Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Eles querem organizar a população de rua

» Municipalismo, alternativa à crise da representação?

» A China tem uma alternativa ao neoliberalismo

» Marielle, Moa, Marley, Mineirinho

» As trapaças do gozo individual

» Vermelho Sol, fotossíntese da violência

» Assim arma-se a próxima crise financeira

» Quantos anos o automóvel rouba de sua vida?

» Guerra comercial: por que Trump vai perder

» Mulheres indígenas, raiz e tronco da luta pelo território

Rede Social


Edição francesa


» En dehors de la « Petite Europe » d'autres débouchés s'offriront aux produits tropicaux

» Dans le domaine agraire il serait dangereux de vouloir brûler toutes les étapes

» L'expérience de M. Fidel Castro pourrait être mise en péril par une socialisation trop rapide de l'industrie cubaine

» Au Japon, le ministre de la défense s'inquiète

» Les soucoupes volantes sont-elles un sous-produit de la guerre froide ?

» Ovnis et théorie du complot

» Boulevard de la xénophobie

» Une machine à fabriquer des histoires

» Un ethnologue sur les traces du mur de Berlin

» Le stade de l'écran


Edição em inglês


» Manufacturing public debate

» August: the longer view

» Trump returns to the old isolationism

» Yellow vests don't do politics

» Kurdish territories in northern Syria

» The changing shape of the Balkans: 1991 / 2019

» Minorities in Kosovo

» Borders 1500-2008

» Man with a mission or deranged drifter

» The Louise revolution


Edição portuguesa


» Edição de Agosto de 2019

» Plural e vinculado à esquerda

» Os talibãs de São Francisco

» Edição de Julho de 2019

» Inconsistências (ou o sono da razão?)

» Comércio livre ou ecologia!

» Edição de Junho de 2019

» As pertenças colectivas e as suas conquistas

» A arte da provocação

» 20 Anos | 20% desconto


GEOPOLÍTICA

Aproveitando o ensejo...

Imprimir
Enviar

Ler Comentários
Compartilhe

Le Monde diplomatique transcreve, abaixo, alguns trechos do livro ’At Camp David, Advise and Dissent’, de autoria dos jornalistas Bob Woodward e Dan Baltz. A edição de 31 de janeiro de 2002 do jornal ’The Washington Post’ já divulgara estes trechos

Philip S.Golub - (01/12/2002)

“…Condoleeza Rice perguntou se (os Estados Unidos) deveriam planejar uma campanha militar para além do Afeganistão. Neste contexto, a questão do Iraque voltou a ser objeto de discussão (...).

Segundo Paul Wolfowitz, Saddam Hussein era, sem dúvida, responsável pelos ataques do dia 11 de setembro, ao menos indiretamente, e todos deviam admiti-lo

Todos (os participantes) concordam quanto ao fato de que o secretário-adjunto da Defesa, Paul Wolfowitz, era o principal defensor da estratégia iraquiana. Terceiro adjunto de Cheney durante a guerra do Golfo (de 1991), ele havia considerado um erro deixar a campanha terrestre (no Iraque) terminar de modo abrupto e incompleto. O governo de George W. Bush tentara, desde o início, minar Saddam Hussein (…). Rumsfeld e Wolfowitz haviam examinado (antes do 11 de setembro) uma série de opções militares tendo por alvo o Iraque, mas nada fora decidido. (Na reunião de Camp David), Wolfowitz afirmou que Saddam Hussein estava, sem dúvida, na origem do terrorismo e que os ataques do 11 de setembro haviam criado uma oportunidade para atacar (o regime iraquiano). Segundo ele, Saddam Hussein era um perigoso dirigente decidido a obter armas de destruição em massa e, provavelmente, a utilizá-las. Era, sem dúvida, responsável pelos ataques do dia 11 de setembro, ao menos indiretamente, e todos deviam admitir isso.

Em reuniões anteriores, Rumsfeld já levantara a questão iraquiana, mas com menos veemência. Durante a reunião (de Camp David), voltou a perguntar se não seria este o momento certo para atacar o Iraque. Enfatizando que as forças norte-americanas estariam no local e que os Estados Unidos, se quisessem ter credibilidade no que se refere à questão do terrorismo, deveriam de todo modo, num momento ou em outro, enfrentar a questão iraquiana, (sugeriu) que se aproveitasse a oportunidade. Colin Powell emitiu objeções, dizendo ao presidente (…) que era necessário atacar o Iraque no momento certo. Comecemos imediatamente pelo Afeganistão (teria defendido). Teremos, então, fortalecido nossa capacidade para enfrentar sem hesitação o Iraque, admitindo-se que possamos provar que o Iraque tenha desempenhado algum papel (nos atentados do dia 11 de setembro).”

(Trad.: Iraci D. Poleti)




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Jornalismo
» Ocupação da Palestina

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos