Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Aos super ricos, os super genes?

» A Ideologia da Mineração está em xeque

» Orçamento 2020 expõe o Bolsonaro das elites

» A esquecida questão da desigualdade energética

» Crônica de Cuba, em incerta transição

» “Direitos Já”: Uma perigosa contradição

» Cinema: Espelhos deformantes

» As mentiras da ciência a serviço do mercado

» Anatomia da próxima recessão global

» Passo a passo para frear a devastação da Amazônia

Rede Social


Edição francesa


» Les beaux jours de la corruption à la française

» Parler français ou la « langue des maîtres » ?

» Au Portugal, austérité et contestation

» Le piège du 11-Septembre

» Quand la gomme arabique fait tanguer l'Amérique

» Au Kosovo, la « sale guerre » de l'UCK

» L'école publique à l'encan

» Le régime de Khartoum bousculé par la sécession du Sud

» Les apprentis sorciers de la retraite à points

» Hongkong dans l'étau chinois


Edição em inglês


» September: the longer view

» Afghan peace talks: Trump tweets, Taliban fights

» An inexhaustible myth in times of extreme adversity

» What happened to social solidarity?

» Sudan: conflict, violence and repression

» Russia's appointed billionaires

» Another end is possible

» Arms sales: the Swedish model

» Soft power influence in the Arabian Gulf

» Life with bribes and kickbacks


Edição portuguesa


» Edição de Setembro de 2019

» Portugal não pode parar?

» Quem elegeu Ursula von der Leyen?

» Edição de Agosto de 2019

» Plural e vinculado à esquerda

» Os talibãs de São Francisco

» Edição de Julho de 2019

» Inconsistências (ou o sono da razão?)

» Comércio livre ou ecologia!

» Edição de Junho de 2019


DOSSIÊ 11 DE SETEMBRO

O massacre de My Lai

Imprimir
Enviar

Ler Comentários
Compartilhe

(01/09/2002)

Em 16 de março de 1968, a companhia Charlie, pertencente à 11a brigada da divisão norte-americana Americal, entrou na aldeia vietnamita de My Lai. Muitos soldados dessa unidade haviam sido mortos ou feridos em combates, nos dias anteriores. Quando as tropas penetram na aldeia, seu chefe, o tenente William Calley, lhes disse: “É o que vocês estavam esperando, uma missão de procurar e destruir (search and destroy).” Balanço: entre 300 e 500 mortos, quase todos civis, e, entre eles, muitos velhos, mulheres e crianças. O exército norte-americano anunciou uma grande vitória e a morte de 128 inimigos.

Embora informações sobre a realidade dos fatos estivessem disponíveis, o comando militar tentou camuflá-las, e só em setembro de 1969, depois de múltiplos pedidos de um soldado norte-americano, Ronald Ridenbourg, é que a responsabilidade foi atribuída a Calley. Mas os fatos só se tornaram públicos em novembro, quando o jornalista norte-americano Seymour Hersh publicou os primeiros depoimentos sobre esse crime. Julgado isoladamente em 1970, só o tenente Calley foi condenado, apesar das declarações de que havia recebido ordens de seu capitão para matar todos os habitantes. Foi condenado à prisão perpétua, mas foi libertado em 1974. Retornou à vida civil.

(Trad.: Regina Salgado Campos)




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos