'Enviar matéria', 'envoyer' => 'Enviar', 'reference_de' => 'a referência de', 'par_courriel' => 'por email', 'a_destination' => 'Enviar para:', 'donnees_optionnelles' => 'Dados opcionais', 'separe_virgule' => 'separe com vírgulas se escrever mais de um', 'sujet' => 'Assunto', 'titre_vouloir' => 'Título da mensagem', 'nom' => 'Seu nome', 'adresse' => 'Seu e-mail', 'texte' => 'Texto que irá junto com a mensagem', 'envoi' => 'Enviar', 'annuler' => 'Cancelar', 'enviar_title' => 'Enviar referência deste documento por email', 'enviar_por_email' => 'Enviar', 'referencia' => 'A referencia de', 'enviado' => 'foi enviado a:', 'sentimos' => 'Sentimos muito', 'problema' => 'Houve um problema e não se pôde enviar a mensagem', 'hola' => 'Olá. Talvez esta informação possa lhe interessar.', 'leer' => 'Leia mais...', 'enviado_por' => 'Enviado por: ', 'direction' => 'mas sem um endereço eletrônico válido', 'podemos' => 'não podemos enviar a mensagem', 'fermer' => 'fechar', 'documento' => 'Olá. Talvez este documento de', 'interesar' => 'possa lhe interessar.', 'descargarte' => 'Na página web poderá fazer o download de:', 'source' => 'fonte', ); ?> 'Envoyer l\'article', 'envoyer' => 'Envoyer', 'reference_de' => 'la référence de', 'par_courriel' => 'par courrier électronique', 'a_destination' => 'Envoyer á l\'adresse:', 'donnees_optionnelles' => 'Données optionnelles', 'separe_virgule' => 'séparer les adresses par des virgules si vous écrivez á plusieurs personnes', 'sujet' => 'Sujet', 'titre_vouloir' => 'Titre du message', 'nom' => 'Nom', 'adresse' => 'Adresse mail', 'texte' => 'Vous pouvez ajouter un texte', 'envoi' => 'Envoyer', 'annuler' => 'Annuler', 'enviar_title' => 'envoyer l\'article par mail', 'enviar_por_email' => 'envoyer par mail', 'referencia' => 'La référence de ', 'enviado' => 'a été envoyé à:', 'sentimos' => 'désolé', 'problema' => 'Il y a eu un problème et le courrier n\'a pas pu être envoyé', 'hola' => 'Salut. Cet article t\'interéssera peut-être ', 'leer' => 'Lire la suite...', 'enviado_por' => 'Envoyer par : ', 'direction' => 'mais sans une adresse de courrier électronique valable', 'podemos' => 'nous ne pouvons pas envoyer le message', 'fermer' => 'fermer', 'documento' => 'Salut, les documents de', 'interesar' => 'pourraient t\'intéresser', 'descargarte' => 'Si vous visitez le site vous pourrez télécharger les documents suivants :', 'source' => 'Source', ); ?> 'Enviar matéria', 'envoyer' => 'Enviar', 'reference_de' => 'a referência de', 'par_courriel' => 'por email', 'a_destination' => 'Enviar para:', 'donnees_optionnelles' => 'Dados opcionais', 'separe_virgule' => 'separe com vírgulas se escrever mais de um', 'sujet' => 'Assunto', 'titre_vouloir' => 'Título da mensagem', 'nom' => 'Seu nome', 'adresse' => 'Seu e-mail', 'texte' => 'Texto que irá junto com a mensagem', 'envoi' => 'Enviar', 'annuler' => 'Cancelar', 'enviar_title' => 'Enviar referência deste documento por email', 'enviar_por_email' => 'Enviar', 'referencia' => 'A referencia de', 'enviado' => 'foi enviado a:', 'sentimos' => 'Sentimos muito', 'problema' => 'Houve um problema e não se pôde enviar a mensagem', 'hola' => 'Olá. Talvez esta informação possa lhe interessar.', 'leer' => 'Leia mais...', 'enviado_por' => 'Enviado por: ', 'direction' => 'mas sem um endereço eletrônico válido', 'podemos' => 'não podemos enviar a mensagem', 'fermer' => 'fechar', 'documento' => 'Olá. Talvez este documento de', 'interesar' => 'possa lhe interessar.', 'descargarte' => 'Na página web poderá fazer o download de:', 'source' => 'fonte', ); ?> 'Envoyer l\'article', 'envoyer' => 'Envoyer', 'reference_de' => 'la référence de', 'par_courriel' => 'par courrier électronique', 'a_destination' => 'Envoyer á l\'adresse:', 'donnees_optionnelles' => 'Données optionnelles', 'separe_virgule' => 'séparer les adresses par des virgules si vous écrivez á plusieurs personnes', 'sujet' => 'Sujet', 'titre_vouloir' => 'Titre du message', 'nom' => 'Nom', 'adresse' => 'Adresse mail', 'texte' => 'Vous pouvez ajouter un texte', 'envoi' => 'Envoyer', 'annuler' => 'Annuler', 'enviar_title' => 'envoyer l\'article par mail', 'enviar_por_email' => 'envoyer par mail', 'referencia' => 'La référence de ', 'enviado' => 'a été envoyé à:', 'sentimos' => 'désolé', 'problema' => 'Il y a eu un problème et le courrier n\'a pas pu être envoyé', 'hola' => 'Salut. Cet article t\'interéssera peut-être ', 'leer' => 'Lire la suite...', 'enviado_por' => 'Envoyer par : ', 'direction' => 'mais sans une adresse de courrier électronique valable', 'podemos' => 'nous ne pouvons pas envoyer le message', 'fermer' => 'fermer', 'documento' => 'Salut, les documents de', 'interesar' => 'pourraient t\'intéresser', 'descargarte' => 'Si vous visitez le site vous pourrez télécharger les documents suivants :', 'source' => 'Source', ); ?> Diplô - Biblioteca: Os demolidores de liberdades
Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» A deriva medieval da Internet

» Duas vidas do neoliberalismo na América Latina

» Graeber narra o declínio da Ciência Econômica

» Boaventura: a História absolverá Evo Morales

» Insurgências e reações na América Latina

» A Revolta Latina, a crise dos EUA e a esquerda

» No cinema, o ser fragmentado dos indígenas

» Seriam os neoliberais terraplanistas?

» Paulo Guedes sonha com seu 18 Brumário

» A hegemonia pentecostal no Brasil

Rede Social


Edição francesa


» Mystiques violentes et stratégie non violente

» La pêche doit être gérée à l'échelle mondiale

» Le problème juif en Union soviétique

» Le vent s'est levé

» Citoyens, ou... nécessiteux ?

» Une sixième vague

» Retraite à points... de non-retour

» L'offensive libérale contre le monde du travail

» « Donner confiance aux hommes »

» Naissance d'un charisme


Edição em inglês


» December: the longer view

» ‘No one was listening'

» Shattering the conspiracy of silence

» This must be called murder

» Bolivia's coup

» Algeria's massive movement for change

» Islamists make common cause with the Hirak

» Grenfell's untold story

» DUP no longer kingmaker

» DUP no longer kingmaker


Edição portuguesa


» Que prioridades para uma governação mais à esquerda?

» Edição de Dezembro de 2019

» Uma fractura social exposta

» «Uma chacina»

» Assinatura de 6 meses: só 18 €

» Golpe de Estado contra Evo Morales

» Será que a esquerda boliviana produziu os seus coveiros?

» A era dos golpes de Estado discretos

» Pequeno manual de desestabilização na Bolívia

» No Brasil, os segredos de um golpe de Estado judiciário


DOSSIÊ IRAQUE

Os demolidores de liberdades

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

Um ano e meio após o temível ’Patriot Act’, o ’Domestic Security Enhancement Act’ é um projeto que fala por si mesmo: entre outros absurdos, exige o registro do DNA de estrangeiros suspeitos de delitos e de cidadãos norte-americanos suspeitos de terrorismo

Philippe Rivière - (01/03/2003)

Aprovado no dia 25 de outubro de 2001 por uma esmagadora maioria (98 votos a um no Senado, e 357 a 66 na Câmara dos Deputados), o USA Patriot Act ampliou os poderes do Federal Bureau of Investigations (FBI, a polícia federal norte-americana) e de outras agências de manutenção da ordem. A lei autorizava o presidente a confiscar os bens de qualquer pessoa envolvida em ataques contra os Estados Unidos e facilitava as escutas telefônicas e a vigilância do território interno. O muro que, desde os escândalos da década de 70, restringia a informação ao exterior e os poderes de polícia no território norte-americano, estava derrubado e, sem demora, o governo podia confiar ao almirante John Poindexter – condenado por conspiração e mentira perante o Congresso após haver participado do escândalo da vendas de armas ao Irã para financiar os contra nicaragüenses – o projeto orwelliano de uma vigilância “total” da população, de suas viagens, de seus gastos etc., com o objetivo de detectar sinais precursores de uma ação “terrorista”.

O “Patriot Act II”

Com o Patriot Act, o governo confiou ao almirante John Poindexter – condenado por conspiração e mentira – o projeto orwelliano de vigilância “total”

Após 18 meses de reflexão e uma guerra, os serviços de segurança voltam à carga. Munidos de um projeto “Patriot Act II”, denominado Domestic Security Enhancement Act, atacam, desta vez, os muros externos e os alicerces. O projeto fala por si mesmo. Além do registro do DNA de estrangeiros suspeitos de alguns delitos, ou de cidadãos norte-americanos suspeitos de terrorismo, ele prevê os seguintes pontos:

- um cidadão norte-americano poderá ser expulso dos Estados Unidos. E isto “se, com a intenção de se desfazer de sua nacionalidade, ele se tornar membro de - ou der apoio material a - algum grupo que os Estados Unidos tiverem classificado como ‘organização terrorista’ (seção 501)”; um juiz poderá, então, decidir que um cidadão não merece mais ser norte-americano, se a conduta dele “demonstrar sua intenção” de não mais o ser;

- a avaliação dos riscos em caso de catástrofe industrial, que os movimentos ecológicos e as comunidades tinham conseguido impor contra a vontade das indústrias químicas, permanecerá obrigatória, mas o acesso dos cidadãos aos “cenários do desastre” será estritamente controlado (seção 202);

- a dispensa dos procedimentos jurídicos que controlavam as atividades de vigilância dos cidadãos nacionais (seção 312).

O silêncio cúmplice da imprensa

Se aprovado, o projeto oficializaria também as prisões secretas de cidadãos no âmbito de inquéritos antiterroristas

Se aprovado (seus poucos oponentes situam-se tanto à esquerda do Partido Democrata quanto à direita do Partido Republicano1), o projeto oficializaria também as prisões secretas no âmbito de inquéritos antiterroristas, colocando a lista de nomes das pessoas presas fora do alcance do Freedom of Information Act - a lei que permite a todo cidadão norte-americano consultar qualquer documento oficial (seção 201).

Ao invés dos rios de tinta, das mobilizações e dos debates de fundo esperados após a divulgação desse documento preparatório, no dia 7 de fevereiro, pelo Centro pela Integridade Pública2 (CPI), foi um silêncio quase total que acolheu a notícia nos meios de comunicação. “A informação suscitou pouco interesse na mídia norte-americana”, comenta o grupo de análise da mídia FAIR3, que registra que - com exceção de uma entrevista de Charles Lewis, do CPI, na cadeia de rádio PBS, uma citação no canal de televisão Fox News e um tratamento adequado no Washington Post - as grandes redes de televisão brilharam por seu silêncio, e os jornais nacionais, por tratarem o assunto em páginas internas.

O pós-11 de setembro decretou a morte de uma imprensa que defendia, em Washington, o acesso à informação pública e fiscalizava as tentações liberticidas do governo - do Watergate ao Irangate. Últimos atos de coragem, os “casos” O.J. Simpson e Monica Lewinsky tinham – é verdade – cavado a sepultura do “quarto poder”...

(Trad.: Iraci D. Poleti)

1 - Ler, particularmente, a coluna do editorialista conservador William Safire, “You are a suspect”, New York Times, 14 de novembro de 2002.
2 - Center for Public Integrity, Washington, site: www.public-i.org
3 - www.fair.org




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Estados Unidos
» Ameaças às Liberdades
» Vigilância sobre as Sociedades

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos