Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» A desigualdade brasileira posta à mesa

» Fagulhas de esperança na longa noite bolsonarista

» 1 de setembro de 2020

» O fim do mundo e o indiscreto racismo das elites

» O milagre da multiplicação de bilhões — para os bancos

» Movimento sindical em tempos de tormenta

» 31 de agosto de 2020

» A crucificação de Julian Assange

» Nuestra America: os cinco séculos de solidão

» Ir além do velho mundo: lições da pandemia

Rede Social


Edição francesa


» Des treillis sous les blouses blanches

» Hanoï s'étend vers l'ouest

» Contourner et désenclaver Anvers

» « La France gesticule… mais ne dit rien »

» Russie, un territoire à géographie variable

» Démographie et richesse en Russie, les grands déséquilibres

» J'ai assisté à la montée du nazisme

» L'Afghanistan ne croit pas à la paix

» La jeunesse burkinabé bouscule la « Françafrique »

» Quand Hollywood cultivait sa fibre sociale


Edição em inglês


» January: the longer view

» Mutual suspicion in Greece's borderlands

» Border tensions

» Disunited States of America

» The British monarchy's smoke and mirrors

» UK Brexiteers' libertarian goal

» Time to reform the Peruvian system

» Russia's attempted return to Africa

» ASEAN's diplomatic triumph

» When Algerians took to the streets


Edição portuguesa


» Edição de Janeiro de 2021

» O presidente, a saúde e o emprego

» Quem será o próximo inimigo?

» Edição de Dezembro de 2020

» A democracia desigual e os neoliberais autoritários

» A amarga vitória democrata

» A segunda morte da Europa

» Ofereça uma assinatura de 6 meses, apenas €18

» Edição de Novembro de 2020

» A máquina infernal


ARGÉLIA

O tédio de quinta-feira à noite

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

Toda semana é o mesmo: Réda irá procurar uma estudante levada à prostituição, Malek continuará a sonhar com Latifa e com uma sociedade em que a mistura dos sexos seja sã e assumida. Nassim alimentará todos os projetos possíveis de exílio

Krim Mokhtar - (01/07/2002)

Na Argélia, entre um massacre e outro, as semanas vão se passando sempre parecidas, lentas e monótonas a tal ponto que, atualmente, os jovens argelinos morrem sobretudo de tédio. Para poderem arejar um pouco as idéias, precisam de muito dinheiro, único valor que sobreviveu à década de 90. No entanto, mesmo com buffles (notas de mil dinares, equivalentes a 45 reais), a aventura é cheia de imprevistos, pois as dificuldades do cotidiano não desaparecem com a noite.

Na Argélia, não se marcam encontros: sempre se sabe onde encontrar as pessoas. O imobilismo garante paz e tranqüilidade aos que se apegam a elas

“Os que sacrificaram a vida pela Argélia arrancariam os olhos, se nos vissem nesse estado, depois de quarenta anos de desperdício e de utopia.” Para acalmar sua excitação da quinta-feira à noite em Annaba, a 600 quilômetros de Argel, Nassim tem só 200 dinares no bolso (8,5 reais, isto é: um café, um sanduíche e um maço de cigarros locais, os Rym). Como 75% dos que têm menos de trinta anos, está desempregado. Seus dias resumem-se ao pátio de um edifício cinza e sem horizonte, a um monte heterogêneo de “irmãozinhos” e de desempregados, de mulheres na moda ou de hidjab (véu), ao movimento e ruído da agitação de Annaba. Visto ontem num cibercafé, dentro de seis meses Nassim ainda estará lá. Na Argélia, não se marcam encontros: sempre se sabe onde encontrar as pessoas. O imobilismo garante paz e tranqüilidade aos que se apegam a elas.

Encontros rápidos e frustrantes

Nassim não tem vontade de voltar para casa, onde sua família inteira se aglomera em 50 m², e onde não há espaço para ele. Na cidade, a vida cultural, artística ou festiva se reduz ao mínimo. Numa de escapar aos muros da cidade, Nassim e seus companheiros instalaram-se bem no meio de uma rotatória de Annaba, com cadeiras e jogos de dominó. O ar da noite é suave, o perfume de jasmim adoça o cheiro do haxixe marroquino, “enriquecido” com hena e barbitúricos antes de chegar às suas mãos. No nada cotidiano, o consumo de entorpecentes ganhou popularidade.

Volta a Argel. Graças a um pequeno trabalho como guarda no porto, descolado há pouco, Malek queria levar Latifa, sua namorada, ao cinema. Mas a iniciativa fracassou. Na entrada das salas Ibn Zeydoun, disseram-lhes que o filme só seria exibido “se houvesse pelo menos dez pessoas”. Como estas não vieram, Malek e Latifa, depois de um encontro rápido e frustrante, tiveram que ir embora, cada um para a casa de seus pais: “Não podíamos ir juntos para nossas casas nem para outro lugar.”

A rotina da juventude dourada

No ar suave da noite, o perfume de jasmim adoça o cheiro do haxixe marroquino, “enriquecido” com hena e barbitúricos antes de chegar às mãos dos jovens

No caminho de volta, como ontem e como provavelmente amanhã, Malek deu uma passada pelo videoclube para alugar um filme e, dessa forma, terminar a noitada perdida. Latifa, por sua vez, trabalhando meio período como garçonete num restaurante, onde ganha 3 mil dinares por mês (130 reais), retomou as palavras cruzadas do jornal em língua francesa El Watan. São as mais difíceis e mais demoradas; portanto, as que mais ocupam. “Isso preenche a noite, mas, aos 28 anos de idade, é um tanto quanto patético.” Ela teria gostado de encontrar suas amigas, “mas onde? Na rua?” Ir com outras moças tomar algo num café, que as receba sem medi-las da cabeça aos pés, é um descaramento que exige ousadia para ser encarado.

Ainda Argel. Pretenso “businessman de vários ramos” (isto é, pequeno traficante que enriqueceu recentemente), Réda tem tudo do beggar (pessoas que enriqueceram durante a década de 90). A começar por um Peugeot 306, forrado de couro, que ele diz ser “indispensável” numa capital em que os táxis somem depois das 20 horas por causa do estado de emergência, em vigor desde 1992. Réda compensa o estresse cotidiano tomando vinho, vodca ou whisky. O objetivo? Ficar bêbado antes de chegar à Acrópole, uma das três discotecas chiques de Argel e que sempre esteve lotada, mesmo nos piores anos do terrorismo (as portas se fechavam, então, às 23 horas e só reabriam às 6 horas). Dentro, a juventude dourada de Argel explode em ritmos de música funk e se embriaga com bebidas alcoólicas a 350 dinares o copo (15 reais). Já completamente bêbado, Réda agora diz que não deve se demorar demais: amanhã cedo, tem um encontro para uma partida de tênis.

Sábado, outra semana começará, mas será sempre a mesma. Réda voltará à sede para moças na cidade universitária de Ben Aknoun, em Argel, à espreita de alguma estudante levada à prostituição por um Estado que vive de impostos e lhe concede uma bolsa de estudos de apenas 2.700 dinares por trimestre (115 reais, o equivalente a dois livros e às compras para uma semana). Malek continuará a sonhar com Latifa e com uma sociedade em que a mistura dos sexos seja sã e assumida. Quanto a Nassim, conversará sobre a vida ruim e o tédio, e alimentará, com seus companheiros, todos os projetos possíveis de exílio.
(Trad.: Iraci D. Poleti)




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Argélia
» Migrações
» Pré-Capitalismo Conservador

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos