Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Que esperar do #OcupaPolítica

» Assim o jornalismo quer diminuir as mulheres

» Surge a Frente Inter-Religiosa por Justiça e Paz

» Previdência: a Argentina também resiste

» O julgamento de Lula e um 2018 provocador

» Luta de classes na era do Uber

» A Bela da Tarde após o escândalo

» Revolução e Democracia, reencontro incerto

» Manifesto: Freedom of Thought For a Democracy With No Fear of Differences

» Quem tem medo de Judith Butler?

Rede Social


Edição francesa


» En attendant la reconstruction du Temple...

» Jérusalem, la ville sainte qui devient ville-forteresse

» Stratégie pétrolière ou politique de paix ?

» Washington possède d'énormes réserves de puissance pour sauvegarder ses intérêts économiques dans le monde

» Les Etats-Unis face au risque de guerre

» Jérusalem perdra-t-elle son caractère œcuménique ?

» Le Laos est devenu un champ d'expérimentation des techniques de lutte anti-insurrectionnelle

» La question des Lieux saints se pose depuis plusieurs siècles

» Comment est né le mythe d'Internet

» L'histoire oubliée de l'autonomie culturelle


Edição em inglês


» A Harvey Weinstein moment for America's wars?

» A Harvey Weinstein moment for America's wars?

» Julien Brygo on India's vast army of servants

» What's the matter with eastern Europe?

» Unfounding Father

» The Trump blame game

» Israel's quest for influence in Africa

» Yemen: humanitarian disaster of Saudi intervention

» Religious wars

» Yemen's dangerous war


Edição portuguesa


» O eixo Washington-Riade-Telavive

» Edição de Dezembro de 2017

» O Orçamento, o presente e o futuro

» Guerras de religião

» Assinatura de 6 meses: só €18

» Edição de Novembro de 2017

» O Estado e as catástrofes normais

» Chamar uma vitória pelo nome

» Para onde vão a educação e a ciência no pós-Troika?

» Que SNS temos? Que SNS queremos?


EDITORIAL

A era da guerra perpétua

Imprimir
Enviar

Ler Comentários
Compartilhe

A prepotência norte-americana e a falta de argumentos que justifiquem esta “guerra preventiva” vem sendo questionadas pela opinião pública mundial, que teme as mudanças que o conflito no Iraque prenuncia para o equilíbrio mundial.

Ignacio Ramonet - (01/03/2003)

History is again on the move1.” Arnold J. Toynbee

Sente-se, nesta questão do Iraque, que algo de fundamental está em jogo. Sinais de alerta piscam por todo lado, o arcabouço internacional quebra, a ONU é posta de lado, a União Européia se divide, a Otan é fraturada... Persuadidas de que a máquina que produz tragédias se pôs em marcha, dez milhões de pessoas fizeram protestos, nas ruas do mundo inteiro, no dia 15 de fevereiro de 2003. Recusam-se a ver de volta a brutalidade da política internacional com sua extrema violência, suas paixões e seus ódios.

Esses temores coletivos se manifestam por meio de perguntas angustiantes: por que essa guerra contra o Iraque? Por que agora? Quais os verdadeiros motivos que têm os Estados Unidos? Por que a França e a Alemanha se opõem tão energicamente? De que maneira este conflito é revelador de uma nova situação em matéria de política externa? Que mudanças ele prenuncia para o equilíbrio do mundo?

As justificativas norte-americanas

As autoridades dos EUA não conseguiram convencer que a guerra é necessária. E sua insistência em repetir justificativas ridículas aumenta as dúvidas da opinião pública

Muita gente pensa que os verdadeiros motivos para esta guerra continuam sendo enigmáticos. Com a melhor boa-vontade, quem examina os argumentos apresentados por Washington continua cético. As autoridades norte-americanas não conseguiram convencer que a guerra é necessária. E sua insistência em repetir justificativas ridículas aumenta as dúvidas da opinião pública internacional.

Quais são os argumentos oficiais? Em número de sete, foram enumerados no relatório Uma década de mentira e de desafio, apresentado pelo presidente George W. Bush perante o Conselho de Segurança da ONU, no dia 12 de setembro de 2002. O texto, de vinte e duas páginas, relembra as três principais acusações: Bagdá não teria respeitado 16 resoluções das Nações Unidas; o Iraque teria, ou procuraria ter em seu poder, armas de destruição maciça (nucleares, biológicas, químicas e mísseis balísticos); e, finalmente, seria culpado pela violação de direitos humanos (tortura, estupro, execuções sumárias).

As outras quatro acusações dizem respeito: ao terrorismo2 (Bagdá estaria dando cobertura a organizações palestinas e enviaria 25 mil dólares à família de cada autor de um atentado suicida contra Israel); a prisioneiros de guerra (entre os quais, um piloto norte-americano); aos bens confiscados por ocasião da invasão do Kuait (obras de arte e material militar); e à malversação das mercadorias destinadas ao programa “petróleo por alimentos”.

A réplica da França e Alemanha

As acusações listadas por Bush levaram o Conselho de Segurança a votar a resolução 1441, que cria “um regime para verificar o processo de desarmamento”

Todas essas acusações levaram o Conselho de Segurança a votar, por unanimidade, no dia 8 de novembro de 2002, a resolução 1441, que cria “um regime de inspeção reforçado com o objetivo de concluir de forma completa e verificar o processo de desarmamento”.

Seriam esses argumentos de tal maneira assustadores, que todos os países deveriam passar a considerar o Iraque como o problema número um do mundo? Fariam eles do Iraque a mais terrível ameaça à humanidade? Seriam justificativas definitivas para uma guerra de grandes proporções?

A essas três perguntas, os Estados Unidos e alguns de seus amigos (a Grã-Bretanha, a Austrália, a Espanha...) respondem afirmativamente. Sem esperar pelo sinal verde de qualquer instância internacional, as autoridades de Washington despacharam para a fronteira com o Iraque uma poderosa força militar de cerca de 200 mil homens, dotada de colossal poder de destruição.

Por outro lado, a essas mesmas perguntas, outros países ocidentais (a França, a Alemanha, a Bélgica...) e uma considerável parcela da opinião pública internacional respondem com um triplo “Não”. Reconhecem a gravidade das acusações, mas avaliam que seria possível manifestar as mesmas suspeitas – o não-respeito pelas resoluções da ONU, a violação de direitos humanos e a posse de armas de destruição em massa – sobre outros países do mundo, começando pelo Paquistão e Israel, íntimos aliados dos Estados Unidos e contra os quais ninguém sonha declarar uma guerra. Salientam também que, em relação a inúmeras outras ditaduras amigas dos Estados Unidos (Arábia Saudita, Egito3, Tunísia, Paquistão, Turcomenistão, Uzbequistão, Guiné Equatorial etc.), que espezinham os direitos humanos, Washington fica em silêncio.

Um Della Rovere inesperado

Além disso, avaliam que o regime iraquiano, submetido a 12 anos de um boicote devastador, com a soberania de seu espaço aéreo limitada e sob permanente vigilância, não parece constituir uma ameaça iminente para seus vizinhos.

Outros países reconhecem a gravidade das acusações, mas acham que seria possível lançar as mesmas suspeitas sobre outros países, como o Paquistão e Israel

Finalmente, em relação à interminável busca de armas inlocalizáveis, muita gente é levada a pensar, como Confúcio, que “não é possível agarrar um gato preto num quarto escuro, principalmente se o gato não estiver lá”. Consideram que os inspetores da Comissão de Controle, Verificação e Inspeção das Nações Unidas (Cocovinu), chefiada pelo diplomata sueco Hans Blix, e os da Agência Internacional de Energia Atômica (AEIA), dirigida pelo perito egípcio Mohammed El Baradei, vêm fazendo progressos constantes, como provam os relatórios apresentados ao Conselho de Segurança, e que isso deveria permitir alcançar o objetivo desejado – o desarmamento do Iraque – sem ter que recorrer à guerra.

Por ter feito seu esse raciocínio de bom senso e o ter sabido manifestar com firmeza, na Assembléia das Nações Unidas, por meio da voz de seu ministro das Relações Exteriores, Dominique de Villepin, o presidente francês, Jacques Chirac, passou a encarnar, na visão de todos os que se opõem à guerra pelo mundo afora, a resistência à prepotência norte-americana. O terno ficou, sem dúvida, um pouco grande, mas é inegável que o presidente ganhou, em algumas semanas, uma popularidade internacional de que poucos dirigentes políticos franceses gozaram antes dele. Como a personagem do general Della Rovere, do célebre filme de Roberto Rosselini4, talvez Chirac se tenha encontrado por acaso nesse papel de resistente, mas é forçoso reconhecer que assumiu a missão.

Os vínculos inexistentes com Bin Laden

Por seu lado, o governo norte-americano não consegue convencer que esta guerra é justificável. Continua exposto ao veto francês e sofreu, uma após outra, duas desastrosas derrotas diplomáticas no Conselho de Segurança: no dia 4 de fevereiro, com o fiasco da apresentação de “provas” contra o Iraque por Colin Powell; e em 14 de fevereiro, com a divulgação dos relatórios bastante positivos dos inspetores, quando Hans Blix mostrou que várias das “provas” contra Bagdá apresentadas por Powell careciam de “fundamento”. Nesse mesmo dia, Dominique de Villepin afirmou: “Dez dias atrás, Powell mencionou a existência de supostos vínculos entre a Al-Qaida e o regime de Bagdá. No ponto em que se encontram as pesquisas e informações que temos conseguido, com nossos aliados, nada nos permite estabelecer tais vínculos.”

Ora, o estabelecimento de vínculos entre a rede de Osama bin Laden e o regime de Saddam Hussein seria decisivo para justificar o conflito. Em especial perante a opinião pública norte-americana, que continua chocada pelos detestáveis atentados de 11 de setembro de 2001.

É justamente porque nenhum argumento palpável parece justificar esta guerra que tantas pessoas se mobilizam contra ela por toda parte. E também por isso questionam os verdadeiros motivos dos Estados Unidos. Que seriam, no mínimo, em número de três.

A doutrina da “guerra preventiva”

Em relação à busca de armas, muita gente lembra Confúcio: “Não é possível agarrar um gato preto num quarto escuro, principalmente se o gato não estiver lá”

Inicialmente, há a preocupação, que se tornou obsessiva depois do 11 de setembro de 2001, de evitar qualquer vínculo entre um “Estado delinqüente” e o “terrorismo internacional”. Ainda em 1997, William Cohen, secretário da Defesa do presidente Clinton, declarava: “Enfrentamos a possibilidade de que atores regionais, exércitos de um terceiro tipo, grupos terroristas e mesmo seitas religiosas, tentem obter um poder desproporcional por meio da aquisição e utilização de armas de destruição em massa5.” Num comunicado divulgado no dia 11 de janeiro de 1999, Bin Laden admitia que essa possibilidade era real: “Não considero um crime adquirir armas nucleares, químicas e biológicas6.” E George W. Bush reconheceu que essa eventualidade o atormentava: “Nosso receio é que os terroristas encontrem um Estado fora-da-lei que lhes possa conseguir tecnologia para matar7.”

Esse “Estado fora-da-lei”, na cabeça do presidente dos Estados Unidos, não é senão o Iraque. Daí, a teoria da “guerra preventiva”, definida em 20 de setembro de 20028, que James Woolsey, ex-diretor da CIA, resumiu da seguinte forma: “A nova doutrina que nasceu dessa luta assimétrica contra o terror é a da ‘dissuasão avançada’, ou da ‘guerra preventiva’. Se os terroristas sempre têm a vantagem de atacar em sigilo, a qualquer momento e em qualquer lugar, a única defesa consiste em apanhá-los agora, estejam onde estiverem, antes que possam estar em condições de articular sua ação9.” Dispensa-se, logicamente, qualquer autorização por parte das Nações Unidas.

Os verdadeiros motivos norte-americanos

O segundo motivo, não declarado, é o controle do Golfo Árabe-Pérsico e seus recursos em hidrocarbonetos. Mais de dois terços das reservas conhecidas de petróleo no mundo concentram-se sob o solo de alguns países vizinhos do Golfo: o Irã, o Iraque, o Kuait, a Arábia Saudita, o Catar e os Emirados Árabes Unidos. Para os países desenvolvidos – e, principalmente, para os Estados Unidos, grandes esbanjadores de energia – essa região tem um papel crucial e detém uma das chaves fundamentais para seu crescimento e seu modo de vida.

Por ter feito seu um raciocínio de bom senso e o ter manifestado com firmeza, Jacques Chirac passou a encarnar a resistência à prepotência norte-americana

Portanto, qualquer intervenção contra países do Golfo é considerada uma ameaça aos “interesses vitais” dos Estados Unidos. Em 1980, por ocasião de seu discurso sobre o estado da União, o presidente James Carter, prêmio Nobel da Paz em 2002, definia a doutrina norte-americana para aquela região: “Qualquer tentativa, por parte de qualquer potência estrangeira, seja ela qual for, de assumir controle da região do Golfo Pérsico, será considerada um ataque aos interesses vitais dos Estados Unidos da América. E esse ataque será repelido por todos os meios necessários, inclusive a força militar10.”

Controlada pelos ingleses desde o final da I Guerra Mundial e do colapso do império otomano, a região do Golfo viu crescer a influência norte-americana a partir de 1945. Dois países importantes, entretanto, escapam ao controle de Washington: o Irã, desde a revolução islâmica de 1979, e o Iraque, desde a invasão do Kuait em 1990. A própria Arábia Saudita tornou-se suspeita, após os atentados de 11 de setembro de 2001, devido a seus vínculos com militantes islâmicos radicais e à ajuda financeira que os sauditas teriam dado à rede Al-Qaida. Washington considera que não pode se dar ao luxo de perder uma terceira pedra no tabuleiro do Golfo – menos ainda da importância da Arábia Saudita. Daí a tentação de, sob falsos pretextos, ocupar o Iraque, retomando o controle da região.

Os ideólogos do império

Para além das dificuldades militares, a administração de um Iraque livre de Saddam Hussein por forças de ocupação não será fácil. No tempo em que era lúcido, Colin Powell avaliava essa complicada dificuldade: “Nós nos esforçamos, em vão, para desprezar Saddam Hussein pelo que ele fez. Os Estados Unidos não desejavam de forma alguma destruir seu país. Durante os últimos dez anos, o Irã, e não o Iraque, foi nosso grande adversário no Oriente Médio. Gostaríamos que o Iraque continuasse sendo um contrapeso ao Irã. A Arábia Saudita não queria que os xiitas tomassem o poder no sul do Iraque. Os turcos não queriam a secessão dos curdos, no norte do Iraque. (...) Os países árabes não queriam que o Iraque fosse invadido e devastado. (...) Um Iraque dividido em facções sunitas, xiitas e curdas não contribuiria para a estabilidade que desejávamos no Oriente Médio. O único meio de evitar isso seria conquistando e ocupando essa longínqua nação de 20 milhões de habitantes. Não creio que seja isso que os norte-americanos desejam11.” No entanto, é o que hoje deseja o presidente Bush...

Além de não convencer que a guerra é justificável, o governo norte-americano sofreu duas desastrosas derrotas diplomáticas no Conselho de Segurança

O terceiro motivo não declarado desta guerra é o de confirmar a hegemonia dos Estados Unidos no mundo. A equipe de ideólogos que assessora George W. Bush (Cheney, Rumsfeld, Wolfowitz, Perle etc.) vem teorizando há muito tempo essa escalada rumo à potência imperial norte-americana (leia, nesta edição, o artigo de Philip S. Golub). No final da década de 80, já assessoravam Bush pai. Chegava ao fim a guerra fria e, ao contrário da maioria dos estrategistas – que defendiam uma diminuição no peso dos instrumentos militares –, eles incentivavam a reorganização das forças armadas e uma maximização do recurso às novas tecnologias, com o objetivo de restituir à guerra sua natureza de instrumento de política externa.

Enfim, o “elemento catalisador”

Naquela época, segundo o relato de uma testemunha, “a síndrome do Vietnã ainda persistia. Os militares não queriam recorrer ao uso da força, a menos que todo mundo estivesse de acordo. As condições que se colocavam exigiam praticamente um plebiscito nacional antes que se pudesse apelar para o uso da força. Nenhuma declaração de guerra era possível sem um elemento catalisador, como fora o caso de Pearl Harbor12”. No entanto, em dezembro de 1989, essa equipe de “falcões” conseguiu montar, com o apoio do general Colin Powell e sem autorização do Congresso ou das Nações Unidas, a operação que resultaria na invasão do Panamá (mais de mil mortos) e na deposição do general Noriega.

Esses mesmos homens conduziram, em seguida, a guerra do Golfo, durante a qual as forças armadas norte-americanas deram uma demonstração de superpotência militar que deixou o mundo estarrecido.

Passo a passo, em nome de grandes ideais – liberdade, democracia, civilização... –, os ideólogos de Bush transformam os EUA num novo tipo de Estado militar

De volta ao poder em janeiro de 2001, esses ideólogos consideraram os atentados de 11 de setembro o “elemento catalisador” há tanto esperado. A partir de então, nada os iria deter. Por meio do Patriot Act, dotaram o poder público de um perigoso instrumento liberticida; prometeram “exterminar os terroristas”, propuseram a teoria da “guerra global contra o terrorismo internacional”, conquistaram o Afeganistão e depuseram o regime taliban. Em seguida, definiram a doutrina da “guerra preventiva”, justificando-a – à base de propaganda e intoxicação – contra o Iraque.

Lembrando o antigo colonialismo

Eles se mobilizam para que Washington se concentre sobre os verdadeiros centros do poder num momento de globalização liberal: o G7, o FMI, a OMC, o Banco Mundial... E pretendem, pouco a pouco, retirar os Estados Unidos do âmbito da política multilateral. Por isso cutucaram o presidente Bush para que denunciasse o protocolo de Kyoto sobre o efeito-estufa, o tratado ABM sobre mísseis balísticos, o tratado que criava o Tribunal Penal Internacional, o tratado sobre minas antipessoais, o protocolo sobre armas biológicas e até as convenções de Genebra sobre prisioneiros de guerra no que se refere aos detidos na colônia penal de Guantánamo. O próximo passo seria a recusa em aceitar a arbitragem do Conselho de Segurança. O que representaria uma ameaça de morte ao sistema das Nações Unidas.

Passo a passo, em nome de grandes ideais – liberdade, democracia, livre comércio, civilização –, esses ideólogos vêm transformando os Estados Unidos num novo tipo de Estado militar. E renovam a ambição de todos os impérios: redesenhar o mundo, retraçar as fronteiras, policiar as populações.

Os colonialistas de antigamente não agiam de forma distinta. “Pensavam”, lembra o historiador Douglas Porch, “que a difusão do comércio, do cristianismo, das ciências e da eficiência administrativa do Ocidente ampliaria os limites da civilização e reduziria as zonas de conflito. Graças ao imperialismo, a pobreza se transformaria em prosperidade, o selvagem encontraria a salvação, a superstição se transformaria em luz e a ordem seria instituída onde, antes, reinavam apenas a confusão e a barbárie13.”

A “paz perpétua” e a “guerra perpétua”

Na nova reorganização do mundo que começa, os Estados Unidos voltam-se agora para o militar. A França e a Alemanha, por sua vez, para o político.

Para evitar esse angustiante desvio, a França e a Alemanha, em nome de uma certa idéia de União Européia14, optaram por fazer um contrapeso – não hostil – aos Estados Unidos nas Nações Unidas. “Estamos convencidos”, afirmou Dominique de Villepin, “de que é necessário um mundo multipolar e de que uma única potência não pode garantir a ordem no mundo15.”

Desenha-se o esboço de um novo mundo bipolar. Nele, o segundo pólo poderia ser constituído pela União Européia – caso ela consiga se articular – ou por uma inédita aliança Paris-Berlim-Moscou. Trata-se de uma iniciativa histórica que, finalmente, retira a Europa de 60 anos de medo e lhe permite redescobrir a vontade política. Uma iniciativa de tal maneira audaciosa que revelou, por contraste, a atitude pusilânime de alguns países europeus (a Grã-Bretanha, a Espanha, a Itália, a Polônia...), submissos há um longo tempo.

Os Estados Unidos começavam a se instalar no conforto de um mundo unipolar, dominado pela força de seu instrumento militar. A guerra contra o Iraque serviria para demonstrarem seu novo poder imperial. A França e a Alemanha vieram lembrar-lhes que, em matéria de poder, existem quatro fatores decisivos: a política, a ideologia, a economia e o militar. A globalização pode ter sugerido que apenas a ideologia (liberal) e a economia constituíam os fatores fundamentais. E que os outros dois (o político e o militar) se haviam tornado secundários. Foi um erro.

Na nova reorganização do mundo que começa, os Estados Unidos voltam-se agora para o militar. A França e a Alemanha, por sua vez, para o político. Para enfrentar os problemas que esmagam a humanidade, apostam na paz perpétua. O presidente Bush e seu séqüito, na guerra perpétua...

(Trad.: Jô Amado)

1 - “A História volta a caminhar.”
2 - O relatório não estabelece o vínculo entre Bagdá e a rede Al-Qaida, de Osama bin Laden, citado pelo general Colin Powell na exposição que fez às Nações Unidas em 4 de fevereiro de 2003.
3 - Há mais de vinte anos, o Egito, que recebe cerca de 3 bilhões de dólares por ano de ajuda dos Estados Unidos (quase tanto quanto Israel), proíbe qualquer tipo de manifestação pública, a oposição é ferozmente reprimida (há mais de 20 mil presos políticos no país) e os homossexuais são condenados a pesadas sentenças. O general Hosni Mubarak, no poder há 22 anos, pensa passar a presidência a seu filho... Essa ditadura, entretanto, é qualificada pelos grandes meios de comunicação norte-americanos como um “regime moderado” e o ditador, considerado uma pessoa perfeitamente recomendável...
4 - Em O general Della Rovere (1959), Roberto Rosselini conta a história de um vigarista (protagonizado por Vittorio de Sica) que é persuadido pelos ocupantes nazistas a se fazer passar pelo general Della Rovere, um dos líderes da Resistência, com o objetivo de descobrir a identidade dos guerrilheiros. Pouco a pouco, ele vai se identificando totalmente com seu papel, acaba resistindo e morre como herói.
5 - Citado por Barthélémy Courmont e Darko Ribnikar em Les Guerres asymétriques, ed. Presses Universitaires de France, Paris, 2002, p. 228.
6 - Ibid.
7 - Discurso perante a Assembléia-Geral das Nações Unidas, 12 de setembro de 2002.
8 - Ler, de Paul-Marie de La Gorce, “Un dangereux concept, la guerre préventive”, Manière de voir nº 67.
9 - El País, Madri, 3 de agosto de 2002.
10 - Citado por Bob Woodward em Chefs de la guerre, ed. Calmann-Lévy, Paris, p. 226.
11 - Ler, de Colin Powell, Un Enfant du Bronx, ed. Odile Jacob, Paris, 1995, p. 414 e 452.
12 - Ler, de Bob Woodward, Chefs de la guerre, ed. Calmann-Lévy, Paris.
13 - Ler, de Douglas Porch, Les Guerres des empires, ed. Autrement, Paris, 2002, p. 16.
14 - Ler, de Robert Kagan, “Power and Weakness”, Policy Review, Paris, 12 de fevereiro de 2003.
15 - Le Journal du Dimanche, Paris, 16 de fevereiro de 2003.




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Iraque
» Guerras
» Guerra contra o Iraque
» Guerras “Preventivas”
» Poder Imperial dos EUA

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos