Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Cachaça, musa maldita

» SUS, 30 anos: Outras Palavras lança Outra Saúde

» O último post

» A intervenção no Rio e sua face (muito) lucrativa

» Uma aventura temerária

» Colômbia, paz ameaçada

» Hora de virar a mesa dos banqueiros

» #Ocupapolítica , entre esquerdistas e pragmáticos

» Crônica da Rússia, à beira da revolução

» Chuva no sertão. cobiça sobre as águas

Rede Social


Edição francesa


» Travail, chômage, le temps du mépris

» Jean-Luc Godard, l'insurgé

» Nouvelle responsabilité des intellectuels

» Dans l'étau des privatisations

» Au miroir du mouvement social de décembre 1995, la part de l'utopie

» « Réformes », « modernité », « globalisation »… vers l'explosion des mots piégés

» La poudre aux yeux de l'évaluation des OGM

» Hommes en quête d'identité

» L'odyssée de John Perry Barlow

» Les indépendants du cinéma direct


Edição em inglês


» Buttering up the Pentagon

» Maxime Robin on the new drugs ‘100 times stronger than heroin'

» The light at the end of the corner

» Chinese New Year, but where's the money?

» Donald Trump offers a helping hand to China and Russia

» How we got Donald Trump

» How we got Donald Trump

» Iran's far-reaching Shia networks

» Iran's far-reaching Shia networks

» Japan's bluefin tuna


Edição portuguesa


» Edição de Fevereiro de 2018

» «Idiotas úteis» do Pentágono

» O papel da Concertação Social

» Edição de Janeiro de 2018

» Recuperar os CTT

» O alvo iraniano

» O eixo Washington-Riade-Telavive

» Edição de Dezembro de 2017

» O Orçamento, o presente e o futuro

» Guerras de religião


LIVROS

A revolução pelo direito

Imprimir
Enviar

Ler Comentários
Compartilhe

O direito internacional existente baseia-se na lógica da soberania dos Estados, que foi subvertida pelo processo de globalização. A jurista Chemillier-Gendreau, propõe uma revolução pelo direito, rumo à democracia

Chistian de Brie - (01/08/2002)

Com a globalização capitalista uma sociedade mundial foi formada. Porém, uma sociedade sem lei, submetida ao poder arbitrário do mais forte, por falta de um direito mundial efetivo

“Você quer deixar um mundo decente quando morrer? Então, entre para a resistência, passe as noites tentando compreender e os dias organizando a luta nas redes planetárias em que se construirá a lei internacional do futuro.” Essa foi, há muito tempo, a opção de Monique Chemiller Gendreau, jurista militante, opção baseada em uma análise simples e sagaz.

Com a globalização capitalista uma sociedade mundial foi formada. Porém, uma sociedade sem lei, submetida ao poder arbitrário do mais forte, por falta de um direito mundial efetivo. Ora não há sociedade sem direito, portanto não há futuro para a humanidade sem o desenvolvimento de mecanismos jurídicos internacionais baseadas nos princípios democráticos. Por muitas razões, estamos muito longe disso.

A impotência do direito internacional

A crise do político, agora universal, permite que proliferem as zonas de não direito, as atividades fora-da-lei e as hordas desumanizadas dos sem-direitos

Em primeiro lugar, se as relações internacionais são supostamente guiadas por princípios de liberdade (direito dos povos à soberania) e de igualdade (entre todos os Estados membros), proclamados pela Carta das Nações Unidas, os procedimentos isentam as grandes potências de cumpri-los. Quer se trate, na ordem política e militar, do direito de veto dos membros permanentes do Conselho de Segurança, ou na ordem econômica, do voto em função das cotas-parte financeiras do Banco Mundial ou do Fundo Monetário Internacional. A separação dos poderes não goza de mais garantias, já que o legislativo e o executivo se arrogam esses mesmos poderes, ao passo que o judiciário (a Corte Internacional de Justiça) não tem autoridade contra os que recusam sua jurisdição ou a execução de suas determinações.

Além disso, historicamente baseado na lógica da soberania dos Estados, o direito internacional é um direito contratual que não responde às exigências do Estado de Direito, baseado na lei. Revela-se impotente para garantir os direitos e liberdades dos indivíduos e das minorias nacionais ou a proteção do que constitui o patrimônio comum da humanidade, sem passar pela via do Estado e de sua boa-vontade em integrar no direito interno resoluções destituídas de caráter obrigatório.

Repensar o político

Se não há sociedade sem direito, não há futuro para a humanidade sem mecanismos jurídicos internacionais baseados nos princípios democráticos

Por fim, a globalização esfacelou os limites territoriais e nacionais do contrato social legitimando o poder do Estado, atualmente cada vez menos soberano. A crise do político, agora universal, permite que proliferem as zonas de não direito, as atividades fora-da-lei (máfias, tráficos ilícitos, comércio fraudulento, corrupção) e as hordas desumanizadas dos “sem”: sem-direitos, sem-documentos, sem-trabalho, sem-teto. A única resposta é o recurso à ação humanitária, em substituição a um direito internacional indiferente ao fenômeno da pobreza e ao princípio de igualdade entre os povos.

Multiplicando os exemplos e análises dos desvios e dos impasses a que conduzem tanto as lógicas do Estado quanto os descaminhos do direito (particularmente nos casos emblemáticos da Palestina e do boicote ao Iraque), Monique Chemillier-Gendreau nos força a tomar consciência de nossas responsabilidades para com a violência e a injustiça do mundo de hoje, do caos e da barbárie que prenunciam, caso o permitirmos.

Se o caminho de uma democracia internacional passa pela mutação da soberania – dos Estados aos povos – ela impõe prioritariamente repensar o político, registro fundador de unidade social, definir o bem comum universal e os meios de garanti-lo além de seus aspectos formais. É preciso fazer uma revolução. Uma revolução pelo direito, planetária e tranqüila. Apropriando-se da proposta de Júlio Verne: “Tudo o que se faz no mundo é feito em nome de esperanças exageradas”.
(Trad.: Teresa Van Acker)

Referência Droit international et démocratie mondiale, les raisons d’un échec, de Monique Chemillier-Gendreau, ed. Textuel, Paris, 2002, 270 p., 20,58 euros (60 reais).




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Direito Internacional
» Crise dos Estados-Nações
» Reinvenção da Democracia
» Globalização

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos