Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Como derrotar a “direita Trump-Bolsonaro”

» As pedras da contracultura (ainda) rolam

» Corporações: já vivemos uma distopia…

» Olhai a nova geração de ativistas

» Rússia e China: fim do mundo unipolar?

» Está aberta a nova temporada de privatizações

» Direito à privacidade e o cinismo de Moro

» Boaventura: o avanço da direita e a causa oculta

» Fiori: Danação da História e disputa pelo futuro

» O sinistro lobby sionista

Rede Social


Edição francesa


» Les pompiers pyromanes de l'antisémitisme

» Menace iranienne, menace sur l'Iran

» Comme si l'école était une entreprise…

» Voyage au bout de la peur avec les clandestins du Sahel

» Chanter le devenir du monde

» A qui profite Paris ?

» Quand la ville se perd dans une métamorphose planétaire

» M. Jesse Jackson et l'ouverture du Parti démocrate

» Les aspirations des citoyens dans une structure étatique taillée sur mesure

» Comment la finance a tué Moulinex


Edição em inglês


» Confessions of a map-maker

» The Spaniards who liberated Paris

» Fighting for communication control

» June: the longer view

» Niger, a migration crossroads

» Niger, a migration crossroads

» Whatever happened to Bob Woodward?

» Europe in space

» The Corbyn controversy

» The invisible people


Edição portuguesa


» Edição de Junho de 2019

» As pertenças colectivas e as suas conquistas

» A arte da provocação

» 20 Anos | 20% desconto

» EUROPA: As CaUsas das Esquerdas

» Edição de Maio de 2019

» Os professores no muro europeu

» Chernobil mediático

» Edição de Abril de 2019

» A nossa informação, as vossas escolhas


IRAQUE

Em nome dos direitos humanos...

Imprimir
Enviar

Ler Comentários
Compartilhe

Enquanto prossegue o debate sobre o uso, ou não, da força contra o Iraque, não são levadas em conta, infelizmente, as conseqüências diretas de qualquer ação militar potencial sobre os direitos humanos do povo iraquiano

(01/10/2002)

“A experiência das ações armadas anteriores no Golfo mostrou que os civis tornam-se as vítimas aceitáveis da guerra”, diz a Anistia Internacional

Num comunicado do dia 12 de setembro de 2002, a Anistia Internacional observava que, “em seu discurso perante a Assembléia-Geral da ONU, o presidente George Bush referiu-se às sérias violações dos direitos humanos perpetradas contra o povo iraquiano por seu próprio governo. O documento complementar distribuído aos meios de comunicação mencionava, em várias passagens, os relatórios que a Anistia Internacional vem publicando, há anos, sobre a situação dos direitos humanos no Iraque.

Mais uma vez, o balanço dos direitos humanos num país é utilizado de maneira seletiva para legitimar ações militares. Os Estados Unidos e outros governos ocidentais fecharam os olhos aos relatórios da Anistia Internacional a respeito dos atentados generalizados contra os direitos humanos durante a guerra Irã-Iraque e ignoraram a campanha da Anistia Internacional sobre os milhares de civis curdos não armados, mortos quando dos ataques de 1988 contra Halabja.

Mortalidade infantil, desnutrição...

Enquanto se desenvolve o debate sobre o uso, ou não, da força contra o Iraque, não são levadas em conta, infelizmente, as conseqüências diretas de qualquer ação militar potencial sobre os direitos humanos do povo iraquiano.

A vida e a segurança dos civis devem ser a primeira das considerações em qualquer ação empreendida para resolver a atual crise em matéria humanitária e de direitos humanos. A experiência das ações armadas anteriores no Golfo mostrou que, muito freqüentemente, os civis tornam-se as vítimas aceitáveis da guerra”.

Porque o que o governo norte-americano não questiona é o preço que a população iraquiana irá pagar por uma intervenção militar. Mais de doze anos de boicote já tiveram resultados desastrosos. Um relatório publicado por entidades britânicas, datado do dia 6 de agosto de 2002, apresenta uma excelente síntese dos sofrimentos de uma população tomada como refém1. Uma comissão nomeada pelo Conselho de Segurança da ONU em março de 1999, por exemplo, já salientava: “Em oposição radical à situação anterior aos acontecimentos de 1990-1991, as taxas de mortalidade infantil no Iraque estão entre as mais altas do mundo, 23% das crianças nascem com peso insuficiente, a desnutrição afeta uma em quatro crianças de 5 anos, apenas 41% da população tem acesso regular à água potável e 83% das escolas precisam de consertos.”

A vítima é o povo

Um relatório publicado por entidades britânicas em agosto de 2002 apresenta uma excelente síntese dos sofrimentos de uma população tomada como refém

De outro lado, os redatores registravam os efeitos sociais negativos das sanções: “Uma delinqüência juvenil em crescimento, mendicância e prostituição, ansiedade em relação ao futuro e ausência de motivações, um sentido agudo do isolamento alimentado pela ausência de contactos com o mundo exterior, desenvolvimento de uma economia paralela marcada pelo mercantilismo e pela criminalidade, empobrecimento cultural e científico, perturbação da vida familiar. A Organização Mundial da Saúde verificou que o número de doentes mentais que freqüentam as instituições de saúde aumentou em 157%, entre 1990 e 1998.”

No dia 17 de abril de 2000, o secretário-geral das Nações Unidas, Kofi Annan, já salientava: “O balanço da ‘década das sanções’ levantou sérias dúvidas não só quanto à sua eficácia, mas também quanto à sua amplitude e ao seu rigor, quando civis inocentes tornam-se, freqüentemente, vítimas não só de seu próprio governo, mas também das ações da comunidade internacional. Tragicamente, quando sanções econômicas duras e globais são dirigidas contra regimes autoritários, em geral é o povo que sofre e não as elites políticas cujo comportamento desencadeou as sanções.”

(Trad.: Iraci D. Poleti)

1 - “ Iraq Sanctions : Humanitarian Implications and Options for the Future ”, disponível no site : http://www.globalpolicy.org/securit...




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Iraque
» Guerra contra o Iraque
» Poder Imperial dos EUA

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos