Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Por que o Brasil precisa de um Estado gastador

» A empregada de Guedes e a cozinheira de Lênin

» Esquerda e governo: ideias e lições históricas (2)

» Evo: Como reconstruir o Socialismo Comunitário

» Educação Pública: E se Bolsonaro destruir o Fundeb?

» Cinema: quando o vazio é combustível à vida

» Boaventura: o desenvelhecimento do mundo

» Coronavírus: por que a ameaça persiste

» Quem tem medo de Bernie Sanders

» A nova face das corporações modernas (2)

Rede Social


Edição francesa


» L'enfance, une espèce en danger ?

» Progrès technologique et régression sociale

» La recolonisation du plus pauvre pays de l'hémisphère occidental

» Taïwan, ou l'indépendance dans le brouillard

» Sur les causes de la pauvreté des nations et des hommes dans le monde contemporain

» La criminalité en « col blanc », ou la continuation des affaires…

» Les manœuvres à l'intérieur du parti de M. McGovern diminuent les chances d'un candidat démocrate

» Un réseau élargi et solidaire

» Images strictement contrôlées

» La leçon de Cro-Magnon


Edição em inglês


» US ideologues in the ascendant?

» US ideologues in the ascendant?

» Rojava, a fragmented territory

» Australia's angriest summer

» February: the longer view

» African national parks managed by African Parks

» Genetic medicine makes the world less fair

» From apartheid to philanthropy

» Who is the land for?

» Belarus, the industrious state


Edição portuguesa


» Edição de Fevereiro de 2020

» O que Donald Trump permite…

» As marcas do frio

» Edição de Janeiro de 2020

» Embaraços externos

» De Santiago a Paris, os povos na rua

» Que prioridades para uma governação mais à esquerda?

» Edição de Dezembro de 2019

» Uma fractura social exposta

» «Uma chacina»


CIÊNCIA

A primeira batalha

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

Fabricante exclusivo dos ’software’ que permitiam a análise das seqüências de DNA, a Applied Biosystems teve seu programa, codificado, quebrado pelos próprios pesquisadores envolvidos no projeto. E foi obrigada a jogar a toalha...

John Sulston - (01/12/2002)

Os seqüenciadores modernos analisam em paralelo 96 amostras de DNA, até oito vezes por dia – e os maiores laboratórios fazem trabalhar uma centena deles ao mesmo tempo. Mas, no início, as máquinas aceitavam apenas 24 amostras e cada ciclo durava pelo menos 14 horas. Único fabricante, a Applied Biosystems (ABI) pretendia, então, deter o controle do módulo do programa de análise de dados inserido na máquina.

Ora, se os seqüenciadores fossem funcionais, era evidente que devíamos controlar o programa. Na realidade, para terminar propriamente a seqüência, era necessário um acesso prático aos dados brutos, a fim de poder avaliar sua qualidade passo a passo. O sistema de exposição que propunha o programa da ABI não nos satisfazia e tornava mais lento nosso trabalho. Parecia inaceitável dependermos de uma empresa privada para manipular e reunir os dados que produzíamos. A ABI até tinha a pretensão de controlar a análise da seqüência... Eu estava obcecado com a idéia de que era preciso chegar à seqüência o mais rápido possível; a melhor maneira de fazer avançar a ciência seria fazer as máquinas funcionarem cada vez mais rápido – e a um custo cada vez mais baixo – e extrair o máximo de dados para que os cientistas do mundo inteiro pudessem começar a interpretá-los.

Batalha pela informação

Parecia-nos inaceitável que dependêssemos de uma empresa privada para manipular e reunir dados que nós próprios produzíamos

Num domingo de verão, sentado na grama do jardim, cercado de folhas saídas da impressora, me pus a decifrar os arquivos da ABI que continham os vestígios de nossas experiências. Os arquivos não estavam deliberadamente codificados; eram simplesmente construídos num formato tipo árvore de Natal, que bastava reconstituir ligando os diferentes elementos uns aos outros. Alguns dias mais tarde, meus colegas e eu havíamos escrito um novo programa de visualização dos vestígios e decifrado o resto dos arquivos da ABI, o que nos dava total liberdade para desenhar nossos sistemas de visualização e de análise. Nossa produtividade foi transformada.

A ABI não viu esta iniciativa com bons olhos; negociávamos uma chave que nos permitiria destravar os arquivos, mas era óbvio que esse acesso ficaria sob seu controle. Permanecia, no entanto, o risco de que ela escolhesse um novo método de codificação que não pudéssemos decifrar. Mas a ABI concluiu que não tinha outra escolha senão conservar formatos públicos. Pouco tempo depois, nos tornaríamos seu maior cliente.

Este episódio foi a primeira de nossas batalhas pelo controle da informação, um tira-gosto das lutas de envergadura bem maior que logo se desenrolariam em torno do genoma humano.

(Trad.: Fabio de Castro)




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Biotecnologia
» Ciência, Política e Ética
» Genoma e Risco de Apartheid Biológico

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos