Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» 10 de agosto de 2020

» O trabalho feminino gratuito enfrenta a pandemia

» Fala um líder da República de Paraisópolis

» Não vale enfrentar Bolsonaro e esquecer neoliberalismo

» Quem ganha com a explosão de Beirute

» 7 de agostos de 2020

» Os dois combates de Flávio Dino

» A Embraer continua nossa: e agora?

» Feminismo e internet: as fronteiras para o livre saber

» Por que ultradireita teme um Estado de Emergência

Rede Social


Edição francesa


» La mémoire meurtrie de Mahabad

» L'hostilité et la haine, ici, chaque jour...

» Contestation sonore en Angola

» Contre la concurrence, l'émulation

» Fascination pour les pôles

» Ignorance toxique

» L'Etat utopique ou la haine de l'histoire

» Tunisie : du protectorat à l'autonomie interne

» Algérie : Les réformes de 1947 et l'intégration

» « The Economist », le journal le plus influent du monde


Edição em inglês


» US-Iran: an election showdown?

» August: the longer view

» Hagia Sophia in Turkey's culture wars

» Pilgrimage routes

» Bolivia's shrinking glaciers

» It's the healthcare system, stupid

» The Twenty Years' war

» Government by the worst

» The eternal Johann Sebastian

» Wake up! I have things to say!


Edição portuguesa


» Edição de Agosto de 2020

» Prisioneiros do paradigma

» A guerra dos vinte anos?

» Offshores: paraíso para alguns, inferno para todos

» Edição de Julho de 2020

» Metáforas bélicas

» Alguém disse «sistémico»?

» Dois ou três lugares a preencher – a propósito de José Saramago

» A Jangada de Saramago

» Um homem chamado Saramago


DOSSIÊ 11 DE SETEMBRO

Hajibirgit, 22 de maio de 2002

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

(01/09/2002)

Estamos vários meses depois do colapso do poder dos taliban, mas a guerra continua no Afeganistão. Robert Fisk, jornalista britânico, investigou uma das “ações” das forças especiais norte-americanas e de seus aliados contra a pequena aldeia de Hajibirgit, na noite de 22 para 23 de maio de 2002 (The Independent, 6 de agosto de 2002). Depois de cercar a povoação e matar seu chefe local, um velho de 85 anos, os soldados prenderam 55 homens. Depoimento de Abdul Sattar: “Dois norte-americanos tiraram minha roupa. Prenderam-me nu e rasparam-me a barba antes de me fotografar. Por que me rasparam a barba? Eu sempre usei barba.” Um outro, Mohamedin, foi interrogado: “Havia um intérprete afegão ao lado dos soldados norte-americanos, homens e mulheres. Eu estava nu diante deles, com as mãos amarradas.” Hakim, um homem de 60 anos, conta: “Perguntaram-me: ‘Há muitos árabes, talibans, iranianos ou estrangeiros em sua aldeia?’ Respondi que não.”

Os prisioneiros foram detidos durante cinco dias, em jaulas, como em Guantanamo. Em seguida foram libertados e assessores militares norte-americanos pediram desculpas. Levados para casa, os camponeses descobriram que, em sua ausência, a aldeia havia sido saqueada por um grupo de homens dirigido por Abdul Rahman Khan, um comandante mudjahidin, aliado do presidente Hamid Karzai.

“A guerra do presidente Bush contra o terrorismo, seu combate entre o bem e o mal, chegou à inocente aldeia de Hajibirgit”, concluiu Robert Fisk.

(Trad.: Regina Salgado Campos)




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos