Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Uma semana contra o Capitalismo de Desastre

» Na Argentina, algo além de Macri começa a cair

» Transportes: a atualidade da Tarifa Zero

» Aos super ricos, os super genes?

» A Ideologia da Mineração está em xeque

» Orçamento 2020 expõe o Bolsonaro das elites

» A esquecida questão da desigualdade energética

» Crônica de Cuba, em incerta transição

» “Direitos Já”: Uma perigosa contradição

» Cinema: Espelhos deformantes

Rede Social


Edição francesa


» Libye, l'appel du devoir

» La gauche française bute sur l'Europe

» Fédéralisme à l'allemande et évolutions politiques

» « Métro, boulot, tombeau »

» Plus haute sera la prochaine tour

» Le Media Lab aux avant-postes du cybermonde

» Echec à la corruption au Brésil

» Les beaux jours de la corruption à la française

» Parler français ou la « langue des maîtres » ?

» Au Portugal, austérité et contestation


Edição em inglês


» The logs of war

» Benjamin Netanyahu, best friend of the far right

» September: the longer view

» Afghan peace talks: Trump tweets, Taliban fights

» An inexhaustible myth in times of extreme adversity

» What happened to social solidarity?

» Sudan: conflict, violence and repression

» Russia's appointed billionaires

» Another end is possible

» Arms sales: the Swedish model


Edição portuguesa


» Edição de Setembro de 2019

» Portugal não pode parar?

» Quem elegeu Ursula von der Leyen?

» Edição de Agosto de 2019

» Plural e vinculado à esquerda

» Os talibãs de São Francisco

» Edição de Julho de 2019

» Inconsistências (ou o sono da razão?)

» Comércio livre ou ecologia!

» Edição de Junho de 2019


DOSSIÊ 11 DE SETEMBRO

Superman

Imprimir
Enviar

Ler Comentários
Compartilhe

(01/09/2002)

Em seu discurso sobre o estado da União de 29 de janeiro de 2002, George W. Bush revelou: “Em apenas quatro meses, nosso país consolou as vítimas, começou a reconstruir Nova York e o Pentágono, criou uma grande coalizão, capturou, prendeu e eliminou milhares de terroristas, destruiu campos de treinamento de terroristas no Afeganistão, salvou um povo da fome e libertou o país de uma opressão brutal.

A bandeira norte-americana tornou a flutuar em nossa embaixada em Cabul. Os terroristas que ocupavam o Afeganistão ocupam, agora, celas em Guantanamo e os chefes desses terroristas, que incentivaram seus seguidores a sacrificarem suas vidas, fugiram para salvar as suas.”

Ainda nesse mesmo discurso, o presidente norte-americano declarou: “Agiremos sem hesitação, mas o tempo não é nosso aliado. Não esperaremos que novos fatos ocorram, num momento em que o perigo aumenta. Não ficaremos passivos diante de um perigo que está cada vez mais próximo. Os Estados Unidos da América não permitirão que os governos mais perigosos do mundo nos ameacem com as armas mais destruidoras do mundo.

Nossa guerra contra o terrorismo já começou, mas não fez senão começar. Talvez esta campanha não termine antes de nosso mandato [janeiro de 2005], mas nós a incentivaremos e a travaremos durante este mandato.

Os Estados Unidos sempre defenderão com firmeza os princípios não negociáveis da dignidade humana: a primazia do direito, o limite do poder do Estado, o respeito pelas mulheres, pela propriedade privada, pela liberdade de expressão, pela justiça para todos e pela tolerância religiosa.”

(Trad.: Jô Amado)




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos