Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» A desigualdade brasileira posta à mesa

» Fagulhas de esperança na longa noite bolsonarista

» 1 de setembro de 2020

» O fim do mundo e o indiscreto racismo das elites

» O milagre da multiplicação de bilhões — para os bancos

» Movimento sindical em tempos de tormenta

» 31 de agosto de 2020

» A crucificação de Julian Assange

» Nuestra America: os cinco séculos de solidão

» Ir além do velho mundo: lições da pandemia

Rede Social


Edição francesa


» Au Venezuela, la tentation du coup de force

» « Tout ce qu'ils nous proposent, c'est de devenir flics ! »

» Les loups solitaires de Boston

» Le Front national sur un plateau

» Karl Kraus, contre l'empire de la bêtise

» Hors-la-loi

» Révolte américaine contre les ogres du fast-food

» Au Soudan du Sud, l'écroulement des espoirs démocratiques

» Rendez-vous manqué de la gauche et de la politique locale

» Le monde selon Téhéran


Edição em inglês


» How will the US counter China?

» October: the longer view

» America, year 2020

» The ministry of American colonies

» America, the panic room

» Independent only in name

» An election result that won't be accepted

» Into the woods, it's nearly midnight

» Canada's cancel culture

» Crumbs from Sweden's table


Edição portuguesa


» Um resultado que ninguém aceitará

» Edição de Outubro de 2020

» Distâncias à mesa do Orçamento

» Falsas independências

» Trabalho na cultura: estatuto intermitente, precariedade permanente?

» RIVERA

» Edição de Setembro de 2020

» Cuidar dos mais velhos: por uma rede pública e universal

» Restauração em Washington?

» Cabo Delgado: névoa de guerra, tambores de internacionalização


PALESTINA

Dezenas de milhares de inválidos

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

Num hospital na Faixa de Gaza, palestinos vítimas da violência ensandecida dos militares israelenses recebem tratamento de reabilitação médica, numa tentativa de recuperar, pelo menos parcialmente, sua capacidade físico-fisiológica

Michel Revel - (01/10/2002)

Fadi, de 14 anos, vive em hospitais desde janeiro de 2002 quando, ao voltar da escola, foi atingido na cabeça por uma bala disparada de um tanque

Criado em 1996, o hospital El Wafa, pequeno estabelecimento com 51 leitos, é o único verdadeiro centro de reabilitação médica em toda a Faixa de Gaza. Seu diretor, o doutor Ibrahim Ghazal, promove visitas e apresenta alguns de seus pacientes. A guerra colonial – que o governo de Ariel Sharon teima em apresentar como autodefesa antiterrorista – não somente matou 2.435 palestinos entre setembro de 2000 e 20 de agosto de 20021 – 497 dos quais menores de 18 anos – como também feriu milhares de outros, cujas deficiências residuais os colocarão para sempre em situação de invalidez.

Como será a vida de Fadi, de 14 anos, que vive em hospitais desde janeiro de 2002 quando, ao voltar da escola, foi atingido na cabeça por uma bala disparada de um tanque? Incapaz de controlar os músculos, ainda não consegue se manter direito em uma cadeira de rodas. Além do mais, Fadi é afásico. A maior parte de seu tempo é gasta em salas de reabilitação, nas mãos de fisioterapeutas, que lutam para relaxar suas articulações. Um deles tenta brincar com Fadi, enquanto trabalha seus músculos, estirando e dobrando seus joelhos, mas as respostas do garoto alternam-se entre expressões de dor e de risos.

Perigo na horta

Será que, ao menos, Fadi poderá contar mais tarde com a dedicação familiar que tem Riad Ali Nasser? Hoje, com 43 anos, Riad também foi ferido na cabeça por uma bala, mas há 12 anos, durante a primeira Intifada. Riad não pode ficar de pé, só dispõe de alguns décimos de grau de visão no olho esquerdo e ouve muito mal, apesar de usar aparelho, que foi obtido graças à ajuda de organizações de caridade. Na visita ao irmão, é o filho Muhamad, de 17 anos, e a mulher, Itaf, que o transportam da charrete em que chegou à cadeira de rodas rudimentar, e que a empurram até a mesa onde o chá da amizade é servido pela filha, May.

Riad Ali Nasser, de 43 anos, foi ferido na cabeça durante a primeira Intifada. Não fica de pé e dispõe de alguns décimos de grau de visão no olho esquerdo

Zenab el Falit, de 45 anos, tem onze filhos de idades entre 6 e 23 anos, sendo que o mais velho está fazendo diálise. O marido está desempregado, como a maioria dos palestinos. No dia 8 de abril de 2002, às 13h30, Zenab el Falit colhia berinjelas e tomates da horta, quando partiram tiros dos tanques que protegiam a colônia israelense vizinha, distante 150 metros. Atingida por três balas, uma das quais perfurou sua coluna vertebral, Zenab é paraplégica desde então. Sem tônus muscular, seus membros inferiores permitem, quando muito, caminhar com dificuldade, sobre terreno plano, mas com a ajuda de uma aparelhagem pesada e bengalas. Só pode urinar com sonda, correndo o risco permanente de infecções. Jamais voltará a cuidar de sua horta...

Baleado no mercado

Randa El Kassir tem 38 anos. Seu primeiro marido foi morto durante a primeira Intifada. O segundo está desempregado. Randa tem quatro filhos, entre 6 e 15 anos. No dia 1º de maio de 2002, na periferia de Rafah, onde mora, Randa foi vítima de tiros dos tanque. Uma bala estourou sua terceira vértebra dorsal. Seus músculos do tronco e dos membros inferiores ficaram paralisados para sempre e ela terá dificuldades para se locomover com estabilidade, mesmo em uma cadeira de rodas. Estará sempre sob a ameaça de infecções urinárias e de feridas que exigirão constantes internações em hospitais.

Essas constantes hospitalizações também ditam a vida de Alam El Kabta, de 23 anos, tetraplégico C5, desde 23 de dezembro de 1992. Naquele dia, recebeu uma bala no pescoço no mercado de Gaza, onde passeava com o pai. Bom aluno, Alam queria ser engenheiro. Desde então, depende da ajuda do pai e dos seis irmãos e irmãs para fazer a higiene, se alimentar, ir da cama para a poltrona e ao banheiro, passear etc.

Menos brilhantes na escola, Kamal Britka, de 16 anos, Nassar El Rizzi, de 18 anos, e Youssef Mohamed El Mansi, de 17 anos, estavam destinados a trabalhar na construção civil e na agricultura. Uma bala os atingiu quando passeavam na rua: e agora são, respectivamente, paraplégico D8, D10 e hemiplégico. Sua movimentação será para sempre difícil e limitada.

Infância de terror e pânico

Zenab el Falit colhia berinjelas e tomates da horta, quando foi atingida por três tiros dos tanques que protegiam uma colônia israelense vizinha

Awad Sifi ficou oito semanas em coma após receber no pescoço e na mandíbula uma bala explosiva disparada de um tanque, apesar de se encontrar em casa, à janela, em 11 de fevereiro de 2002. Esse professor de 49 anos estava sempre disposto a ajudar pessoas na região de Jabalia, revela doutor Amee Jameh. Agora é tetraplégico e ainda na situação de traqueostomia. A mulher e os dez filhos esperam-no ansiosamente na casa que foi severamente atingida. Ele vai precisar da ajuda deles pelo resto da vida.

Wail Joudia, de 32 anos, teve mais sorte. No dia 4 de maio de 2002, quando voltava de Israel, onde trabalhava como carpinteiro, foi vítima de tiros vindos da colônia de Netzarim. Precisou ir ao Egito para operar uma fratura complicada no tornozelo direito. Após longo período de reabilitação, ficou apenas com rigidez e dores nas articulações. Certamente poderá retomar o trabalho, mas não sem dificuldades. Subir num andaime, ainda vai: mais difíceis, porém, serão as longas caminhadas pelos caminhos escarpados que contornam as barreiras de estradas israelenses...

Seria impossível prever quantos, dentre os 40 mil feridos (dos quais 8 mil menores) desta segunda Intifada, ficarão mutilados. Quantos ficarão com seqüelas duráveis, ou mesmo definitivas, vindo a engrossar a população dos inválidos vítimas de doenças congênitas ou adquiridas, ou de acidentes domésticos, de trânsito ou de trabalho? Como avaliar as feridas morais na população jovem que, após o terror e pânico da primeira infância, só tem conhecido agressões e humilhações?

(Trad.: Marinilzes Mello)




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Israel
» Palestina
» Ocupação da Palestina

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos