Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» A desigualdade brasileira posta à mesa

» Fagulhas de esperança na longa noite bolsonarista

» 1 de setembro de 2020

» O fim do mundo e o indiscreto racismo das elites

» O milagre da multiplicação de bilhões — para os bancos

» Movimento sindical em tempos de tormenta

» 31 de agosto de 2020

» A crucificação de Julian Assange

» Nuestra America: os cinco séculos de solidão

» Ir além do velho mundo: lições da pandemia

Rede Social


Edição francesa


» Devoir de réserve, un effet d'intimidation

» La Pologne s'accroche à son charbon

» Le miasme et la jeune fille

» L'énigme de « La Coubre »

» Au Canada, la fin de la résignation pour les peuples autochtones

» Jean Cavaillès, une pensée explosive

» Au Rwanda, la tradition instrumentalisée

» Les municipalités laissent mourir les centres de santé

» Samsung ou l'empire de la peur

» Main basse sur l'eau des villes


Edição em inglês


» China: its rise and rise

» China leads the 5G race

» South Korea's feminists fight back

» The biosecurity myth

» The Huawei war

» Moscow's Active Citizens

» Greater Moscow's unsure future

» Golden age of coal turns to black dust

» For those in peril on the sea

» China's outlaw fishermen


Edição portuguesa


» Um resultado que ninguém aceitará

» Edição de Outubro de 2020

» Distâncias à mesa do Orçamento

» Falsas independências

» Trabalho na cultura: estatuto intermitente, precariedade permanente?

» RIVERA

» Edição de Setembro de 2020

» Cuidar dos mais velhos: por uma rede pública e universal

» Restauração em Washington?

» Cabo Delgado: névoa de guerra, tambores de internacionalização


ÍNDIA

Abundância desastrosa

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

A euforia da “melhor safra dos últimos vinte anos” transformou-se num pesadelo: o mercado oferece aos lavradores um preço que corresponde a um terço do custo de produção. E assim, a Índia consolida seu trágico lugar entre os recordistas da miséria absoluta

Roland-Pierre Paringaux - (01/09/2002)

Após dois meses de inércia, o governo fixou um preço – insuficiente e difícil de conseguir: “A burocracia desanima”, explica um agricultor

No distrito de Sikar, Estado de Rajashan, a colheita do sorgo em setembro de 2001 foi excepcional. “A melhor dos últimos vinte anos”, dizem os camponeses. Uma bênção depois de três anos de seca durante os quais milhões de pessoas tiveram que se privar de tudo e se endividar. Principalmente porque, na década de 90, os encargos e os custos de produção dos agricultores não pararam de aumentar enquanto os subsídios se tornavam raros. Mas a euforia não demorou em virar pesadelo. A demanda e os preços de mercado continuaram muito baixos. Segundo Dayal Singh, um camponês do distrito, os comerciantes ofereciam inicialmente 250 rúpias por quintal, um terço do custo de produção. “A esse preço”, protesta Singh, “é melhor guardar a colheita para alimentar os animais”. Depois de dois meses de inércia, o governo fixou um preço garantido de 480 rúpias. Não somente é insuficiente, esclarece Subkaran Bhuria, um agricultor do vilarejo de Chalasi, como também difícil de conseguir: “A quantidade de trâmites burocráticos e de documentos desanima muita gente”. O sorgo conserva-se durante seis meses e os menos endividados podem esperar. Os outros vendem com prejuízo uma colheita que vai inchar estoques já consideráveis. Muitos vão, então, aumentar as fileiras dos que vegetam abaixo do limiar da pobreza. Ou seja, um quarto dos 1.500 habitantes do vilarejo.

Muito criticada, a política governamental – que combina a compra de cereais alimentares a um preço mínimo garantido e a redução de sua distribuição pelo SPD (Sistema Público de Distribuição) – levou, nos últimos anos, a uma situação escandalosa em relação à segurança alimentar de milhões e milhões de pessoas vulneráveis. Alimentados pelas boas colheitas de 2000 e 2001, mas também pela redução da distribuição gratuita ou a preço baixo e pelo fraco poder aquisitivo de uma parte da população, os estoques pertencentes ao governo não pararam de aumentar. Eram avaliados, no ano passado, em mais de 60 milhões de toneladas de grãos (trigo e arroz) para uma capacidade de armazenagem inferior a 30 milhões. E a montanha de cereais, com a qual parece que não se sabe bem o que fazer, cresce. A desnutrição e a fome também. Segundo o Banco Mundial, a Índia tem mais de 250 milhões de pobres - mais de um quarto de sua população. Outros falam em mais de 300 milhões.

O paradoxo da abundância

A montanha de cereais armazenados – com a qual o governo parece não saber bem o que fazer – cresce. A desnutrição e a fome também

Para alguns, o governo faz demais; para outros, não o suficiente. “O resultado desastroso de uma boa colheita”, declarou S. Swaminathan, especialista em questões agrícolas1, “é que os pequenos fazendeiros têm que enfrentar uma derrubada dos preços [...]. Devido a pressões políticas, o governo se precipita para comprar o trigo de má qualidade a preço alto. Isto é caridade, não comércio. Mas é a mentalidade que prevalece no país, o governo é considerado uma vaca leiteira. Seca, inundação, problemas comerciais - ele voa em socorro de uns e de outros [...]. Não é assim que se constrói um sistema agrícola dinâmico.”

E acrescentou: “Continuaremos a viver o paradoxo de uma abundância num oceano de miséria e de uma subutilização do SPD enquanto as pessoas não tiverem poder de compra. Atualmente, esse é o desafio nº 1 da Índia. Um emprego e meios de existência para cada indiano – isso deve ser a base de qualquer política nacional e global.”

(Trad.: Maria Elisabete de Almeida)

1 - “The farming crisis”, Frontline Magazine, Chennai, 2 de fevereiro de 2001.




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» India
» OMC
» Livre Comércio e Desigualdade
» Soberania Alimentar
» Comércio Internacional

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos