode é um de seus livros mais bem-sucedidos. Ele narra, em uma construção romanesca suntuosa, o último dia de um ditador nada fictício. Tratado pelos meios de comunicação oficiais como “o Benfeitor”, Rafael Leonidas Trujillo (1891-1961), ex-coronel de polícia, tomou o poder na República Dominicana através de um golpe de Estado, em 1930. Durante trinta anos, impôs um terror delirante, de que gerações de dominicanos ainda se recordam, e fez do país sua propriedade privada. Morreu assassinado.

Mais uma vez, nesse livro, o Mario Vargas Llosa romancista mostra-se atento aos humildes da América Latina – às pessoas simples do povo, discriminadas, marginalizadas e humilhadas – e a suas revoltas incansáveis contra a injustiça, a desigualdade e a tirania.
(Trad.: Teresa Van Acker)




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Literatura
» Romance
» Peru
» Jornalismo de Mercado
» América Latina

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos