Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Gilvan, trabalho e sono no capitalismo periférico

» Por um imposto global sobre as transnacionais

» As eleições 2020 na encruzilhada brasileira

» Cinema: Os últimos soldados da Guerra Fria

» A eleição mais árdua de Evo Morales

» Reviravolta no Oriente Médio: os curdos podem resistir

» Atualismo: assim percebemos o tempo no século XXI

» Porto ameaça cartão-postal amazônico

» Banco Mundial, parceiro de maldades de Bolsonaro

» Por que os EUA traíram a guerrilha curda

Rede Social


Edição francesa


» Un journalisme de racolage

» Une Europe des citoyens

» Ces dures grèves des ouvriers américains

» 17 octobre 1961 : rendez-vous avec la barbarie

» La gauche dans son ghetto, la droite à la radio

» Les médias américains délaissent le monde

» Fruits et légumes au goût amer

» La Bolivie dans l'étau du néolibéralisme

» La crise suscite de sérieux remous en Irak et relance la guerre froide en Proche-Orient

» Les rivalités entre Washington, Moscou et Pékin


Edição em inglês


» Iraq's demographic time bomb

» October: the longer view

» Socialism resurgent?

» Power to decide who's guilty

» East Germany's loyal returnees

» Ankara realpolitik

» South Africa's lands must be shared

» Turkey's rival Islamists

» Argentina's unlikely presidential duo

» Reversing the polarities


Edição portuguesa


» A crise catalã nasceu em Madrid

» Quantas divisões há entre os curdos?

» Edição de Outubro de 2019

» Estabilidade para quem?

» Washington contra Pequim

» Edição de Setembro de 2019

» Portugal não pode parar?

» Quem elegeu Ursula von der Leyen?

» Edição de Agosto de 2019

» Plural e vinculado à esquerda


EGITO

De Nasser a Mubarak

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

Da epopéia da luta contra o colonialismo britânico ao atual triunfo do liberalismo ocidental, o Egito evoluiu do nacionalismo de Nasser para o pragmatismo de Mubarak, passando por Sadat, que morreu em meio à total indiferença da população

Kamel Labidi - (01/07/2002)

23 de julho de 1952 – Golpe de Estado dos Oficiais Livres, dirigidos por Gamal Abdel Nasser que, dois anos depois, torna-se o líder incontestado no Cairo.

18 de junho de 1953 – Proclamação da República.

19 de outubro de 1954 – Nasser assina um tratado com a Grã-Bretanha sobre a retirada da zona do Canal do Suez num prazo de dezoito meses.

17 - 24 de abril de 1955 – Conferência de Bandung e criação do movimento dos não-alinhados. Vinte e nove países da África e da Ásia, entre os quais o Egito, condenam o racismo e o colonialismo. O Terceiro Mundo ganha importância na guerra fria. Nos bastidores da conferência são iniciadas as discussões que resultariam na entrega de armas checas ao Egito.

26 de julho de 1956 – Nacionalização do Canal do Suez. Segue-se uma agressão conjunta de Israel, França e Grã-Bretanha contra o Egito. Sob pressão internacional, os três países retiram as tropas.

Fevereiro de 1958 – Fusão do Egito e Síria na República Árabe Unida (RAU), que Damasco abandonaria em 1961.

1961 – Ofensiva governamental contra “milionários e senhores feudais”, nacionalização do comércio exterior e da marinha mercante. Criação de um Departamento Central de Planejamento.

1964 – Nasser e Nikita Kruschev, secretário-geral do Partido Comunista soviético, inauguram a barragem de Assuan.

5 de junho de 1967 – Israel ataca o Egito, a Síria e a Jordânia. Em seis dias, ocupa o Sinai, as colinas de Golan, a Faixa de Gaza, a Cisjordânia e Jerusalém Oriental.

28 de setembro de 1970 – Morte de Nasser. Pompas fúnebres com a presença de chefes de Estado do mundo inteiro.

15 de outubro de 1970 – Anuar El Sadat toma posse e inicia a infitah (abertura econômica). Enfrenta forte oposição, principalmente por parte de estudantes e operários.

6 de outubro de 1973 – Egito e Síria iniciam a “guerra de outubro” – também chamada do Kippur ou do Ramadã – contra Israel que, após um primeiro momento de recuo, termina obtendo uma vitória militar.

Janeiro de 1977 – Sadat, acatando recomendações do Fundo Monetário Internacional (FMI), aumenta o preço dos gêneros de primeira necessidade. Uma imensa insurreição popular deixa o Cairo em chamas, assim como as principais cidades egípcias.

19 de novembro de 1977 – Sadat viaja a Jerusalém para negociar diretamente um acordo de paz com Israel.

17 de setembro de 1978 – Assinatura dos acordos de Camp David entre o Egito, Israel e os Estados Unidos.

26 de março de 1979 – Assinatura do tratado de paz entre o Egito e Israel, em Washington. O Egito consegue a paz, a região do Sinai e uma considerável ajuda norte-americana, mas isola-se do mundo árabe.

6 de outubro de 1981 – Assassinato do presidente Sadat. Seu enterro acontece em meio à indiferença total da população egípcia. Hosni Mubarak acede ao poder e reaproxima o Egito dos países árabes.
(Trad.: Jô Amado)




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Egito
» Mundo Árabe
» Nacionalismo

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos