Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Como derrotar a “direita Trump-Bolsonaro”

» As pedras da contracultura (ainda) rolam

» Corporações: já vivemos uma distopia…

» Olhai a nova geração de ativistas

» Rússia e China: fim do mundo unipolar?

» Está aberta a nova temporada de privatizações

» Direito à privacidade e o cinismo de Moro

» Boaventura: o avanço da direita e a causa oculta

» Fiori: Danação da História e disputa pelo futuro

» O sinistro lobby sionista

Rede Social


Edição francesa


» Les pompiers pyromanes de l'antisémitisme

» Menace iranienne, menace sur l'Iran

» Comme si l'école était une entreprise…

» Voyage au bout de la peur avec les clandestins du Sahel

» Chanter le devenir du monde

» A qui profite Paris ?

» Quand la ville se perd dans une métamorphose planétaire

» M. Jesse Jackson et l'ouverture du Parti démocrate

» Les aspirations des citoyens dans une structure étatique taillée sur mesure

» Comment la finance a tué Moulinex


Edição em inglês


» Confessions of a map-maker

» The Spaniards who liberated Paris

» Fighting for communication control

» June: the longer view

» Niger, a migration crossroads

» Niger, a migration crossroads

» Whatever happened to Bob Woodward?

» Europe in space

» The Corbyn controversy

» The invisible people


Edição portuguesa


» Edição de Junho de 2019

» As pertenças colectivas e as suas conquistas

» A arte da provocação

» 20 Anos | 20% desconto

» EUROPA: As CaUsas das Esquerdas

» Edição de Maio de 2019

» Os professores no muro europeu

» Chernobil mediático

» Edição de Abril de 2019

» A nossa informação, as vossas escolhas


LIVROS

Sobre o Oriente e o Ocidente

Imprimir
Enviar

Ler Comentários
Compartilhe

Três escritores – um italiano, um paquistanês e um libanês – discutem e analisam, em três livros distintos, os “mistérios” que separam as civilizações oriental e ocidental, dos “misticismos” islâmicos à “modernidade” do neoliberalismo global

Gilbert Achcar - (01/11/2002)

Terzani é um veterano jornalista, com longa experiência na Ásia, cuja postura de sábio se coaduna perfeitamente ao retiro no Himalaia onde buscou refúgio

Em meio à leva de comentários sobre o islamismo provocados pelos atentados do dia 11 de setembro de 2001 e disponíveis em língua francesa, destacam-se três pontos de vista originais – no sentido mais literal do conceito de “ponto de vista” – e bastante distintos: o de um ocidental, o italiano Tiziano Terzani, que vive na Índia, no coração do Oriente; o de um oriental, o paquistanês Tariq Ali, que vive na Grã-Bretanha, no coração do Ocidente; e, entre os dois, o de um árabe cristão, o libanês George Corm, que vive física e intelectualmente “na fronteira1” entre o Oriente e o Ocidente.

No livro de Tiziano Terzani há um toque de Roberto Benigni: uma espécie de bondade comunicativa, mas ponderada, aqui, já que procede de um veterano do jornalismo que acumulou longa experiência na Ásia e cuja postura de sábio se coaduna perfeitamente ao retiro no Himalaia onde buscou refúgio. Seus argumentos contra a guerra situam-se nos antípodas das imprecações racistas de sua colega e compatriota Oriana Fallaci, a quem uma de suas cartas é diretamente dirigida. Esta havia iniciado seu libelo acusatório contra o Islã em reação a um texto anterior de Terzani: aos anátemas etnocêntricos e incultos de Fallaci, ele contrapõe o sentido denso da relatividade e uma vontade profunda de permitir uma melhor compreensão daquela parte do mundo que conhece intimamente.

A “fratura imaginária” entre dois mundos

Tariq Ali se insurge contra todos os fanatismos e radicalismos, inclusive o “radicalismo imperialista”, que denuncia em seu livro de ponta a ponta

Por seu lado, Tariq Ali dirige uma carta, no final do livro, a “um jovem muçulmano”. Alerta-o contra o canto das sereias do radicalismo islâmico, que exerce seu poder de fascínio devido à escassez de alternativas progressistas ao capitalismo globalmente dominante. Enriquecido por toques de humor, de memórias pessoais e de poemas catados em diversas fontes, o livro começa por fazer um apanhado cáustico da história do islamismo e do Oriente Médio, antes de abordar, em profundidade, a situação no sub-continente indiano, de onde é natural o autor e em relação ao qual propõe um esclarecimento interessante e original. Tariq Ali se insurge contra todos os fanatismos e radicalismos – tanto os que se enfrentam no conflito indo-paquistanês quanto o “radicalismo imperialista”, que denuncia em seu livro de ponta a ponta.

George Corm acompanha os dois autores acima mencionados em sua crítica radical a um certo tipo de relação, dominadora e caluniosa, entre o Ocidente e o Oriente. Se insurge, com erudição, contra as idéias pré-concebidas que fazem do Oriente a sede do misticismo e, do Ocidente, a da racionalidade. Alérgico a todo tipo de fanatismo, Corm atribui sua fonte de origem – tanto de um lado, quanto de outro, da “fratura imaginária” entre Oriente e Ocidente – ao monoteísmo, ao qual contrapõe o pluralismo dos politeísmos da antiguidade. Assim como Tiziano Terzani, ele disseca as interpretações tendenciosas do Oriente. Assim como Tariq Ali, procura que prevaleçam, no Oriente como no Ocidente, os valores progressistas que classifica de “republicanos” e que opõe à “modernidade” do neoliberalismo triunfante.

(Trad.: Jô Amado)

1 - Em relação à noção de “fronteira”, um outro trabalho que deveria ser consultado é o belo livro Sur la frontière, de Michel Warshawski, ed. Stock, Paris, 2002.

Referências Lettres contre la guerre, de Tiziano Terzani, ed. Liana Levi, Paris, 2002, 15 euros (52,50 reais) Le choc des intégrismes – Croisades, djihads et modernité, de Tariq Ali, ed. Textuel, Paris, 2002, 26 euros (90 reais) Orient-Occident, la fracture imaginaire, de George Corm, ed. La Découverte, Paris, 2002, 15 euros (52,50 reais)




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Direito à Diversidade Cultural e à Transculturalidade
» Literatura
» Afirmação das Identidades Culturais e Étnicas

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos