Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» 15 de outubro de 2021

» É possível ser flaneur em meio aos escombros?

» O tempo livre e o novo feitiço do capital

» Da guerra no Afeganistão à guerra feminista

» Viagem ao coração das trevas do capitalismo

» As lições da China para erradicar a pobreza

» 14 de outubro de 2021

» A esperança da paz e a permanência das guerras

» Amazônia: a defesa covarde da “soberania”

» Aborto: quando os EUA têm um quê de Talibã

Rede Social


Edição francesa


» Ces « traîtres » qui sauvèrent l'honneur de la France

» A la recherche d'un destin commun en Nouvelle-Calédonie

» L'école algérienne face au piège identitaire

» Envoyés spéciaux de la guerre d'Espagne

» La ballade des prétendus

» Le théorème de la mélancolie

» Sécurité nucléaire, les risques de la dérégulation

» Éloge de la fermière

» Bientôt des robots au chevet des patients japonais

» En Afghanistan, double piège pour les femmes


Edição em inglês


» Taiwan at the heart of the US-China conflict

» October: the longer view

» What do we produce, and why?

» Hunger in France's land of plenty

» In search of a good food deal

» Georgia's love-hate affair with Russia

» Latin America faces tough choices

» Recognising the PRC

» Behind bars: resisting the Turkish state

» Taiwan strengthens ties with the US


Edição portuguesa


» Edição de Outubro de 2021

» Um império que não desarma

» Convergir para fazer que escolhas?

» O mundo em mutação e o Estado - em crise?

» Edição de Setembro de 2021

» Transformação e resiliência

» O caminho de Cabul

» Edição de Agosto de 2021

» Ditadura digital

» Desigualdades digitais


LIVROS

Contestação e diversidade

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

Os melhores antídotos contra o antiamericanismo são justamente os textos de inúmeros escritores norte-americanos, que defendem uma certa idéia dos Estados Unidos e de seus valores contra aqueles que representam e ilustram seus governantes

Gilbert Achcar - (01/09/2002)

Paradoxalmente, o clima parece propício para que se faça uma melhor apreciação dos Estados Unidos. Não a dos centros do poder, em Washington, mas a de um país democrático, um dos que têm a maior capacidade de autocrítica do mundo – como foi sobejamente demonstrado por ocasião da guerra do Vietnã. É lógico que a reação popular aos atentados em Manhattan foi, inicialmente, emocional. Mas é menos consensual do que parecem sugerir as bravatas de George W. Bush. Prova disso é o belo trabalho de Beatrice Fraenkel, misturando texto e fotografias.

Uma amostragem edificante

Uma amostragem dessas reflexões pode ser encontrada numa antologia com críticas que vão de membros do establishment tradicional a figuras como Chomsky e Saïd

Como salientam dois grandes conhecedores da realidade norte-americana – num livro interessante sobre a relação entre a cultura e a incompreensão da antipatia suscitada por seu país –, “o problema, para o resto do mundo, é que a diversidade de opiniões norte-americanas tenha tão pouca repercussão no discurso político do governo, do Congresso e dos meios de comunicação”. Os melhores antídotos contra o antiamericanismo são justamente os textos de inúmeros escritores norte-americanos, que defendem uma certa idéia dos Estados Unidos e de seus valores contra aqueles que representam e ilustram seus governantes.

Uma amostragem edificante dessas reflexões sobre a “outra América” pode ser encontrada numa antologia muito oportuna. As críticas à política do governo Bush vão de membros do establishment intelectual tradicional, como o filósofo Ronald Dworkin e o sociólogo Michael Mann, a figuras de expressão da crítica radical, como Noam Chomsky e Edward Saïd. Esta última corrente, mais próxima das simpatias dos editores do livro, é nitidamente melhor apresentada. Também deve ser ressaltado – em homenagem a uma superioridade dos costumes norte-americanos em relação aos costumes franceses – que foram incluídos nessa antologia três mulheres (Judith Butler, Ângela Davis e Naomi Klein) e um negro, cujos textos ressaltam o interesse do trabalho coletivo. Um livro exemplar.

(Trad.: Jô Amado)

Referências Les écrits de septembre, New York, 2001, de Beatrice Fraenkel, ed. Textuel, Paris, 2002, 160 páginas, 27 euros (85 reais).

Pourquoi le monde déteste-t-il l’Amérique?, de Ziauddin Sardar e Merryl Wyn Davies, ed. Fayard, Paris, setembro de 2002, 19 euros (60 reais).

L’Autre Amérique. Les Américains contre l’état de guerre, antologia de vários autores. Os textos são apresentados por Daniel Bensaïd, Sebastian Budger e Eustache Kouvélakis, ed. Textuel, Paris, 2002, 238 páginas, 19 euros (60 reais).




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Estados Unidos
» Literatura
» Poder Imperial dos EUA

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos