Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» O prisioneiro que não cede ao Grande Irmão

» Previdência: a fábula da República das Laranjas

» A difícil arte de superar o senso comum

» Os mapas do poder dos ruralistas

» Petrobrás: assim Paulo Guedes planeja o desmonte

» O neoliberalismo periférico e a oportunidade perdida

» Nunca fomos tão pequenos

» Caro coxinha, nossa bandeira já é vermelha…

» O mundo encantado da Previdência privada

» A lógica senil da propriedade privada

Rede Social


Edição francesa


» « Différenciés », les Albanais du Kosovo

» Que cessent les vents chauvins

» Ainsi s'élargit le gouffre entre pouvoir capitaliste et réalités sociales

» Le poids du lobby pro-israélien aux États-Unis

» Tradition et qualité françaises

» Batna dans le vertige des peurs et des frustrations

» Vingt ans après, les plaies ouvertes du Kosovo

» Le champ sémantique du populisme

» Les dangers d'une monnaie unique

» L'Algérie sous le choc


Edição em inglês


» White supremacists worm their way into the West's mainstream

» Kosovo's open wounds, twenty years on

» Retiring the Statue of Liberty

» Iraq's choice: US air strikes or Iranian air conditioners?

» Gilets jaunes: the French uprising

» March: the longer view

» Rwanda now sets its own aid rules

» The rise of the hardliners

» Should we be combatting sexism to stimulate economic growth?

» Julia Buxton on Venezuela's ongoing crisis


Edição portuguesa


» O caso do Novo Banco: nacionalizar ou internacionalizar?

» Edição de Março de 2019

» Sabe bem informar tão pouco

» O presidente e os pirómanos

» Edição de Fevereiro e 2019

» As propinas reproduzem as desigualdades

» Luta de classes em França

» Das propinas ao financiamento do Ensino Superior

» Na Venezuela, a lógica do pior

» Vale a pena (re)ler John Kenneth Galbraith?


ORIENTE MÉDIO

A batalha de Bruxelas

Imprimir
Enviar

Ler Comentários
Compartilhe

Em junho de 2001, um grupo de cidadãos protocolou, na Justiça belga, denúncia de genocídio, crime contra a humanidade e crimes de guerra contra o então ministro da Defesa de Israel, Ariel Sharon. Ele é apontado como responsável por Sabra e Chatila

Pierre Péan - (01/09/2002)

Os juízes belgas rejeitaram a denúncia invocando o artigo de uma lei de 1885, esquecida pelos parlamentares que redigiram o texto da petição

No dia 26 de junho de 2002, em Bruxelas, Ariel Sharon ganhou a primeira rodada, mas não tem certeza de ganhar a segunda. Ao declararem inaceitáveis as denúncias contra o ex-ministro da Defesa israelense – invocando o artigo de uma lei de 1885 que os parlamentares esqueceram ao redigir seu texto - os juízes belgas, na realidade, esvaziaram de seu conteúdo a lei de competência universal. Impulsionados por Josy Dubié1 - senador ecologista que criou uma Comissão Interparlamentar para apurar a verdade sobre os massacres de Sabra e Chatila – e por alguns outros parlamentares, os políticos belgas rapidamente retomaram o controle da situação, com o apoio do primeiro-ministro.

Dois projetos de lei serão discutidos na reabertura do Parlamento. O primeiro é uma lei que dará nova interpretação à lei de competência universal e permitirá à Bélgica julgar crimes de guerra, de genocídio e crimes contra a humanidade, “sem levar em conta o lugar onde o presumível autor do crime possa estar”. O segundo visa a harmonizar a lei belga com os estatutos do Tribunal Penal Internacional, que entrou em funcionamento no dia 1° de julho de 2002. E estabelecerá principalmente que: “A imunidade internacional vinculada à condição oficial de uma pessoa impede a aplicação da presente lei somente nos limites estabelecidos pelo Direito Internacional”.

“Bruxelas não é Tel Aviv...”

A ação provocou fortes tensões entre Bruxelas e o governo de Ariel Sharon, que não conseguiu esconder sua alegria quando o tribunal rejeitou a denúncia

“Se os projetos de lei forem votados antes do julgamento do Supremo Tribunal, que recebeu a petição da acusação, será difícil que este confirme a decisão do tribunal de recursos”, explica Josy Dubié, que se tornou uma das pessoas mais execradas pelo governo israelense. Como poderiam os juízes se opor frontalmente aos legisladores que se deram o trabalho de interpretar sua própria lei?

Em junho de 2001, 23 libaneses e palestinos, sobreviventes dos massacres de Sabra e Chatila, entraram com uma denúncia por crime de genocídio, crime contra a humanidade, crimes de guerra e graves infrações à Convenção de Genebra de 1949, movendo uma ação penal contra “Ariel Sharon, ministro da Defesa de Israel naquela ocasião, atualmente primeiro-ministro; contra Amos Yaron, comandante de divisão e general de brigada naquela ocasião, atualmente secretário-geral do Ministério da Defesa; contra qualquer outra pessoa, israelense ou libanesa, cuja responsabilidade nos acontecimentos venha a ser estabelecida”. Essa ação provocou fortes tensões entre Bruxelas e o governo de Ariel Sharon, que não conseguiu esconder sua alegria depois que o tribunal de primeira instância não aceitou a denúncia.

As reações israelenses irritaram os parlamentares. Eles consideram natural que, numa democracia, a última palavra seja da lei e do legislador - que quis e quer sempre que a Bélgica permita às vítimas das grandes injustiças do mundo inteiro perseguir, em seu território, os carrascos e ditadores impunes. “A política belga não se decide em Tel-Aviv”, desferiu um deles. Senadores e deputados frisam que sua ação não diz respeito apenas ao caso Sharon, mas a cerca de trinta acusações que visam principalmente Abdulaye Yerodia, ex-ministro do Congo, Laurent Gbagbo, atual presidente da Costa do Marfim, e também Yasser Arafat. Quanto ao processo sobre os massacres de Sabra e Chatila, Josy Dubié considera que poderá ser concluído mas, provavelmente, sem atingir Ariel Sharon - que atualmente se beneficia da imunidade de função reconhecida pelo Tribunal Penal Internacional - enquanto exercer as funções de primeiro-ministro.

(Trad.: Celeste Marcondes)

1 - Josy Dubié é presidente da Comissão de Justiça do Senado e vice-presidente da Comissão de Relações Exteriores e da Defesa do Senado.




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Bélgica
» Israel
» Direito Internacional
» Palestina
» Ocupação da Palestina
» Genocídios e Massacres

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos