Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Dinheiro: o novo sonho de controle do Facebook

» Mulheres na política: uma nova onda a caminho

» Sertanejo, brasilidade e Nelson Pereira Santos

» A crise do Brexit e o capitalismo impotente

» Pilger: é hora de salvar o jornalismo

» Missão: extinguir o BNDES

» Etiópia: a eterna marcha da humanidade

» O direito ao sagrado dos povos do terreiro

» Como derrotar a “direita Trump-Bolsonaro”

» As pedras da contracultura (ainda) rolam

Rede Social


Edição francesa


» Quand la gauche renonçait au nom de l'Europe

» Un « New Deal » pour l'école

» La Chine bouscule l'ordre mondial

» L'affirmation homosexuelle

» Faut-il larguer la république ?

» Comment les apprentis sorciers ont aggravé le chaos au Proche-Orient

» Quarante ans de conflits et d'échecs nourris par les interventions occidentales

» Décentraliser l'éducation pour mieux la privatiser

» L'avenir du temps

» Ces Espagnols qui ont libéré Paris


Edição em inglês


» How US climate deniers are working with far-right racists to hijack Brexit for Big Oil

» Confessions of a map-maker

» The Spaniards who liberated Paris

» Fighting for communication control

» June: the longer view

» Niger, a migration crossroads

» Niger, a migration crossroads

» Whatever happened to Bob Woodward?

» Europe in space

» The Corbyn controversy


Edição portuguesa


» Edição de Junho de 2019

» As pertenças colectivas e as suas conquistas

» A arte da provocação

» 20 Anos | 20% desconto

» EUROPA: As CaUsas das Esquerdas

» Edição de Maio de 2019

» Os professores no muro europeu

» Chernobil mediático

» Edição de Abril de 2019

» A nossa informação, as vossas escolhas


VENEZUELA

Golpes Sem Fronteiras?

Imprimir
Enviar

Ler Comentários
Compartilhe

Em meio a um evidente jogo de interesses políticos, econômicos e financeiros – envolvendo grupos de comunicações e multinacionais – a organização Repórteres Sem Fronteiras defende, estranhamente, os golpistas

Maurice Lemoine - (01/08/2002)

Andrés Mata (diretor de El Universal); Miguel Enrique Otero (presidente de El Nacional); Gustavo Cisneros, Carlos Bardasano e Marcel Granier (respectivemente presidentes do Grupo Cisneros, da Venevisión e da Radio Caracas Televisión, da RCTV); David Natera (presidente do Bloco de Imprensa Venezuelano); Alberto Federico Ravell (diretor da Globovisión); Patricia Poleo, Ibeyise Pacheco, Marta Colominas (jornalistas)... Os autores do golpe da mídia na Venezuela viajam bastante ao exterior para denunciar o presidente Hugo Chávez e as “perseguições” de que dizem ser vítimas.

No dia 18 de março, por ocasião de sua reunião semestral em La Romana (República Dominicana), a Sociedade Interamericana e Imprensa (SIP) ovacionou seus esforços “em manter o pouco que (lhes) resta de liberdade de expressão”. Convidado especial dessa grande cerimônia (sem dúvida para garantir a objetividade), o ex-presidente norte-americano William Clinton declarara anteriormente: “Hugo Chávez está num beco sem saída.” O que autorizou a SIP a qualificar o presidente venezuelano de “fascista”.

Para entender estranhas “sinergias”

Uma declaração de William Clinton – “Hugo Chávez está num beco sem saída” – autorizou os donos dos jornais a qualificarem o presidente de “fascista”

Sobre o assunto, ela sabe do que fala. O vice-presidente da comissão executiva dessa associação de proprietários de meios de comunicação não é senão Danilo Arbilla. Uruguaio, Arbilla atuava em seu país como censor, no Centro de Difusão de Informação, na época em que, sob a ditadura militar (1973-1985), foram fechados os jornais Extra, Ya, Eco, El Popular e Marcha… Quanto ao representante da SIP na Venezuela, seu nome é Andrés Mata, proprietário do diário conservador El Universal.

A versão dos fatos difundida pelos órgãos de imprensa locais é encontrada freqüentemente, de forma idêntica, em várias meios de comunicação internacionais: New York Times, Washington Post, CNN, El Tiempo, Rádio e TV Caracol, RCN (que praticam o mesmo tipo de desinformação a respeito de seu próprio país, a Colômbia) etc. Entre eles, destaca-se particularmente o diário espanhol El País1. Sobre um fundo de interesses econômicos e financeiros, pode-se às vezes compreender a razão de tais “sinergias” 2.

Uma intervenção suspeita

Pretendendo “defender o direito de informar e de ser informado”, a organização RSF ignora o papel não tão oculto dos donos dos meios de comunicação

Proprietário de El País, o grupo Prisa possui 19% das ações da Rádio Caracol, cujo acionista majoritário, o poderoso grupo colombiano ValBavaria, tem como principal sócio Julio Santo Domingo (o homem mais rico da Colômbia) e... o grupo Cisneros que domina a indústria das comunicações na Venezuela. Encabeçando o Prisa, Jesús Polanco também preside a Sogecable, uma firma ligada à empresa norte-americana DirecTv, que tem como um de seus principais acionistas esse mesmo grupo Cisneros... Tornando ainda mais estreitas as relações, um acordo estaria em vias de ser assinado entre o Prisa (Polanco) e ViaDigital (Cisneros).

Pretendendo “defender o direito de informar e de ser informado”, conforme o artigo 19 da Declaração Universal dos Direitos Humanos, a organização corporativa Repórteres Sem Fronteiras (RSF) ignora deliberadamente o papel não tão oculto dos proprietários dos meios de comunicação. Mas a organização não tem escrúpulo algum em fazer do governo de Chávez – que jamais atentou contra as liberdades – um de seus alvos privilegiados. Legitimamente, já que, considerando-o restritivo e suscetível de terminar em censura, ela se preocupa com o artigo 58 da Constituição venezuelana (nunca invocado até hoje), relativo ao direito dos cidadãos “a uma informação verídica, oportuna e imparcial”.

Dois pesos, duas medidas

“Hugo Chávez assinou sua renúncia durante a noite, sob pressão do exército”, afirmou a RSF num comunicado. É sabido que Chávez nunca “renunciou”

A atitude da RSF, entretanto, desperta questionamentos quando a organização pede ao presidente “que ponha fim aos seus ataques virulentos contra a imprensa, que fazem desta última um alvo da vingança popular3”, sem se perguntar minimamente sobre a atitude mentirosa e a falta de ética por parte dos meios de comunicação em questão. “Se é legítimo que o governo faça ouvir pontualmente sua voz em circunstâncias excepcionais”, escreve a RSF, denunciando sem pesquisa nem distanciamento crítico o “recurso abusivo” à requisição de tempo de transmissão em cadeia nacional pelo governo nos dias 10 e 11 de abril, “de modo algum isso poderia justificar a interrupção de programas televisionados ou radiofônicos por cerca de trinta vezes em dois dias.” Mesmo quando eles participam ativamente de um golpe de Estado?

No dia 12 de abril, a RSF pediu às “autoridades” (Quais? Tratava-se, então, de um poder ilegítimo!) “que façam uma profunda investigação sobre os tiros de que foram vítimas quatro jornalistas” (um foi morto), que “garanta a segurança dos jornalistas considerados próximos do ex-(sic)presidente” e, comentando os fatos com grande leviandade, fala “da repressão de que era objeto a manifestação da oposição”. Retomando palavra por palavra a versão da imprensa venezuelana, o comunicado conclui: “Recluso no palácio presidencial, Hugo Chávez assinou sua renúncia durante a noite, sob pressão do exército”. Sabe-se que Chávez nunca “renunciou”, que ele foi preso e encarcerado numa fortaleza militar. Nenhuma palavra, em contrapartida, sobre a repressão exercida pelos golpistas sobre vários jornalistas que trabalhavam para meios de comunicação alternativos e comunitários.

Uma tribuna para os cidadãos

Esquecendo, apesar de algumas declarações de princípio, a defesa do direito “de ser informado” 4, a RSF recomenda à Venezuela um plano de informações digno daquele de El Mercúrio, diário chileno amplamente implicado no golpe que terminaria com a derrubada e a morte de Salvador Allende.

Neste sentido, só se pode parabenizar o surgimento de uma organização, a Media Watch Global, nascida no último Forum Social Mundial de Porto Alegre. Alheia a qualquer corporativismo, essa instituição pretende – na Venezuela, com em outros lugares – velar pelo pluralismo e pelo equilíbrio da informação e constituir uma tribuna para os cidadãos diante dos excessos da mídia e suas manipulações.
(Trad.: Fabio de Castro)

1 - Um “Prêmio Especial de Desinformação” deveria ser atribuído à sua correspondente em Caracas, Ludmila Vinogradoff. No dia 1º de maio de 2002, ela conseguiu a proeza de detectar “apenas 3.600 pessoas” numa manifestação de várias dezenas de milhares de adeptos do presidente Chávez.
2 - O grupo de telecomunicações espanhol Telefonica pretende ampliar sua influência, tanto na Venezuela quanto na Colômbia; por seu lado, o grupo petrolífero Repsol (espanhol) também está muito interessado na privatização da PDVSA e no petróleo colombiano. Conseqüência direta desse jogo de interesses: o reconhecimento de Pedro Carmona por José Maria Aznar, que também dá seu apoio ao Plano Colômbia.
3 - Repórteres Sem Fronteiras, Paris, 8 de janeiro de 2002.
4 - Dedicando-se a uma investigação profunda de ações repressivas (contra golpistas) e às ameaças proferidas por membros da oposição contra meios de comunicação alternativos, Repórteres Sem Fronteiras esclareceria, no dia 18 de junho, numa mensagem enviada à Teletambores: “O papel de nossa organização é o de defender a liberdade de imprensa, e não o de avaliar o uso que é feito dela.”




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» ONGs
» Venezuela
» Jornalismo de Mercado
» Imprensa e Poder

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos