'Enviar matéria', 'envoyer' => 'Enviar', 'reference_de' => 'a referência de', 'par_courriel' => 'por email', 'a_destination' => 'Enviar para:', 'donnees_optionnelles' => 'Dados opcionais', 'separe_virgule' => 'separe com vírgulas se escrever mais de um', 'sujet' => 'Assunto', 'titre_vouloir' => 'Título da mensagem', 'nom' => 'Seu nome', 'adresse' => 'Seu e-mail', 'texte' => 'Texto que irá junto com a mensagem', 'envoi' => 'Enviar', 'annuler' => 'Cancelar', 'enviar_title' => 'Enviar referência deste documento por email', 'enviar_por_email' => 'Enviar', 'referencia' => 'A referencia de', 'enviado' => 'foi enviado a:', 'sentimos' => 'Sentimos muito', 'problema' => 'Houve um problema e não se pôde enviar a mensagem', 'hola' => 'Olá. Talvez esta informação possa lhe interessar.', 'leer' => 'Leia mais...', 'enviado_por' => 'Enviado por: ', 'direction' => 'mas sem um endereço eletrônico válido', 'podemos' => 'não podemos enviar a mensagem', 'fermer' => 'fechar', 'documento' => 'Olá. Talvez este documento de', 'interesar' => 'possa lhe interessar.', 'descargarte' => 'Na página web poderá fazer o download de:', 'source' => 'fonte', ); ?> 'Envoyer l\'article', 'envoyer' => 'Envoyer', 'reference_de' => 'la référence de', 'par_courriel' => 'par courrier électronique', 'a_destination' => 'Envoyer á l\'adresse:', 'donnees_optionnelles' => 'Données optionnelles', 'separe_virgule' => 'séparer les adresses par des virgules si vous écrivez á plusieurs personnes', 'sujet' => 'Sujet', 'titre_vouloir' => 'Titre du message', 'nom' => 'Nom', 'adresse' => 'Adresse mail', 'texte' => 'Vous pouvez ajouter un texte', 'envoi' => 'Envoyer', 'annuler' => 'Annuler', 'enviar_title' => 'envoyer l\'article par mail', 'enviar_por_email' => 'envoyer par mail', 'referencia' => 'La référence de ', 'enviado' => 'a été envoyé à:', 'sentimos' => 'désolé', 'problema' => 'Il y a eu un problème et le courrier n\'a pas pu être envoyé', 'hola' => 'Salut. Cet article t\'interéssera peut-être ', 'leer' => 'Lire la suite...', 'enviado_por' => 'Envoyer par : ', 'direction' => 'mais sans une adresse de courrier électronique valable', 'podemos' => 'nous ne pouvons pas envoyer le message', 'fermer' => 'fermer', 'documento' => 'Salut, les documents de', 'interesar' => 'pourraient t\'intéresser', 'descargarte' => 'Si vous visitez le site vous pourrez télécharger les documents suivants :', 'source' => 'Source', ); ?> 'Enviar matéria', 'envoyer' => 'Enviar', 'reference_de' => 'a referência de', 'par_courriel' => 'por email', 'a_destination' => 'Enviar para:', 'donnees_optionnelles' => 'Dados opcionais', 'separe_virgule' => 'separe com vírgulas se escrever mais de um', 'sujet' => 'Assunto', 'titre_vouloir' => 'Título da mensagem', 'nom' => 'Seu nome', 'adresse' => 'Seu e-mail', 'texte' => 'Texto que irá junto com a mensagem', 'envoi' => 'Enviar', 'annuler' => 'Cancelar', 'enviar_title' => 'Enviar referência deste documento por email', 'enviar_por_email' => 'Enviar', 'referencia' => 'A referencia de', 'enviado' => 'foi enviado a:', 'sentimos' => 'Sentimos muito', 'problema' => 'Houve um problema e não se pôde enviar a mensagem', 'hola' => 'Olá. Talvez esta informação possa lhe interessar.', 'leer' => 'Leia mais...', 'enviado_por' => 'Enviado por: ', 'direction' => 'mas sem um endereço eletrônico válido', 'podemos' => 'não podemos enviar a mensagem', 'fermer' => 'fechar', 'documento' => 'Olá. Talvez este documento de', 'interesar' => 'possa lhe interessar.', 'descargarte' => 'Na página web poderá fazer o download de:', 'source' => 'fonte', ); ?> 'Envoyer l\'article', 'envoyer' => 'Envoyer', 'reference_de' => 'la référence de', 'par_courriel' => 'par courrier électronique', 'a_destination' => 'Envoyer á l\'adresse:', 'donnees_optionnelles' => 'Données optionnelles', 'separe_virgule' => 'séparer les adresses par des virgules si vous écrivez á plusieurs personnes', 'sujet' => 'Sujet', 'titre_vouloir' => 'Titre du message', 'nom' => 'Nom', 'adresse' => 'Adresse mail', 'texte' => 'Vous pouvez ajouter un texte', 'envoi' => 'Envoyer', 'annuler' => 'Annuler', 'enviar_title' => 'envoyer l\'article par mail', 'enviar_por_email' => 'envoyer par mail', 'referencia' => 'La référence de ', 'enviado' => 'a été envoyé à:', 'sentimos' => 'désolé', 'problema' => 'Il y a eu un problème et le courrier n\'a pas pu être envoyé', 'hola' => 'Salut. Cet article t\'interéssera peut-être ', 'leer' => 'Lire la suite...', 'enviado_por' => 'Envoyer par : ', 'direction' => 'mais sans une adresse de courrier électronique valable', 'podemos' => 'nous ne pouvons pas envoyer le message', 'fermer' => 'fermer', 'documento' => 'Salut, les documents de', 'interesar' => 'pourraient t\'intéresser', 'descargarte' => 'Si vous visitez le site vous pourrez télécharger les documents suivants :', 'source' => 'Source', ); ?> Diplô - Biblioteca: Seriam as guerras uma fatalidade?
Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» A desigualdade brasileira posta à mesa

» Fagulhas de esperança na longa noite bolsonarista

» 1 de setembro de 2020

» O fim do mundo e o indiscreto racismo das elites

» O milagre da multiplicação de bilhões — para os bancos

» Movimento sindical em tempos de tormenta

» 31 de agosto de 2020

» A crucificação de Julian Assange

» Nuestra America: os cinco séculos de solidão

» Ir além do velho mundo: lições da pandemia

Rede Social


Edição francesa


» Devoir de réserve, un effet d'intimidation

» La Pologne s'accroche à son charbon

» Le miasme et la jeune fille

» L'énigme de « La Coubre »

» Au Canada, la fin de la résignation pour les peuples autochtones

» Jean Cavaillès, une pensée explosive

» Au Rwanda, la tradition instrumentalisée

» Les municipalités laissent mourir les centres de santé

» Samsung ou l'empire de la peur

» Main basse sur l'eau des villes


Edição em inglês


» China: its rise and rise

» China leads the 5G race

» South Korea's feminists fight back

» The biosecurity myth

» The Huawei war

» Moscow's Active Citizens

» Greater Moscow's unsure future

» Golden age of coal turns to black dust

» For those in peril on the sea

» China's outlaw fishermen


Edição portuguesa


» Um resultado que ninguém aceitará

» Edição de Outubro de 2020

» Distâncias à mesa do Orçamento

» Falsas independências

» Trabalho na cultura: estatuto intermitente, precariedade permanente?

» RIVERA

» Edição de Setembro de 2020

» Cuidar dos mais velhos: por uma rede pública e universal

» Restauração em Washington?

» Cabo Delgado: névoa de guerra, tambores de internacionalização


LIVROS

Seriam as guerras uma fatalidade?

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

O “princípio das nacionalidades”, reivindicado desde o final da I Guerra Mundial, traz em si a noção de minoria, pois qualquer criação de um Estado com vocação nacional implica uma partilha que pressupõe, automaticamente, vencedores e perdedores

Jean-Arnault Dérens - (01/12/2002)

As guerras dos Bálcãs são quase sempre – e precipitadamente – apresentadas como conflitos inter-étnicos, sem que jamais se explique o que significa, concretamente, etnicidade naquela região. O etnólogo Jean-François Gossiaux é um conhecedor profundo dos Bálcãs, onde faz pesquisas há cerca de vinte anos. E acaba de publicar um dos livros mais importantes, e inovadores, sobre aquela região, Pouvoirs ethniques dans les Balkans.

O uso do termo “étnicos” permite, na realidade, fazer dos Bálcãs uma imagem do Outro, ainda mais ameaçadora por se situar junto à fronteira com a Europa unida. Partindo de uma reflexão sobre a etnicidade e as relações que permeiam a étnica e a política, o autor retoma alguns dos aspectos fundamentais das teorias sobre a nação, aplicando-os aos Bálcãs. Toma o exemplo dos armenos – ou aromenos, ou valáquios, ou seja, o único povo dos Bálcãs que não construiu um Estado nem desenvolveu um movimento nacionalista durável – para desmontar os mecanismos empregados na criação dos Estados, das nações.

Trotsky, o jornalista

A verdade é que o nacionalismo é um projeto político que, para se legitimar, precisa recorrer a argumentos culturais ou etnológicos

Na verdade, o nacionalismo é um projeto político que, para se legitimar, precisa recorrer a argumentos culturais ou etnológicos. Resumindo: precisa “criar” a etnicidade. O autor também demonstra como o “princípio das nacionalidades”, reivindicado desde o final da I Guerra Mundial, traz em si a noção de minoria, pois qualquer criação de um Estado com vocação nacional ou étnica – num contexto caracterizado por uma pluralidade de identidades nacionais, lingüísticas, religiosas, históricas e culturais – implica uma partilha que pressupõe, automaticamente, vencedores e perdedores. Analisa de forma brilhante os mecanismos de legitimação de todos os Estados da região, recusando toda e qualquer idéia de uma “fatalidade” nas guerras e conflitos balcânicos – que normalmente se consideram “étnicos”.

Essa visão etnológica é enriquecida quando confrontada com um depoimento histórico da maior importância, esquecido há muito tempo e que acaba de ser reeditado em francês. Leon Trotsky, que era jornalista, fez a “cobertura” das guerras balcânicas de 1912 e 1913. Num primeiro momento, a Sérvia, o Montenegro, a Grécia e a Bulgária aliaram-se para libertar os últimos territórios europeus ainda sob o domínio turco. Em seguida, todos os países dos Bálcãs se uniram contra as ambições hegemônicas da Bulgária. As linhas de fratura que se esboçaram durante essas guerras ainda são determinantes para certos eixos geopolíticos da região balcânica contemporânea.

A inacreditável realidade da guerra

A visão etnológica de Gossiaux é enriquecida por um depoimento histórico da maior importância, esquecido há muito tempo: o de Leon Trotsky

Como militante revolucionário, Trotsky interessava-se, naturalmente, pelo desenvolvimento das social-democracias sérvia e búlgara, mas freqüentemente o militante dava lugar ao jornalista. “Um homem de setenta anos com o crânio rachado, milhares de mulheres e crianças mortas de fome, tchetniks revolucionários transformados em bandidos, um superintendente da polícia que protege os ladrões: esse é o quadro da vida social nas províncias libertadas”, diz ele em relação à Macedônia, que o exército búlgaro acabava de tomar do domínio turco. Foi nos Bálcãs que Trotsky se viu, pela primeira vez, diante da aberração da guerra: “Não consigo conciliar o dia-a-dia – os frangos, os charutos, as crianças de pés descalços e com ramela no nariz – com a trágica e inacreditável realidade da guerra”, confessa.

Trotsky se impõe como um dos mais pertinentes observadores da dolorosa dilaceração balcânica, prelúdio da I Guerra Mundial. O livro revela uma faceta inesperada da personalidade do terrível organizador do Exército Vermelho e constitui um clássico para quem queira compreender a história contemporânea dos Bálcãs.

(Trad.: Jô Amado)

Referências Pouvoir ethniques dans les Balkans, de Jean-François Gossiaux, ed. Presses Universitaires de France, Paris, 2002, 217 páginas, 22 euros (81,50 reais). Les guerres balkaniques 1912-1913, de Leon Trotsky, éditions Science marxiste, Paris, 2002, 529 páginas, 23 euros (85,50 reais).




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Guerras
» Ex-Iugoslávia
» Balcãs

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos