Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


Rede Social


Edição francesa


» L'Ukraine livrée aux maladies infectieuses

» Raoul Ruiz ou le refus des normes

» Ces soldats américains envoyés combattre les bolcheviks

» Dictature numérique

» Au travail, les enfants

» En Afrique, la démocratie entravée

» Le grand partage du globe

» La France et son espace maritime de souveraineté économique

» Villes et comptoirs hanséatiques

» Le sultanat de Malacca à la fin du XVe siècle


Edição em inglês


» The sea: hidden threats

» Dispatches from colonial North Africa

» The many shades of Latin American racism

» Window on the Russian soul

» The Arab world says #MeToo

» Lebanese central bank falls from grace

» Chips with everything

» Which way for Germany's CDU after Angela Merkel?

» Welcome to western China!

» France's watered-down climate bill


Edição portuguesa


» O direito à alimentação no mundo continua por cumprir

» Filho da Preguiça

» Boca de Cena

» Pandemónio Pandomínio

» Em Cuba, rumo ao fim do mais longo embargo da história

» Edição de Julho de 2021

» «Ajude um caloiro»: requiem por um direito

» Acalmia em França?

» Edição de Junho de 2021

» O jornalismo no novo negócio dos "media"


MULHERES

E na Europa...

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

Nos países da União Européia, de cada cinco mulheres, uma sofre, ao longo de sua vida, algum tipo de violência infligida por seu marido ou companheiro. Na Grã-Bretanha, a cada três dias morre uma mulher devido a esse tipo de brutalidade

Elisabeth Kulakowska - (01/07/2002)

Uma notícia na página policial contribuiu para acordar a sociedade espanhola. Numa noite de abril de 1995, Tani brigou com o marido, que a ameaçava com um revólver. Um tiro foi dado e matou o marido. A jovem foi condenada a catorze anos de prisão. A sentença provocou um escândalo e Tani foi absolvida poucos meses depois. Porta-bandeira dessa luta, Tani revelou a violência doméstica exercida contra as mulheres, que mata mais que o terrorismo do ETA.

Em todos os países da União Européia, de cada cinco mulheres, uma sofre, ao longo de sua vida, algum tipo de violência infligida por seu marido ou companheiro, revelou Anna Diamantopoulou, comissária européia do Trabalho e de Assuntos Sociais. 1 Na Grã-Bretanha, a cada três dias morre uma mulher devido a esse tipo de brutalidade e, na Áustria, de cada dois divórcios, um baseia-se em uma queixa da esposa por ser maltratada.

No resto do continente, um relatório publicado pela Unicef2 em setembro de 1999, avalia que “a violência contra as mulheres continua a violação mais freqüente dos direitos humanos fundamentais”, ao mesmo tempo que permanece amplamente invisível. Na Armênia, Geórgia, Azerbaijão e Bulgária, a violência familiar não é proibida por lei. Na Eslovênia, também não, no caso dos ferimentos denominados “ligeiros”, tais como “fraturas do nariz, das costelas, contusões leves e dentes quebrados”. O estupro conjugal não é punível na Albânia, na Croácia, na Romênia e na Ucrânia. Nesses países, a penúria da habitação pode obrigar as mulheres a ter relações freqüentemente com seus maridos, mesmo após o divórcio.
(Trad.: Wanda Caldeira Brant)

1 - Declarações em reunião dos ministros encarregados dos direitos das mulheres da União Européia nos dias 18 e 19 de fevereiro de 2002.
2 - Femme et transition, relatório da vigilância regional (MONEE) do Centro de Pesquisa Innocenti da Unicef, Florença, setembro de 1979.




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Violência Sexual
» Lutas contra o Patriarcalismo e o Machismo
» União Européia

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos