Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Rebelião em Londres: é o clima ou o sistema?

» A “inteligência caolha” da família Bolsonaro

» O crime de Guarapuava e as elites sem freios

» Boaventura: os EUA flertam com o direito názi

» Argentina: ainda bem que há eleições…

» O bispo que não vai para o céu

» Prisões brasileiras: relato de dentro do inferno

» Bernardet: “Tirei o corpo fora”

» Bernardet: “Tirei o corpo fora”

» Em Los Silencios, fuga para o não-lugar

Rede Social


Edição francesa


» La justice, pilier ou béquille de la démocratie ?

» La canicule, révélateur d'une santé malade

» La caution des scientifiques

» Dans l'enfer blanc de l'amiante

» Fiasco à La Haye

» L'immigration au miroir des échecs de la gauche

» « Faxer » ou périr, une culture de l'urgence

» Comment Sciences-Po et l'ENA deviennent des « business schools »

» Assimilation forcée dans le Xinjiang chinois

» Les riches entre philanthropie et repentance


Edição em inglês


» Mica mining, why watchdogs count

» LMD's New York debates

» Decriminalizing the drug war?

» April: the longer view

» Housing, rubbish, walls and failing infrastructure in East Jerusalem

» Mining profits go to foreign investors

» Combatting climate change: veganism or a Green New Deal?

» Berlin's fight for expropriation

» Afghanistan: the fighting continues

» The private world of swiping on screens


Edição portuguesa


» Edição de Abril de 2019

» A nossa informação, as vossas escolhas

» O cordão sanitário

» O caso do Novo Banco: nacionalizar ou internacionalizar?

» Edição de Março de 2019

» Sabe bem informar tão pouco

» O presidente e os pirómanos

» Edição de Fevereiro e 2019

» As propinas reproduzem as desigualdades

» Luta de classes em França


SAÚDE

Cinco anos perdidos

Imprimir
Enviar

Ler Comentários
Compartilhe

Com a saída da OMS de Jonathan Man, um homem notável, a luta contra a AIDS (22 milhões de mortos em 20 anos) só seria retomada cinco anos depois, com a criação de um novo organismo das Nações Unidas, a Onusida.

Jean-Loup Herbert - (01/07/2002)

Em 5 de junho de 1981 médicos norte-americanos tornaram pública a constatação de uma nova doença: a AIDS. Desde essa data, foram contabilizados 22 milhões de mortos e em 2001, 36 milhões de pessoas foram infectadas pelo HIV, o vírus que causa a doença. 95% das pessoas infectados e 95% dos mortos da AIDS localizam-se nos países em desenvolvimento. A “comunidade internacional” reagiria tardiamente ao que se revela ser a mais grave epidemia dos tempos modernos. Somente em 1986, a OMS lançaria o que se tornaria o Programa Mundial de Luta contra a AIDS (Global Programme on AIDS, ou GPA). Jonathan Man, um homem notável, seria encarregado de sua execução, mas discordâncias com o então diretor-geral da OMS, o japonês Hiroshi Nakajima – que não se interessa muito por esse problema – o levaram a deixar suas funções ao fim de quatro anos. Diante das carências de Nakajima e sob a pressão de certos Estados – especialmente os países escandinavos e a França – a responsabilidade da coordenação da luta contra a AIDS seria retirada da OMS e confiada, em 1996, a um novo organismo das Nações Unidas, a ONUSIDA, dirigida pelo belga Peter Piot.
(Trad.: Maria Elisabete de Almeida)




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» OMS
» ONU
» AIDS
» Direito à Saúde

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos