Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Para entender o fascismo dos impotentes

» Previdência, o retrato de um país desigual — e cruel

» Quando os cientistas enfrentam o sistema

» Moro tenta escapulir em latim

» Dinheiro: o novo sonho de controle do Facebook

» Mulheres na política: uma nova onda a caminho

» Sertanejo, brasilidade e Nelson Pereira Santos

» A crise do Brexit e o capitalismo impotente

» Pilger: é hora de salvar o jornalismo

» Missão: extinguir o BNDES

Rede Social


Edição francesa


» Pauvre et femme : la double peine

» M. Sarkozy déjà couronné par les oligarques des médias ?

» La Cisjordanie, nouveau « Far Est » du capitalisme israélien

» Protester avec l'électrochoc de la musique

» Canicule, médias et énergies renouvelables

» Autopsie d'une canicule

» Quand la gauche renonçait au nom de l'Europe

» Un « New Deal » pour l'école

» La Chine bouscule l'ordre mondial

» L'affirmation homosexuelle


Edição em inglês


» US against Iran: war by other means

» How US climate deniers are working with far-right racists to hijack Brexit for Big Oil

» Confessions of a map-maker

» The Spaniards who liberated Paris

» Fighting for communication control

» June: the longer view

» Niger, a migration crossroads

» Niger, a migration crossroads

» Whatever happened to Bob Woodward?

» Europe in space


Edição portuguesa


» Edição de Junho de 2019

» As pertenças colectivas e as suas conquistas

» A arte da provocação

» 20 Anos | 20% desconto

» EUROPA: As CaUsas das Esquerdas

» Edição de Maio de 2019

» Os professores no muro europeu

» Chernobil mediático

» Edição de Abril de 2019

» A nossa informação, as vossas escolhas


GEOPOLÍTICA

Aproveitando o ensejo...

Imprimir
Enviar

Ler Comentários
Compartilhe

Le Monde diplomatique transcreve, abaixo, alguns trechos do livro ’At Camp David, Advise and Dissent’, de autoria dos jornalistas Bob Woodward e Dan Baltz. A edição de 31 de janeiro de 2002 do jornal ’The Washington Post’ já divulgara estes trechos

Philip S.Golub - (01/12/2002)

“…Condoleeza Rice perguntou se (os Estados Unidos) deveriam planejar uma campanha militar para além do Afeganistão. Neste contexto, a questão do Iraque voltou a ser objeto de discussão (...).

Segundo Paul Wolfowitz, Saddam Hussein era, sem dúvida, responsável pelos ataques do dia 11 de setembro, ao menos indiretamente, e todos deviam admiti-lo

Todos (os participantes) concordam quanto ao fato de que o secretário-adjunto da Defesa, Paul Wolfowitz, era o principal defensor da estratégia iraquiana. Terceiro adjunto de Cheney durante a guerra do Golfo (de 1991), ele havia considerado um erro deixar a campanha terrestre (no Iraque) terminar de modo abrupto e incompleto. O governo de George W. Bush tentara, desde o início, minar Saddam Hussein (…). Rumsfeld e Wolfowitz haviam examinado (antes do 11 de setembro) uma série de opções militares tendo por alvo o Iraque, mas nada fora decidido. (Na reunião de Camp David), Wolfowitz afirmou que Saddam Hussein estava, sem dúvida, na origem do terrorismo e que os ataques do 11 de setembro haviam criado uma oportunidade para atacar (o regime iraquiano). Segundo ele, Saddam Hussein era um perigoso dirigente decidido a obter armas de destruição em massa e, provavelmente, a utilizá-las. Era, sem dúvida, responsável pelos ataques do dia 11 de setembro, ao menos indiretamente, e todos deviam admitir isso.

Em reuniões anteriores, Rumsfeld já levantara a questão iraquiana, mas com menos veemência. Durante a reunião (de Camp David), voltou a perguntar se não seria este o momento certo para atacar o Iraque. Enfatizando que as forças norte-americanas estariam no local e que os Estados Unidos, se quisessem ter credibilidade no que se refere à questão do terrorismo, deveriam de todo modo, num momento ou em outro, enfrentar a questão iraquiana, (sugeriu) que se aproveitasse a oportunidade. Colin Powell emitiu objeções, dizendo ao presidente (…) que era necessário atacar o Iraque no momento certo. Comecemos imediatamente pelo Afeganistão (teria defendido). Teremos, então, fortalecido nossa capacidade para enfrentar sem hesitação o Iraque, admitindo-se que possamos provar que o Iraque tenha desempenhado algum papel (nos atentados do dia 11 de setembro).”

(Trad.: Iraci D. Poleti)




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Jornalismo
» Ocupação da Palestina

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos