Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Eles querem organizar a população de rua

» Municipalismo, alternativa à crise da representação?

» A China tem uma alternativa ao neoliberalismo

» Marielle, Moa, Marley, Mineirinho

» As trapaças do gozo individual

» Vermelho Sol, fotossíntese da violência

» Assim arma-se a próxima crise financeira

» Quantos anos o automóvel rouba de sua vida?

» Guerra comercial: por que Trump vai perder

» Mulheres indígenas, raiz e tronco da luta pelo território

Rede Social


Edição francesa


» En dehors de la « Petite Europe » d'autres débouchés s'offriront aux produits tropicaux

» Dans le domaine agraire il serait dangereux de vouloir brûler toutes les étapes

» L'expérience de M. Fidel Castro pourrait être mise en péril par une socialisation trop rapide de l'industrie cubaine

» Au Japon, le ministre de la défense s'inquiète

» Les soucoupes volantes sont-elles un sous-produit de la guerre froide ?

» Ovnis et théorie du complot

» Boulevard de la xénophobie

» Une machine à fabriquer des histoires

» Un ethnologue sur les traces du mur de Berlin

» Le stade de l'écran


Edição em inglês


» Manufacturing public debate

» August: the longer view

» Trump returns to the old isolationism

» Yellow vests don't do politics

» Kurdish territories in northern Syria

» The changing shape of the Balkans: 1991 / 2019

» Minorities in Kosovo

» Borders 1500-2008

» Man with a mission or deranged drifter

» The Louise revolution


Edição portuguesa


» Edição de Agosto de 2019

» Plural e vinculado à esquerda

» Os talibãs de São Francisco

» Edição de Julho de 2019

» Inconsistências (ou o sono da razão?)

» Comércio livre ou ecologia!

» Edição de Junho de 2019

» As pertenças colectivas e as suas conquistas

» A arte da provocação

» 20 Anos | 20% desconto


BRASIL

Reforma agrária? Não!

Imprimir
Enviar

Ler Comentários
Compartilhe

O governo de Fernando Henrique Cardoso anuncia ter beneficiado 482.206 famílias, mas as estatísticas indicam que esse número não passa de 234.062, das quais 60% estariam situadas em novas zonas desmatadas

Maurice Lemoine - (01/10/2002)

No dia 24 de março de 2002, cerca de 500 camponeses ocuparam uma fazenda da família do presidente Fernando Henrique Cardoso. Alguns dias mais tarde, quatorze trabalhadores humildes, ligados ao Movimento dos Sem Terra, foram libertados, no Pará, depois de passarem 60 dias presos, por também terem ocupado uma fazenda, de propriedade do ex-presidente do Senado, Jader Barbalho, acusado de diversos delitos político-financeiros. No dia 23 de maio, José Maria Oliveira, major da Polícia Militar, foi condenado a 158 anos de cadeia por ser responsável pela morte de dezenove camponeses em Eldorado do Carajás, no dia 17 de abril de 1996. Assim como o coronel Mário Pantoja, outro dos oficiais acusados, e apesar das provas irrefutáveis, ficaria em liberdade, pois seus advogados pediram a anulação de ambos os julgamentos.

Assim, nesses três casos, poderia ser resumida a situação da questão agrária ao final do mandato do atual presidente da República brasileira.

Latifúndios à venda

Os latifúndios representam 1% das propriedades agrícolas e a área das vinte maiores propriedades fundiárias equivale à de 3,3 milhões de pequenos produtores

Os latifúndios (terras com mais de mil hectares), que representam 1% das propriedades agrícolas, ocupam 45% das áreas produtivas – muitas vezes não exploradas. A área correspondente às vinte maiores propriedades fundiárias equivale à de 3,3 milhões de pequenos produtores. Nesse meio tempo, pelo menos 3,5 milhões de famílias de camponeses espera pela reforma agrária.

O governo de Fernando Henrique Cardoso anuncia ter beneficiado 482.206 famílias (final de 2001), mas as estatísticas indicam que esse número não passa de 234.062, das quais 60% estariam situadas em novas zonas, abertas, de povoamento (o que agrava o problema do desmatamento). Por outro lado, o presidente promove uma política de venda de latifúndios (comprados a preço de ouro) aos camponeses (que não têm como pagar!), ao invés de democratizar o acesso à terra por meio da desapropriação. O MST, por sua vez, reivindica a transferência de terras improdutivas e já instalou 138 mil famílias em terras “ocupadas”. A resposta não se fez esperar: seus dirigentes ferozmente reprimidos, uma onda de expulsões, detenções arbitrárias e assassinatos de camponeses pobres.

(Trad.: Jô Amado)




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Brasil
» Neoliberalismo
» Reforma Agrária e Agricultura Familiar

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos