Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» A Renda Cidadã e a reinvenção do dinheiro

» Coronavírus: já tínhamos sido avisados

» Ou desaceleramos ou morremos todos

» Pandemia desnuda a Saúde falida nos EUA

» Assim Guimarães Rosa viu nossas águas e gente

» Sopram novos ventos de revolta contra o Uber

» Uma fratura na ordem ultraliberal

» Filmes para enfrentar a melancolia da quarentena

» Como nos salvaremos do terraplanismo sanitário?

» Alternativas para uma economia pós-coronavírus

Rede Social


Edição francesa


» À nos lecteurs

» Voyage en terres d'utopie

» Revenu minimum ou « deuxième chèque » ?

» Sur les voies du partage

» La télévision, les films et la conjoncture

» Mutation technologique, stagnation de la pensée

» De l'irresponsabilité mortelle à la vraie maitrise de la vie

» Méfiances des syndicats européens

» Le Sud en quête d'existence

» Pourquoi la société salariale a besoin de nouveaux valets


Edição em inglês


» Iran in the time of corona

» Covid-19: a London diary

» When viruses become pandemics

» Bringing the state back in during Covid-19

» ‘LMD' on your tablet

» February 2020

» March 2020

» Lessons for the UK deployment to Mali

» Find LMD

» March: the longer view


Edição portuguesa


» Edição de Março de 2020

» Um Brexit para nada?

» A precariedade não é só dos precários

» Edição de Fevereiro de 2020

» O que Donald Trump permite…

» As marcas do frio

» Edição de Janeiro de 2020

» Embaraços externos

» De Santiago a Paris, os povos na rua

» Que prioridades para uma governação mais à esquerda?


CINEMA

Retrato de um adolescente

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

A personagem central do filme ’Sweet Sixteen’ poderia ser qualquer um desses jovens que é possível encontrar em qualquer cidade ocidental contemporânea, devastada pela paralisação das atividades econômicas e pelo processo de desindustrialização

Carlos Pardo - (01/12/2002)

O título do filme é irônico: refere-se àquele estado de inocência, de despreocupação e de aprendizado da adolescência que a personagem de Liam nunca teve

Com regularidade e obstinação, Ken Loach nos envia notícias da sociedade britânica pós-Thatcher, bastante distantes da propaganda ultraliberal do governo trabalhista de Anthony Blair. Com a colaboração de seu roteirista Paul Laverty, e após um longo trabalho de pesquisa e documentação sobre o assunto, Ken Loach optou, desta vez, por voltar à Escócia, ponto de partida de A Canção de Carla (1996), primeiro filme feito em conjunto por Laverty e Loach.

Como fez no passado com Kes (1969) e Olhares e sorrisos (1981), em Sweet Sixteen1 o cineasta inglês nos oferece um formidável retrato da adolescência. O título do filme refere-se, evidentemente, àquele estado de inocência, de despreocupação, de imprudência e de aprendizado que constitui a adolescência. Mas a referência é irônica, pois a vida de Liam (personagem central) não reflete de forma alguma os clichês psicossociológicos. Na verdade, Liam poderia ser qualquer um desses jovens que é possível encontrar em qualquer cidade ocidental contemporânea, devastada pela paralisação das atividades econômicas e pelo processo de desindustrialização. No caso específico de Greenock – cidade situada a leste de Glasgow e onde se desenvolve a história –, o fechamento dos estaleiros navais implicou o declínio da região e a pauperização de seus habitantes. Atualmente, a Escócia é, sem dúvida, o mais pobre dos países europeus e, segundo um relatório da Previdência Social britânica, a Grã-Bretanha contava, no ano 2000, com mais de quatro milhões de crianças vivendo abaixo do limiar da pobreza2.

Uma fábula moderna

Assim como sua irmã, mãe solteira e apenas ligeiramente mais velha do que ele, Liam cresceu sem passar pela transição entre a infância e a idade adulta

Assim como sua irmã, mãe solteira e apenas ligeiramente mais velha do que ele, Liam cresceu muito rapidamente, sem passar, na realidade, pela transição entre a infância e a idade adulta. Foram-se os tempos das ilusões. Liam abandonou a escola e vive de expedientes, em companhia de Pinball, seu comparsa inseparável. Faltando poucas semanas para seu décimo sexto aniversário, só sonha com uma coisa: encontrar um lugar onde possa acomodar sua mãe, que deverá sair da prisão. Nem pensar em que ela volte a se encontrar com o traficante Stan, para continuar pagando sua pena por tráfico de drogas atrás das grades. Quando descobre um trailer à venda, Liam decide fazer tudo ao seu alcance para conseguir comprar aquilo que seria um ninho de felicidade para sua mãe e para si. Para conseguir seus objetivos, terá que abandonar o tráfico de cigarros para passar a uma fase superior. O jovem se endurece, assume a máscara de um chefãozinho implacável e asqueroso. Não há como evitar a engrenagem. E, no dia de seu aniversário, Liam comete o irremediável. Com 16 anos, seu futuro está traçado. As asas de Ícaro derreteram e Liam irá tomar o lugar de sua mãe numa cela de três metros quadrados. Sweet Sixteen é uma fábula moderna. Ignora as fronteiras e sua moral é inequívoca: uma sociedade que abandona sua juventude a tal ponto é uma sociedade morta.

(Trad.: Jô Amado)

1 - Sweet Sixteen, produção hispano-germano-britânica, foi lançado, na França, em 11 de dezembro de 2002.
2 - “Households Below Average Income – Series DWP 2001”, Departamento de Previdência Social, documento citado no press release do filme.




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Cinema
» Desigualdades Sociais
» Sistema Carcerário

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos