Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» A China tem uma alternativa ao neoliberalismo

» Marielle, Moa, Marley, Mineirinho

» As trapaças do gozo individual

» Vermelho Sol, fotossíntese da violência

» Assim arma-se a próxima crise financeira

» Quantos anos o automóvel rouba de sua vida?

» Guerra comercial: por que Trump vai perder

» Mulheres indígenas, raiz e tronco da luta pelo território

» Por que a educação voltou às ruas?

» O ditador, sua “obra” e o senhor Guedes

Rede Social


Edição francesa


» Ovnis et théorie du complot

» Boulevard de la xénophobie

» Une machine à fabriquer des histoires

» Un ethnologue sur les traces du mur de Berlin

» Le stade de l'écran

» Un ethnologue à Euro Disneyland

» Lénine a emprunté ses règles d'action à des écrivains radicaux du siècle dernier

» Le rêve brisé de Salvador Allende

» Un ethnologue à Center Parcs

» La dilapidation mortelle des ressources


Edição em inglês


» Manufacturing public debate

» August: the longer view

» Trump returns to the old isolationism

» Yellow vests don't do politics

» Kurdish territories in northern Syria

» The changing shape of the Balkans: 1991 / 2019

» Minorities in Kosovo

» Borders 1500-2008

» Man with a mission or deranged drifter

» The Louise revolution


Edição portuguesa


» Edição de Agosto de 2019

» Plural e vinculado à esquerda

» Os talibãs de São Francisco

» Edição de Julho de 2019

» Inconsistências (ou o sono da razão?)

» Comércio livre ou ecologia!

» Edição de Junho de 2019

» As pertenças colectivas e as suas conquistas

» A arte da provocação

» 20 Anos | 20% desconto


LIVROS

Todos cidadãos transatlânticos?

Imprimir
Enviar

Ler Comentários
Compartilhe

Numa ficção científica instigante, Régis Debray imagina a criação dos Estados Unidos Ocidentais, resultado da incorporação da Europa aos EUA

Bernard Cassen - (01/06/2002)

A vitória não está garantida, pois é necessário convencer ambas as partes do interesse dessa nova configuração geopolítica

O sucesso do último livro de Régis Debray, L’Edit de Caracalla, deve-se mais à propagação direta do que à atenção dos meios de comunicação. Nada de surpreendente nisso, já que estes últimos, segundo o autor, se situariam naquela “esfera pós-moderna para a qual tudo o que não for padronizado ou etiquetado como ultra-Atlântico é qualificado de ‘bolorento’, ‘quadrado’ ou ‘fascista’, e que estabelece a norma do tolerável e do insuportável, do importante e do grotesco”. Efetivamente, seria fácil catalogar este texto na categoria do “insuportável”, considerando o que revela do não-dito, do não-definido por uma postura das elites – não exclusivamente as da mídia – já tão bem analisada em 1925 por Paul Valéry, que dizia que “a Europa visivelmente aspira a ser governada por uma comissão norte-americana”.

L’Edit de Caracalla propõe-se ser a tradução de uma longa carta, escrita em inglês a Debray, pouco após o 11 de setembro, por seu ex-condiscípulo Xavier de C***, funcionário de alto escalão que transita nas áreas da diplomacia, da defesa e dos serviços secretos. Por que em inglês? Simplesmente porque o interessado resolveu ir fundo na lógica do “Somos todos norte-americanos”: não hesitou em adquirir cidadania norte-americana, aspiração de todos os “sem-passaporte-norte-americano” que desejam, sem o confessar, a “regularização” e que abundam entre os principais dirigentes franceses e europeus1. Essa opção, surpreendente à primeira vista para um homem com esse perfil, nada deve à emoção mas, sim, à realpolitik. Pretende ser a pré-representação personificada de um projeto histórico: a criação dos Estados Unidos Ocidentais (EUO), fusão da Europa e Estados Unidos mediante uma direção única – a de Washington, no futuro previsível – para formar um império que garantirá “a comunidade de destino das sociedades liberais fragilizadas” pela escalada do islamismo e da China. Uma maneira de “passar do status de americanizado de segunda classe para o de norte-americano integral”, já que “a americanidade é um fato consumado, a cidadania transatlântica, um direito a ser conquistado”.

Só “mais uma bandeira...”

A França, por ser – equivocadamente, segundo o autor – considerada recalcitrante à liderança de Washington, deverá fazer os gestos simbólicos e políticos indispensáveis

Mas a vitória não está garantida, pois é necessário convencer ambas as partes do interesse dessa nova configuração geopolítica. Xavier de C*** empenha-se na tarefa, desenvolvendo dois argumentos: o primeiro, destinado ao presidente dos Estados Unidos e o segundo ao presidente da Comissão Européia. Ao primeiro, convidado a tornar-se o imperador Caracalla do século XXI 2, ele pondera que “a chegada de duzentos ou trezentos milhões de europeus da gema, cristãos de pele clara, herdeiros dos Pilgrim Fathers norte-americanos, iria corrigir, evitar os desvios de vossos valores primeiros, estabilizar vossa identidade perturbada”. E que George Bush não tema por maus espíritos: “Em nossos meios intelectuais e artísticos, especialmente na França e na Itália, a bandeira das estrelas encontrará uma fidelidade entusiástica, pouco comum em vossos campi universitários.”

Felizmente, a tarefa parece mais fácil no Velho Continente, pois ainda que exista uma certa reflexão européia, o reflexo propriamente dito já é norte-americano – e, no final, não são as razões do coração que contam? No entanto, os cinqüenta anos de construção comunitária não terão sido em vão: constituem um excelente preâmbulo, uma “peneira de desnacionalização” que tornará quase indolor a absorção pelos EUO. A França, por ser – equivocadamente, segundo o autor – considerada recalcitrante à liderança de Washington, deverá fazer os gestos simbólicos e jurídicos indispensáveis “antes e melhor que seus vizinhos”. Aos impertinentes e outros “embolorados” será lembrado que, no império, haverá sempre diversas maneiras de ser euro-americano, não sendo assim tantas as condições necessárias para fazê-lo: “Mais uma bandeira para pôr atrás da mesa, o hino nacional para as festas locais, uma simples permuta de mensagens em francês e inglês nos vôos da Air France.”

No posfácio, onde é narrada a excepcional carreira de Xavier de C***, morto – por engano, ainda por cima – a serviço de sua nova pátria algures na Ásia Central, Régis Debray afirma estar “colocando, com as devidas medidas de antecipação, a questão-chave do futuro século, uma vez dissipada a euforia da ‘ilusão’ européia”. Um auto-elogio que se perdoará facilmente ao autor – autêntico desafio lançado a uma Europa que ainda deverá provar que pensa ser européia.
(Trad.: Jô Amado)

L’Edit de Caracalla ou plaidoyer pour les Etats-Unis d’Occident, de Xavier de C***, traduzido do inglês (americano) e seguido por um epitáfio por Régis Debray, ed. Fayard, Paris, 2002, 138 páginas, 10 euros (24,50 reais)

1 - Ler, de Bernard Cassen, “A língua do dólar”, Le Monde diplomatique, maio de 2000.
2 - No ano 212 da nossa era, o imperador Caracalla – por sinal, uma personagem brutal e sinistra – teve a genial idéia de estender o direito de cidadania romana a todos os homens livres do império, o que “significou uma Roma inchada por milhões de novos recrutas, de contribuintes e de talentos”.




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Poder Imperial dos EUA
» União Européia

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos