Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Bolívia: e os indígenas resistem ao golpe…

» Para pensar a Amazônia após o pesadelo

» EUA: Os campos de detenção da Era Trump

» Parasita: o cheiro ao redor

» Chile conquista Constituinte – mas qual?

» O peculiar totalitarismo do século XXI

» Quem poderá salvar Veneza?

» Bolívia: não despreze a resistência

» O adereço de Guedes e o sentido do governo

» O Chile Rebelde quer ir além

Rede Social


Edição francesa


» Wikipédia ou la fin de l'expertise ?

» En Espagne, bataille pour la mémoire républicaine

» Séisme sur les retraites en Argentine et au Chili

» Ce nouveau parti qui bouscule le paysage politique allemand

» La figure imposée du dernier poilu

» Les dossiers enterrés de Tchernobyl

» Une femme à la barre de l'Argentine

» La Chine au miroir de l'Occident

» « Choc des civilisations », à l'origine d'un concept

» Les Allemands de l'Est saisis par l'Ostalgie


Edição em inglês


» The fall of liberal triumphalism

» Sarah Seo on Americans, their cars and the law

» November: the longer view

» Ibrahim Warde on the rise and fall of Abraaj

» Fighting ISIS: why soft power still matters

» Life as a company troll

» The imperial magazine

» Setting Socrates against Confucius

» Price of freedom on the road

» Global business of bytes


Edição portuguesa


» Golpe de Estado contra Evo Morales

» Será que a esquerda boliviana produziu os seus coveiros?

» A era dos golpes de Estado discretos

» Pequeno manual de desestabilização na Bolívia

» No Brasil, os segredos de um golpe de Estado judiciário

» Edição de Novembro de 2019

» Sempre uma coisa defronte da outra

» OTAN: até quando?

» Alojamento local-global: especulação imobiliária e desalojamento

» Rumo a uma governança participativa da vida nocturna de Lisboa


DOSSIÊ 11 DE SETEMBRO

Superman

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

(01/09/2002)

Em seu discurso sobre o estado da União de 29 de janeiro de 2002, George W. Bush revelou: “Em apenas quatro meses, nosso país consolou as vítimas, começou a reconstruir Nova York e o Pentágono, criou uma grande coalizão, capturou, prendeu e eliminou milhares de terroristas, destruiu campos de treinamento de terroristas no Afeganistão, salvou um povo da fome e libertou o país de uma opressão brutal.

A bandeira norte-americana tornou a flutuar em nossa embaixada em Cabul. Os terroristas que ocupavam o Afeganistão ocupam, agora, celas em Guantanamo e os chefes desses terroristas, que incentivaram seus seguidores a sacrificarem suas vidas, fugiram para salvar as suas.”

Ainda nesse mesmo discurso, o presidente norte-americano declarou: “Agiremos sem hesitação, mas o tempo não é nosso aliado. Não esperaremos que novos fatos ocorram, num momento em que o perigo aumenta. Não ficaremos passivos diante de um perigo que está cada vez mais próximo. Os Estados Unidos da América não permitirão que os governos mais perigosos do mundo nos ameacem com as armas mais destruidoras do mundo.

Nossa guerra contra o terrorismo já começou, mas não fez senão começar. Talvez esta campanha não termine antes de nosso mandato [janeiro de 2005], mas nós a incentivaremos e a travaremos durante este mandato.

Os Estados Unidos sempre defenderão com firmeza os princípios não negociáveis da dignidade humana: a primazia do direito, o limite do poder do Estado, o respeito pelas mulheres, pela propriedade privada, pela liberdade de expressão, pela justiça para todos e pela tolerância religiosa.”

(Trad.: Jô Amado)




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos