Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Paulo Guedes pego na mentira

» Depois do senhor Guedes e de seu capitão

» Amazônia: caminho para o pós-Bolsonaro

» Tarifa Zero, a experiência europeia

» Marielles na Amazônia: apontar, fogo!

» Na África do Sul, a xenofobia não tem cor

» Uma semana contra o Capitalismo de Desastre

» Na Argentina, algo além de Macri começa a cair

» Transportes: a atualidade da Tarifa Zero

» Aos super ricos, os super genes?

Rede Social


Edição francesa


» Richesse et population, un monde à double face

» Machines hostiles

» Refaire le monde à coups de bistouri

» Libye, l'appel du devoir

» La gauche française bute sur l'Europe

» Fédéralisme à l'allemande et évolutions politiques

» « Métro, boulot, tombeau »

» Plus haute sera la prochaine tour

» Le Media Lab aux avant-postes du cybermonde

» Echec à la corruption au Brésil


Edição em inglês


» The logs of war

» Benjamin Netanyahu, best friend of the far right

» September: the longer view

» Afghan peace talks: Trump tweets, Taliban fights

» An inexhaustible myth in times of extreme adversity

» What happened to social solidarity?

» Sudan: conflict, violence and repression

» Russia's appointed billionaires

» Another end is possible

» Arms sales: the Swedish model


Edição portuguesa


» Edição de Setembro de 2019

» Portugal não pode parar?

» Quem elegeu Ursula von der Leyen?

» Edição de Agosto de 2019

» Plural e vinculado à esquerda

» Os talibãs de São Francisco

» Edição de Julho de 2019

» Inconsistências (ou o sono da razão?)

» Comércio livre ou ecologia!

» Edição de Junho de 2019


DOSSIÊ 11 DE SETEMBRO

Hajibirgit, 22 de maio de 2002

Imprimir
Enviar

Ler Comentários
Compartilhe

(01/09/2002)

Estamos vários meses depois do colapso do poder dos taliban, mas a guerra continua no Afeganistão. Robert Fisk, jornalista britânico, investigou uma das “ações” das forças especiais norte-americanas e de seus aliados contra a pequena aldeia de Hajibirgit, na noite de 22 para 23 de maio de 2002 (The Independent, 6 de agosto de 2002). Depois de cercar a povoação e matar seu chefe local, um velho de 85 anos, os soldados prenderam 55 homens. Depoimento de Abdul Sattar: “Dois norte-americanos tiraram minha roupa. Prenderam-me nu e rasparam-me a barba antes de me fotografar. Por que me rasparam a barba? Eu sempre usei barba.” Um outro, Mohamedin, foi interrogado: “Havia um intérprete afegão ao lado dos soldados norte-americanos, homens e mulheres. Eu estava nu diante deles, com as mãos amarradas.” Hakim, um homem de 60 anos, conta: “Perguntaram-me: ‘Há muitos árabes, talibans, iranianos ou estrangeiros em sua aldeia?’ Respondi que não.”

Os prisioneiros foram detidos durante cinco dias, em jaulas, como em Guantanamo. Em seguida foram libertados e assessores militares norte-americanos pediram desculpas. Levados para casa, os camponeses descobriram que, em sua ausência, a aldeia havia sido saqueada por um grupo de homens dirigido por Abdul Rahman Khan, um comandante mudjahidin, aliado do presidente Hamid Karzai.

“A guerra do presidente Bush contra o terrorismo, seu combate entre o bem e o mal, chegou à inocente aldeia de Hajibirgit”, concluiu Robert Fisk.

(Trad.: Regina Salgado Campos)




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos