Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Uma semana contra o Capitalismo de Desastre

» Na Argentina, algo além de Macri começa a cair

» Transportes: a atualidade da Tarifa Zero

» Aos super ricos, os super genes?

» A Ideologia da Mineração está em xeque

» Orçamento 2020 expõe o Bolsonaro das elites

» A esquecida questão da desigualdade energética

» Crônica de Cuba, em incerta transição

» “Direitos Já”: Uma perigosa contradição

» Cinema: Espelhos deformantes

Rede Social


Edição francesa


» Libye, l'appel du devoir

» La gauche française bute sur l'Europe

» Fédéralisme à l'allemande et évolutions politiques

» « Métro, boulot, tombeau »

» Plus haute sera la prochaine tour

» Le Media Lab aux avant-postes du cybermonde

» Echec à la corruption au Brésil

» Les beaux jours de la corruption à la française

» Parler français ou la « langue des maîtres » ?

» Au Portugal, austérité et contestation


Edição em inglês


» The logs of war

» Benjamin Netanyahu, best friend of the far right

» September: the longer view

» Afghan peace talks: Trump tweets, Taliban fights

» An inexhaustible myth in times of extreme adversity

» What happened to social solidarity?

» Sudan: conflict, violence and repression

» Russia's appointed billionaires

» Another end is possible

» Arms sales: the Swedish model


Edição portuguesa


» Edição de Setembro de 2019

» Portugal não pode parar?

» Quem elegeu Ursula von der Leyen?

» Edição de Agosto de 2019

» Plural e vinculado à esquerda

» Os talibãs de São Francisco

» Edição de Julho de 2019

» Inconsistências (ou o sono da razão?)

» Comércio livre ou ecologia!

» Edição de Junho de 2019


DOSSIÊ 11 DE SETEMBRO

O relatório enterrado da ONU

Imprimir
Enviar

Ler Comentários
Compartilhe

(01/09/2002)

Na noite de 30 de junho para 1o de julho, a aviação norte-americana bombardeou a aldeia de Kakrakai, na província de Uruzgan, fazendo uns cinqüenta mortos e mais de cem feridos – na maioria mulheres e crianças que participavam de uma festa de casamento. As Nações Unidas enviaram então para o local membros de sua missão para o Afeganistão e também da Organização Mundial da Saúde, do Alto Comissariado para os Refugiados etc. Um primeiro relatório foi redigido, esclarecendo o fato de que ninguém havia atirado contra os aviões e afirmando que investigadores norte-americanos haviam tentado camuflar provas, esperando que desaparecesse o interesse pelo acontecido.

Preocupada com as repercussões desse relatório, a ONU decidiu, por um lado, pedir uma segunda versão do texto “mais responsável” e, por outro lado, não tornar público esse documento maquiado, mas transmiti-lo aos governos norte-americano e afegão. Sustentou que seus delegados locais não tinham a competência militar ou balística para fazer aquela investigação. Mas então, por que os havia enviado ao local?

Interrogado, o porta-voz das Nações Unidas, muito constrangido, desmentiu que essa prudência resultasse de pressões de Washington. No entanto, foi isso que aconteceu. Como destacou o Financial Times (30 de julho de 2002), “os Estados Unidos são o principal fornecedor de fundos das Nações Unidas e de muitas de suas operações, e detêm o direito de veto no Conselho de Segurança que decide sobre questões como a do mandato dos capacetes azuis no Afeganistão”.

Vários testemunhos dos habitantes da aldeia sobre o comportamento dos investigadores norte-americanos depois do bombardeio – casas invadidas, homens e mulheres com pés e mãos amarrados e impedidos de socorrer os feridos, mulheres mortas fotografadas nuas etc. – provocaram repúdio até do governo de Cabul. O porta-voz do presidente afegão Hamid Karzai declarou, em 2 de agosto, a respeito do segundo relatório das Nações Unidas, que era melhor publicá-lo. “Há erros. Quem os cometeu? Mais do que camuflar, seria melhor investigar, encontrar. É a melhor saída para acabar com o problema e obter a confiança do povo, e também para que ele se acalme. Se não, se camuflarem as coisas, isso não irá ajudar os norte-americanos, nem os afegãos.”

(Trad.: Regina Salgado Campos)




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos