Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» A desigualdade brasileira posta à mesa

» Fagulhas de esperança na longa noite bolsonarista

» 1 de setembro de 2020

» O fim do mundo e o indiscreto racismo das elites

» O milagre da multiplicação de bilhões — para os bancos

» Movimento sindical em tempos de tormenta

» 31 de agosto de 2020

» A crucificação de Julian Assange

» Nuestra America: os cinco séculos de solidão

» Ir além do velho mundo: lições da pandemia

Rede Social


Edição francesa


» L'énigme de « La Coubre »

» Au Canada, la fin de la résignation pour les peuples autochtones

» Jean Cavaillès, une pensée explosive

» Au Rwanda, la tradition instrumentalisée

» Les municipalités laissent mourir les centres de santé

» Samsung ou l'empire de la peur

» Main basse sur l'eau des villes

» Percées et reflux en Europe

» Délire partisan dans les médias américains

» L'Amérique latine a choisi l'escalade révolutionnaire localisée


Edição em inglês


» South Korea's feminists fight back

» The biosecurity myth

» The Huawei war

» Moscow's Active Citizens

» Greater Moscow's unsure future

» Golden age of coal turns to black dust

» For those in peril on the sea

» China's outlaw fishermen

» The Great Lockdown hits the Third World hard

» A question of borders


Edição portuguesa


» Um resultado que ninguém aceitará

» Edição de Outubro de 2020

» Distâncias à mesa do Orçamento

» Falsas independências

» Trabalho na cultura: estatuto intermitente, precariedade permanente?

» RIVERA

» Edição de Setembro de 2020

» Cuidar dos mais velhos: por uma rede pública e universal

» Restauração em Washington?

» Cabo Delgado: névoa de guerra, tambores de internacionalização


EGITO

De Nasser a Mubarak

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

Da epopéia da luta contra o colonialismo britânico ao atual triunfo do liberalismo ocidental, o Egito evoluiu do nacionalismo de Nasser para o pragmatismo de Mubarak, passando por Sadat, que morreu em meio à total indiferença da população

Kamel Labidi - (01/07/2002)

23 de julho de 1952 – Golpe de Estado dos Oficiais Livres, dirigidos por Gamal Abdel Nasser que, dois anos depois, torna-se o líder incontestado no Cairo.

18 de junho de 1953 – Proclamação da República.

19 de outubro de 1954 – Nasser assina um tratado com a Grã-Bretanha sobre a retirada da zona do Canal do Suez num prazo de dezoito meses.

17 - 24 de abril de 1955 – Conferência de Bandung e criação do movimento dos não-alinhados. Vinte e nove países da África e da Ásia, entre os quais o Egito, condenam o racismo e o colonialismo. O Terceiro Mundo ganha importância na guerra fria. Nos bastidores da conferência são iniciadas as discussões que resultariam na entrega de armas checas ao Egito.

26 de julho de 1956 – Nacionalização do Canal do Suez. Segue-se uma agressão conjunta de Israel, França e Grã-Bretanha contra o Egito. Sob pressão internacional, os três países retiram as tropas.

Fevereiro de 1958 – Fusão do Egito e Síria na República Árabe Unida (RAU), que Damasco abandonaria em 1961.

1961 – Ofensiva governamental contra “milionários e senhores feudais”, nacionalização do comércio exterior e da marinha mercante. Criação de um Departamento Central de Planejamento.

1964 – Nasser e Nikita Kruschev, secretário-geral do Partido Comunista soviético, inauguram a barragem de Assuan.

5 de junho de 1967 – Israel ataca o Egito, a Síria e a Jordânia. Em seis dias, ocupa o Sinai, as colinas de Golan, a Faixa de Gaza, a Cisjordânia e Jerusalém Oriental.

28 de setembro de 1970 – Morte de Nasser. Pompas fúnebres com a presença de chefes de Estado do mundo inteiro.

15 de outubro de 1970 – Anuar El Sadat toma posse e inicia a infitah (abertura econômica). Enfrenta forte oposição, principalmente por parte de estudantes e operários.

6 de outubro de 1973 – Egito e Síria iniciam a “guerra de outubro” – também chamada do Kippur ou do Ramadã – contra Israel que, após um primeiro momento de recuo, termina obtendo uma vitória militar.

Janeiro de 1977 – Sadat, acatando recomendações do Fundo Monetário Internacional (FMI), aumenta o preço dos gêneros de primeira necessidade. Uma imensa insurreição popular deixa o Cairo em chamas, assim como as principais cidades egípcias.

19 de novembro de 1977 – Sadat viaja a Jerusalém para negociar diretamente um acordo de paz com Israel.

17 de setembro de 1978 – Assinatura dos acordos de Camp David entre o Egito, Israel e os Estados Unidos.

26 de março de 1979 – Assinatura do tratado de paz entre o Egito e Israel, em Washington. O Egito consegue a paz, a região do Sinai e uma considerável ajuda norte-americana, mas isola-se do mundo árabe.

6 de outubro de 1981 – Assassinato do presidente Sadat. Seu enterro acontece em meio à indiferença total da população egípcia. Hosni Mubarak acede ao poder e reaproxima o Egito dos países árabes.
(Trad.: Jô Amado)




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Egito
» Mundo Árabe
» Nacionalismo

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos