Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Chile: as ruas contra os tanques

» Aconteceu em Santiago

» Gilvan, trabalho e sono no capitalismo periférico

» Por um imposto global sobre as transnacionais

» As eleições 2020 na encruzilhada brasileira

» Cinema: Os últimos soldados da Guerra Fria

» A eleição mais árdua de Evo Morales

» Reviravolta no Oriente Médio: os curdos podem resistir

» Atualismo: assim percebemos o tempo no século XXI

» Porto ameaça cartão-postal amazônico

Rede Social


Edição francesa


» La presse et les paradoxes de la liberté

» Avec les peuples ou sans eux ?

» Un journalisme de racolage

» Une Europe des citoyens

» Ces dures grèves des ouvriers américains

» 17 octobre 1961 : rendez-vous avec la barbarie

» La gauche dans son ghetto, la droite à la radio

» Les médias américains délaissent le monde

» Fruits et légumes au goût amer

» La Bolivie dans l'étau du néolibéralisme


Edição em inglês


» The emerging US-China cold war

» Response to Pierre Bourdieu

» Analysing an appearance on the airwaves

» Iraq's demographic time bomb

» October: the longer view

» Socialism resurgent?

» Power to decide who's guilty

» East Germany's loyal returnees

» Ankara realpolitik

» South Africa's lands must be shared


Edição portuguesa


» A crise catalã nasceu em Madrid

» Quantas divisões há entre os curdos?

» Edição de Outubro de 2019

» Estabilidade para quem?

» Washington contra Pequim

» Edição de Setembro de 2019

» Portugal não pode parar?

» Quem elegeu Ursula von der Leyen?

» Edição de Agosto de 2019

» Plural e vinculado à esquerda


CINEMA

Uma reabilitação indecente

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

Em agosto, o mundo inteiro viu, leu e ouviu a glorificação dos 100 anos de Leni Riefenstahl. Nas entrelinhas da celebração unânime da cineasta do nazismo, percebia-se: “Esqueça a política. Valorize a estética.” Só que, enquanto artista, Riefenstahl é muito pobre

Lionel Richard - (01/10/2002)

No dia 22 de agosto de 2002, Leni Riefenstahl fez 100 anos de idade. Acontecimento tão importante que teve repercussão nos meios de comunicação de massa internacionais em todo o mundo. Essa marcha foi orquestrada com a projeção nas telas de cinema de sua última obra: Impressionen unter Wasser (Impressões submarinas). E eis-nos bombardeados por expressões estereotipadas circunstanciais, em que a novíssima centenária foi apresentada como “uma jovem eterna”, um “mito”, uma “lenda viva”, uma “fabulosa aventureira”!...

Nas inúmeras entrevistas que ela deu após a guerra, assim como em suas Memorien (Memórias) de 1987, a ex-inspiradora de Hitler cansa de se auto-justificar. Certamente, era fascinada pelo Führer, desde 1932, e acreditava na política nacional-socialista. Mas jamais foi racista, jamais fez propaganda nazista, ignorou toda a repressão contra os antifascistas, os judeus, os ciganos, e sua única preocupação sempre foi com a Beleza.

“Judeus” caem fora dos créditos

Riefenstahl é direta: jamais fez propaganda nazista, ignora a repressão a antifascistas, judeus e ciganos: sua única preocupação foi sempre com a Beleza

Felizmente, em certos momentos, as comemorações tiveram algo de bom. Seu centenário teve a oportunidade de publicar sobre ela, na Alemanha, dois livros de autores jovens1. Com as devidas provas, eles quebram a credibilidade de seu apolitismo e de suas aspirações exclusivamente artísticas. No que se refere às suas infâmias, as congratulações que dirige a Hitler e seus pedidos de dinheiro a Goebbels. Mas eles relatam duas de suas desventuras, que testemunham seu arrivismo de maneira ainda mais sugestiva.

Para a realização de Das blaue LichtSieg des Glaubens (A vitória da fé) –, confiando-lhe a missão de resolver definitivamente a “reclamação” feita pelo “judeu Belá Balász” [sic].

O litígio, supõe-se, estava em boas mãos. Além disso, a cineasta, ousando reprisar Das blaue Licht em 1938, aproveitou a nova cópia para tirar o crédito da colaboração de Balász como co-roteirista. O filme, que perde também em seu “genérico” o nome do produtor, Harry Sokal, outro “judeu”, torna-se assim, até sua terceira cópia, em 1953, “uma lenda da montanha, contada e filmada por Leni Riefenstahl”.

Sontag denuncia estética fascista

Devidamente documentados, dois jovens escritores alemães revelam as congratulações que Riefenstahl dirige a Hitler e seus pedidos de dinheiro a Goebbels

A outra questão diz respeito ao Tiefland (Terra Baixa). Em outubro de 1940 e, em seguida, em setembro de 1941, ela substituiu os espanhóis que seu roteiro exigia por ciganos selecionados em um campo, em Maxglan, perto de Salzburgo. Sempre negou ter ido a Maxglan. Sobre essa questão, após 1945, entrou com dois processos por difamação, que ganhou. No entanto, está longe de ter sido inocentada da suspeita de infâmia.

No dia de seu centenário, o Ministério Público de Frankfurt anunciou que a associação de ciganos de Colônia havia apresentado uma queixa contra ela. Motivo: ataque à memória das vítimas raciais do nazismo. Em 2002, em uma entrevista dada a um jornalista do diário Frankfurter Rundschau, ela declarou que o grupo de ciganos utilizados para Tiefland não havia sofrido nenhuma perda. Ora, segundo os que apresentaram a queixa, mais da metade desses ciganos, trabalhadores forçados, foram deportados para Auschwitz, onde foram mortos.

Enfim, deveria a História deixar Leni Riefenstahl em paz? De qualquer maneira, a comemoração de seu centenário parece um pouco exagerada – como o apogeu de uma reabilitação. Em 1966, apesar dos protestos das associações de judeus, foi organizada uma retrospectiva de seus filmes no Museu de Arte Moderna de Nova York. Em 1973, em Telluride, no Colorado, ela foi convidada de honra do primeiro festival “feminista” de cinema. Justificativa declarada: a homenagem foi feita à artista e não à pessoa que adotara determinadas posições políticas. Em seguida, os rituais de reconhecimento à “genialidade” da cineasta deram-se rapidamente. O sucesso de seu livro de fotos sobre a tribo sudanesa dos nubás deu-lhe uma imensa publicidade. Exasperada pela “onda de artigos e de entrevistas respeitosas nos jornais e na televisão”, a ensaísta norte-americana Susan Sontag denunciou a natureza fascista de sua estética.

Os ciganos de Tiefland

Quando reprisou Das blaue Licht, em 1938, Riefenstahl tirou o nome do roteirista Belá Balász. O produtor, Harry Sokal, outro “judeu”, também sumiu

A cadeia de TV franco-alemã Arte não podia ficar de fora – já difundira, em 1993, por ocasião da comemoração dos 90 anos de Riefenstahl, uma apologia de Ray Müller durante três horas. Em seu catálogo de venda figuram, por outro lado, seis fitas de vídeo, ou seja, cerca de doze horas de imagens, com o objetivo de tornar conhecida a obra de uma das “personalidades mais importantes e mais controversas da história do cinema”. No dia 15 de agosto, os telespectadores franceses tiveram direito a uma sessão noturna temática, preparada por Alexander Bohr, difundida pela cadeia de TV alemã ZDF. Com alguns momentos memoráveis...

Em frente às estantes de arquivos conservados por Leni Riefenstahl, ao ver um dossiê sobre os ciganos que serviram de figurantes em Tiefland, a jornalista Sandra Maischberger lhe pergunta: “Por que a senhora guardou todos esses papéis?” E a resposta é: “Porque em minha vida existiram também elementos negativos...” Reconhecimento de culpa? Em hipótese alguma; a cineasta refere-se simplesmente aos problemas dos processos que ela teve de abrir contra eles que, segundo avalia, a difamaram. Os telespectadores não ficarão sabendo mais do que isso. Ao todo, vinte segundos. Fica-se por aí, quanto aos ciganos.

Um insulto aos grandes cineastas

Deveria a História deixar Leni Riefenstahl em paz? De qualquer maneira, a exagerada comemoração de seu centenário parece o apogeu de uma reabilitação

As falas sobre o nazismo e sobre os filmes que ela filmou a partir de 1933 foram meio rápidas também. O Triunph des Willens (Triunfo da Vontade) nada tem de político, diz ela. Como em 1936, com Olympia, seu filme em duas partes sobre os jogos olímpicos, somente decidiu nele trabalhar em virtude de um pacto com Hitler: em seguida, teria liberdade para se dedicar a seus projetos pessoais. Em suma, convém considerá-la uma vítima do nazismo.

O pior é ocultar, completamente, nessa sessão noturna temática, o contexto histórico em que se deu sua carreira. Ao contrário de suas alegações, todos os seus filmes da época nazista foram financiados por instituições oficiais e todos, com exceção de Tiefland, receberam o aval do Ministério da Propaganda.

Rotular esses filmes como obras-primas artísticas é um insulto aos grandes pioneiros do cinema mundial. Minimizam-se os meios à disposição da realizadora e as conquistas anteriores do cinema alemão, que ela integrou à máquina da propaganda nazista. Qual é sua contribuição pessoal? Uma estética fabricada com um arsenal retórico de comportamentos: sublimação dos critérios clássicos de beleza, exaltação da força e da energia, virtuosidade dos poderes de sugestão e de sedução...

Uma “consciência humanista”

Decidiu fazer Olympia devido a um pacto com Hitler: em seguida, teria liberdade para se dedicar aos projetos pessoais. Em suma, uma vítima do nazismo...

A TV Arte limitou-se a difundir dois filmes que não tinham sido realizados sob o III Reich. Nestes, os limites do talento de Leni Riefenstahl simplesmente aparecem melhor. Das blaue Licht, que não fez o sucesso que lhe atribuem seus hagiógrafos, é sobretudo um kitsch neo-romântico. Quanto a Impressionen unter Wasser, o último filmado, baseado no fascínio exercido pela pretensa beleza dos peixes, é um movimento contínuo de imagens, que se mostra excelente para fazer as crianças dormirem.

Não, o reconhecimento dos valores culturais não é compatível com a amnésia. Leni Riefenstahl tentou em vão proclamar, a fim de justificar as tomadas de cena do cinegrafista no fundo do mar, que sua intenção é estimular a proteção da natureza; falhou diante da proteção primordial dos seres humanos para que lhe seja atribuída, mesmo em sua velhice, a auréola de uma “consciência humanista”.

Não é digna de admiração por sua vida, nem por seus filmes. Ela o é por sua vitalidade, sua vontade, sua resistência física, e por sua chance de ter passado agora, sempre sólida e sem que suas faculdades intelectuais fossem visivelmente reduzidas, o limite dos 100 anos. Seria isso algo que merece uma orquestração dos meios de comunicação aos quatro ventos?

(Trad.: Wanda Caldeira Brant)

1 - Jürgen Tribom, autor de Riefenstahl, Eine deutshe Karriere, Biographie, ed. Aufbau Verlag, Berlim, 2002; e Lutz Kinkel, autor de Die Scheinwerferin Leni Riefenstahl und das Dritte Reich, ed. Europa Verlag, Hamburgo, 2002.




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Cinema
» História
» Extrema Direita

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos