Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» 18 de maio de 2022

» Os deadbots e os limites éticos da tecnologia

» Por outra Política de Ciência, Tecnologia e Inovação

» A Nave dos Loucos e os espaços da (des)razão

» WikiFavelas: O racismo religioso de cada dia

» 17 de maio de 2022

» As necessárias “heresias” de Lula

» A rebelião dos idiotas

» O arame farpado na existência dos Guarani-Kaiowá

» Por que a cracolândia funciona?

Rede Social


Edição francesa


» Le monde arabe en ébullition

» Au Proche-Orient, les partis pris de la Maison Blanche

» L'abolition du territoire

» Regard sur Sarajevo

» Les progrès du libéralisme économique à Sri-Lanka

» Le marché du blé pourra-t-il être codifié par un nouvel accord international ?

» Le président Marcos allié gênant et retors des États-Unis

» Front de gauche, ou la fin d'une malédiction

» Le défi indien et le colonialisme blanc

» La participation des travailleurs : cote difficile à tailler


Edição em inglês


» Lebanon: ‘Preserving the past in hope of building the future'

» May: the longer view

» Fragmented territories

» A clash of memories

» Alsace's toxic time bomb

» The poisonous problem of France's nuclear waste

» Can Medellín change its image?

» Venezuela: a ‘country without a state'

» The urgent need to preserve Lebanon's past

» French troops forced to withdraw from Mali


Edição portuguesa


» Morrer em Jenin

» Recortes de Imprensa

» Será a caneta mais poderosa do que a espada?

» A Hipótese Cinema

» Um projecto ecofeminista em Aveiro

» David Bowie em leilão

» Como Pequim absorveu Hong Kong

» Na Colômbia, o garrote Medellín

» Face ao colapso, o Líbano quer preservar a sua memória

» Continua a Inglaterra a ser britânica?


ÁFRICA DO SUL

Prevenção e marketing

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

A loveLife, uma ONG financiada por Henry Kaiser e Bill Gates, mantém um centro para jovens, a 40 quilômetros de Johannesburgo, onde eles podem fazer esporte, aprender informática e encontrar preservativos e anticoncepcionais

Philippe Rivière - (01/08/2002)

“O produto que vendemos é um modo de vida positivo, associado à marca loveLife”, explica o médico David Harrison

Impossível não os ver: enormes painéis publicitários, de cores vivas, expostos ao longo das estradas, com slogans pouco comuns. “Qual de seus amantes decidiu o seu futuro?”, pergunta um deles. Outro, ao lado de um coração despedaçado, garante: “Não é o fim do seu mundo.” Uma única assinatura, com marca registrada: loveLifeTM.

“Temos cinco anos pela frente para mudar os rumos da epidemia: para conseguir, teremos que estar por toda parte, teremos que ser grandes.” No primeiro andar da sede da loveLife, em Johannesburgo, o doutor David Harrison expõe a estratégia de sua organização: “A curva de novas infecções só irá recuar se conseguirmos uma mudança de comportamento em relação à sexualidade por parte dos jovens de 12 a 17 anos. E esses jovens sul-africanos interessam-se pela propaganda, pelos nomes de marcas. Adotamos, portanto, uma posição de concorrentes da Diesel, da Nike ou da Guess... O produto que vendemos é um modo de vida positivo, associado à marca loveLife!” No andar térreo, na central telefônica, ecoam todos os idiomas falados na África do Sul; centenas de adolescentes procuram respostas para suas dúvidas sobre o amor, a fidelidade, a sexualidade, as doenças sexualmente transmissíveis etc.

O centro de Orange Farm

Alguns professores universitários criticam a prática de marketing da loveLife e se sentem indignados com esse “desperdício absoluto de dinheiro”

“As mensagens são ótimas... para os jovens de Paris ou de Boston”, critica a antropóloga Suzanne Leclerc-Madlala. Outros professores universitários, indignados com esse “desperdício absoluto de dinheiro”, chegam a ver na loveLife “uma ameaça: ao defenderem salários altos e ao monopoliarem alguns aspectos da luta contra a AIDS, eles esvaziam as outras organizações. Em detrimento de uma resposta pluralista e durável, adaptada às condições locais, que deu certo em Uganda”.

Em Orange Farm – uma township bastante afastada, a cerca de 40 quilômetros ao sul de Johannesburgo – a loveLife administra um centro de juventude, único lugar num perímetro de vários quilômetros em que as crianças podem praticar esporte, discutir, aprender informática... e encontrar preservativos e anticoncepcionais. Como não dispõem de receita própria – com exceção de 50% da publicidade inserida na revista mensal S’camto Print –, esses projetos são basicamente financiados por duas fundações norte-americanas: a de Henry J. Kaiser e a de Bill & Melinda Gates.

O que aconteceria com Orange Farm – e os outros onze centros de juventude da loveLife – se os investidores retirassem seu apoio? “Ah! Prefiro nem pensar!”, exclama, no caminho de volta, René Hicks, editora da S’camto Print.
(Trad.: Jô Amado)




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» África do Sul
» Desigualdade e Caridade
» AIDS

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos