Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» A desigualdade brasileira posta à mesa

» Fagulhas de esperança na longa noite bolsonarista

» 1 de setembro de 2020

» O fim do mundo e o indiscreto racismo das elites

» O milagre da multiplicação de bilhões — para os bancos

» Movimento sindical em tempos de tormenta

» 31 de agosto de 2020

» A crucificação de Julian Assange

» Nuestra America: os cinco séculos de solidão

» Ir além do velho mundo: lições da pandemia

Rede Social


Edição francesa


» Au Rwanda, la tradition instrumentalisée

» Les municipalités laissent mourir les centres de santé

» Samsung ou l'empire de la peur

» Main basse sur l'eau des villes

» Percées et reflux en Europe

» Délire partisan dans les médias américains

» L'Amérique latine a choisi l'escalade révolutionnaire localisée

» Le national-conservatisme s'ancre dans la société hongroise

» Au Venezuela, la tentation du coup de force

» « Tout ce qu'ils nous proposent, c'est de devenir flics ! »


Edição em inglês


» Nagorno-Karabakh conflict: its meaning to Armenians

» How will the US counter China?

» October: the longer view

» America, year 2020

» The ministry of American colonies

» America, the panic room

» Independent only in name

» An election result that won't be accepted

» Into the woods, it's nearly midnight

» Canada's cancel culture


Edição portuguesa


» Um resultado que ninguém aceitará

» Edição de Outubro de 2020

» Distâncias à mesa do Orçamento

» Falsas independências

» Trabalho na cultura: estatuto intermitente, precariedade permanente?

» RIVERA

» Edição de Setembro de 2020

» Cuidar dos mais velhos: por uma rede pública e universal

» Restauração em Washington?

» Cabo Delgado: névoa de guerra, tambores de internacionalização


ORIENTE MÉDIO

Um livro devastador

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

O jornalista Alain Ménargues revela em seu livro que os massacres de Sabra e Chatila foram por etapas: na primeira delas, um comando especial israelense invadiu os campos com uma lista – e o endereço – de 120 militantes palestinos, todos executados

Pierre Péan - (01/09/2002)

Sem hesitação, os soldados dirigiam-se a determinadas casas e davam um nome. A pessoa chamada era forçada a sair e friamente abatida com um tiro na nuca

Um livro vem sendo muito esperado por todos os que querem esclarecer os massacres de Sabra e Chatila, mas muito temido pelo governo de Ariel Sharon, pois acrescenta novas provas ao processo de acusação contra o ex-ministro da Defesa. Alain Ménargues, correspondente da Rádio France em Beirute entre 1982 e 1995, realizou uma extensa pesquisa sobre o tema. Teve acesso a uma enorme quantidade de documentos inéditos e entrevistou inúmeros participantes militares – israelenses, libaneses e palestinos. Temendo pôr em risco a vida de testemunhas libanesas, atrasou a publicação de seu livro. Finalmente, a editora Albin Michel deverá publicá-lo antes do final deste ano.

Alain Ménargues afirma que, algumas horas depois da decisão de Ariel Sharon, na manhã de 15 de setembro de 1982, de mandar os soldados israelenses entrarem em Beirute Ocidental para liquidar os “ninhos de terroristas”, uma unidade de comandos, também israelenses, penetraram nos campos de Sabra e Chatila. A unidade, chamada Sayyeret Matkal, teria uma lista de cento e vinte nomes de militantes palestinos e seus endereços. Os soldados israelenses “se deslocaram rapidamente, em silêncio, seguindo itinerários que pareciam conhecer perfeitamente, e se dirigiram, com precisão, a casas determinadas. Sem hesitação, forçaram as portas e, por intermédio de um tradutor falando um árabe com sotaque não-libanês, davam um nome aos moradores aterrorizados. Logo que se apresentava, a pessoa chamada era instada a sair e era friamente abatida com um tiro na nuca”. Essa unidade especial israelense, a mesma encarregada das liquidações nos territórios palestinos ocupados, teria abatido 63 palestinos. “Todos, advogados, médicos, professores e mesmo enfermeiras, ao ser anunciada a ofensiva, comunicaram às pessoas de suas relações a decisão de permanecer no local, persuadidos de que sua condição de não-combatentes os colocaria acima do conflito.”

Participação direta israelense

Elie Hobeika, chefe do serviço secreto libanês, enviou seus homens mais incontrolados. Foi essa equipe – a terceira – que praticou os piores horrores...

Terminada essa missão – que tinha por objetivo desmantelar as infra-estruturas palestinas –, os israelenses deram o lugar para uma segunda leva de matadores, formada por libaneses do Exército do Sul do Líbano, comandado pelo major Haddad, chefe dos reservistas do exército israelense. A unidade encarregada de continuar a limpeza dos campos foi chefiada pelo capitão Camille Khoury, a quem Rafaël Eytan, chefe do Estado-Maior israelense, teria dito: “Faça-os sentirem tanto medo que saiam e nunca mais voltem.” Depois do retorno dessa segunda equipe, o Estado-Maior israelense pediu ao Estado-Maior das forças libanesas que terminasse a limpeza dos campos de Sabra e Chatila. É aí que intervém Elie Hobeika, chefe do serviço secreto de Béchir Gemayel, assassinado no dia 14 de setembro. Hobeika enviou seus homens mais incontrolados. Foi essa terceira equipe que praticou os piores horrores...

A participação direta dos soldados israelenses constitui, evidentemente, a grande revelação de Alain Ménargues. Sem trazer provas absolutas, apresenta um conjunto de elementos capazes de forjar a convicção íntima. Ele retoma um dos elementos da comissão Kahane (leia, nesta edição, o artigo “História de um massacre anunciado”, de Pierre Péan). Para explicar a presença insólita, no interior do campo, dos papéis e de uma cartucheira pertencentes ao sargento israelense Benny Haim - quando a versão oficial israelense era a de que seu exército não havia entrado em Sabra e Chatila - a comissão israelense afirmou, sem provas, que esses objetos tinham sidos colocados naquele lugar. Alain Ménargues baseia-se, também, nas conclusões de um médico legista que examinou os cadáveres e encontrou três calibres diferentes, correspondentes às armas das três equipes de assassinos.

(Trad.: Celeste Marcondes)




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Israel
» Palestina
» Ocupação da Palestina
» Genocídios e Massacres

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos