Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Aos super ricos, os super genes?

» A Ideologia da Mineração está em xeque

» Orçamento 2020 expõe o Bolsonaro das elites

» A esquecida questão da desigualdade energética

» Crônica de Cuba, em incerta transição

» “Direitos Já”: Uma perigosa contradição

» Cinema: Espelhos deformantes

» As mentiras da ciência a serviço do mercado

» Anatomia da próxima recessão global

» Passo a passo para frear a devastação da Amazônia

Rede Social


Edição francesa


» Les beaux jours de la corruption à la française

» Parler français ou la « langue des maîtres » ?

» Au Portugal, austérité et contestation

» Le piège du 11-Septembre

» Quand la gomme arabique fait tanguer l'Amérique

» Au Kosovo, la « sale guerre » de l'UCK

» L'école publique à l'encan

» Le régime de Khartoum bousculé par la sécession du Sud

» Les apprentis sorciers de la retraite à points

» Hongkong dans l'étau chinois


Edição em inglês


» September: the longer view

» Afghan peace talks: Trump tweets, Taliban fights

» An inexhaustible myth in times of extreme adversity

» What happened to social solidarity?

» Sudan: conflict, violence and repression

» Russia's appointed billionaires

» Another end is possible

» Arms sales: the Swedish model

» Soft power influence in the Arabian Gulf

» Life with bribes and kickbacks


Edição portuguesa


» Edição de Setembro de 2019

» Portugal não pode parar?

» Quem elegeu Ursula von der Leyen?

» Edição de Agosto de 2019

» Plural e vinculado à esquerda

» Os talibãs de São Francisco

» Edição de Julho de 2019

» Inconsistências (ou o sono da razão?)

» Comércio livre ou ecologia!

» Edição de Junho de 2019


DOSSIÊ 11 DE SETEMBRO

Balanço lento

Imprimir
Enviar

Ler Comentários
Compartilhe

(01/09/2002)

Em sua edição de 19 de agosto de 2002, o semanário Newsweek investiga a maneira pela qual Bin Laden teria conseguido escapar dos soldados norte-americanos no Afeganistão. Diz o seguinte: “No momento em que as autoridades norte-americanas se apressam em passar à guerra seguinte – destinada a se livrar de Saddam Hussein – talvez pareça surpreendente que os defensores da campanha afegã sejam tão pouco numerosos, supondo-se que existam. A crítica é sempre considerada antipatriótica. No entanto, a guerra no Afeganistão não terminou; sua principal missão não foi cumprida. O regime hesitante de Hamid Karzai não controla muita coisa fora da capital. O próprio Karzai recorre às forças especiais norte-americanas para garantir sua segurança. Se os dirigentes da Al Qaida e seus aliados do taliban talvez já não possam transferir fundos e montar operações sofisticadas tão facilmente como antes, essas atividades, no entanto, continuam pelo mundo. E, no próprio Afeganistão, preparam e por vezes têm sucesso em operações de intimidação contra as tropas norte-americanas e seus aliados afegãos.”

(Trad.: Regina Salgado Campos)




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos