Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» 24 de junho de 2022

» Varoufakis: por que a inflação voltou

» A reencarnação prismática do Ulisses

» Poderá a técnica salvar o patriarcado?

» 23 de junho de 2022

» Por que direitos humanos não “pegam” nas polícias

» Erveiros e benzedeiras na linha de cura

» Equador: as razões da nova revolta

» Cinema: Corpo livre, corpo cativo

» 22 de junho de 2022

Rede Social


Edição francesa


» Tunisie : le triple déni des cadres déchus

» L'Ukraine se dérobe à l'orbite européenne

» Le Donbass apprend à vivre sans Kiev

» L'État de droit, une notion faussement neutre

» En Guyane, sous les pavés la Bible

» État d'urgence permanent

» De nouvelles routes pour le pétrole et le gaz

» Donald Trump s'épanouit en chef de guerre

» Le camp d'Hagadera au quotidien

» Les réfugiés, une bonne affaire


Edição em inglês


» June: the longer view

» Putting internal displacement on the map

» The Trans-Amazonian Highway

» Bosnia-Herzegovina: three intertwined histories

» Energy interdependence

» Consider the croissant: a history of food fraud

» Brazil's trans-Amazonian highway of fire and mud

» Fate of a Chinese colony

» Bosnia: coexistence without reconciliation

» Sinn Féin extends its reach to Ireland's South


Edição portuguesa


» Mapeamento de uma arte político-social: "Untitled", de Paula Rego

» Assembleia-Geral da Outro Modo

» O problema da riqueza

» «Sangrar a Rússia»

» Vulnerabilidades territoriais: o que se pode aprender com a crise pandémica?

» O paraíso da inovação militarizada

» Mineração em mar profundo: para quê destruir os fundos oceânicos?

» O lado oculto das cimeiras da Terra

» Viagem ao fim da Transamazónica

» A Finlândia e a Suécia rompem com o ideal nórdico


GLOBALIZAÇÃO

A extorsão do descredenciamento

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

Além de pagar uma exorbitância – sem qualquer garantia legal – pela exposição de seu produto nas prateleiras dos supermercados e hipermercados, o fornecedor se vê ameaçado com a possibilidade de descredenciamento se não colaborar com uma “bonificação”...

Christian Jacquiau - (01/12/2002)

Tomemos o exemplo de uma pequena empresa que fabrica tabletes de chocolate. Sua escala comporta cinco produtos diferentes: chocolate preto, branco, ao leite, com avelãs e com amêndoas. Ela dispõe de um produto de ótima qualidade, desfruta de uma excelente imagem e decide dar um salto e ser distribuída em grandes e médios supermercados. Fica ainda mais estimulada porque o enfraquecimento do comércio tradicional não lhe permite mais, apesar de seu próprio potencial, visualizar o futuro com serenidade. Diante dela, o que se acredita ser um mercado inesperado: uma poderosa rede que reúne 1.500 supermercados e 200 hipermercados.

O mecanismo de extorsão

Uma empresa familiar que fabrica cinco tipos de chocolates terá que pagar 2,8 milhões de reais para ver seus produtos nas estantes de um hipermercado

É aí que começam as surpresas desagradáveis: para o credenciamento de apenas seus cinco tipos de tabletes de chocolate no supermercado, a empresa deverá pagar à central de compras 150 euros (555 reais) por tipo de produto (750 euros, ou 2.775 reais, pelas cinco variedades), o que, para os 1.500 pontos de venda da rede, representam 1.125.000 euros (4, 16 milhões de reais). Para os hipermercados, a empresa deverá desembolsar 750 euros por tipo de produto e 3.750 euros (13.875 reais) para o credenciamento de sua série de produtos para cada estabelecimento, ou seja, 750 mil euros (2,8 milhões de reais) para os 200 hipermercados da rede. No total, essa operação custará, portanto, 1.875.000 euros (quase 7 milhões de reais), que devem ser pagos sem nenhuma garantia de encomenda, nem de quantidade, nem de perenidade das relações comerciais. Preenchido o cheque, o mecanismo de extorsão é então assinado, inexoravelmente, podendo chegar até o fechamento da empresa em caso de... “descredenciamento”.

Recentemente, por exemplo, um grande nome da indústria alimentícia francesa se viu diante de uma exigência de 2% a mais de “bonificação”. Tendo chegado ao limite de suas possibilidades, não podia consentir um centavo a mais de desconto. Para puni-la, os dois principais produtos de sua gama não foram mais comprados pela central de compras. Duas fábricas tiveram de ser fechadas. Não havia reivindicação alguma por parte dos acionistas, nada de fundos de pensão norte-americanos intransigentes nessa bela empresa familiar. É exatamente o que acontece com as exigências das centrais de compra das grandes redes de distribuição francesas, cujo insaciável apetite por lucros constitui uma ameaça para a economia.

(Trad.: Wanda Caldeira Brant)




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» França
» Oligopólios Concentração Empresarial
» Precarização do Trabalho

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos