Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Eles querem organizar a população de rua

» Municipalismo, alternativa à crise da representação?

» A China tem uma alternativa ao neoliberalismo

» Marielle, Moa, Marley, Mineirinho

» As trapaças do gozo individual

» Vermelho Sol, fotossíntese da violência

» Assim arma-se a próxima crise financeira

» Quantos anos o automóvel rouba de sua vida?

» Guerra comercial: por que Trump vai perder

» Mulheres indígenas, raiz e tronco da luta pelo território

Rede Social


Edição francesa


» En dehors de la « Petite Europe » d'autres débouchés s'offriront aux produits tropicaux

» Dans le domaine agraire il serait dangereux de vouloir brûler toutes les étapes

» L'expérience de M. Fidel Castro pourrait être mise en péril par une socialisation trop rapide de l'industrie cubaine

» Au Japon, le ministre de la défense s'inquiète

» Les soucoupes volantes sont-elles un sous-produit de la guerre froide ?

» Ovnis et théorie du complot

» Boulevard de la xénophobie

» Une machine à fabriquer des histoires

» Un ethnologue sur les traces du mur de Berlin

» Le stade de l'écran


Edição em inglês


» Manufacturing public debate

» August: the longer view

» Trump returns to the old isolationism

» Yellow vests don't do politics

» Kurdish territories in northern Syria

» The changing shape of the Balkans: 1991 / 2019

» Minorities in Kosovo

» Borders 1500-2008

» Man with a mission or deranged drifter

» The Louise revolution


Edição portuguesa


» Edição de Agosto de 2019

» Plural e vinculado à esquerda

» Os talibãs de São Francisco

» Edição de Julho de 2019

» Inconsistências (ou o sono da razão?)

» Comércio livre ou ecologia!

» Edição de Junho de 2019

» As pertenças colectivas e as suas conquistas

» A arte da provocação

» 20 Anos | 20% desconto


TELEVISÃO

Uma outra televisão é possível

Imprimir
Enviar

Ler Comentários
Compartilhe

Metade da humanidade sobrevive com menos de dois dólares por dia – a série "A Face Oculta da Terra" mostra quem são as pessoas por trás destas estatísticas e sugere uma trilha para se chegar a “uma Porto Alegre do documentário”

Dominique Vidal - (01/04/2003)

Gostaria de ter uma vida diferente? Maria Sanchez não entende a questão. Em meio a este terreno repleto de lixo a perder de vista, cercada pelos filhos, ela procura, com a ajuda do ancinho, roupas, papelão, plásticos e panos, que ela poderá vender por alguns pesos, para alimentar os seus. Seu mundo é o depósito de lixo Neza, um dos maiores do mundo, localizado no sul da cidade do México, no mesmo lugar ... da antiga capital asteca ! “É a vontade de Deus ”, diz ela simplesmente.

O lucro é reinvestido na série e o critério para vendê-la às cadeias de emissoras é que não haja exclusividade, privilegiando TV’s públicas, escolas e associações

Como ela, 13 outras pessoas figuram nesta série de mini-retratos (dois minutos e trinta segundos) intitulada “A face oculta da Terra “. Inspirados num relatório do Banco Mundial, os realizadores, membros do grupo Alterdoc1, decidiram, há dois anos, ir, de um lado a outro do planeta, ao encontro desta metade da humanidade que sobrevive com menos de dois dólares por dia. Debaixo das estatísticas, os seres humanos... Mas, seria suficiente descrever a pobreza ? “ Não fazemos isso com o intuito de oferecer soluções prontas ou para solicitar depósitos de 10 euros para esta ou aquela associação”, esclarece Gonzalo Arijon. A palavra chave da Alterdoc é a autonomia dos (tele)espectadores. “Se nossos filmes mostrarem bem a realidade, levarão os que os assistem a refletir e a se sentir responsáveis pelo que vêem. Um olhar vale mais que um discurso e ... que uma esmola. Aqui como em outro lugar.”

Nada de exclusividade

A originalidade do empreendimento não está somente no tema, pouco usual na telinha, nem na confiança, não menos rara, na capacidade de análise do público. Ela reside também em sua economia muito particular: “No início, reconhece José Maldavsky, fazíamos esses curtas paralelamente a outras filmagens. Muito rapidamente, decidimos legalizar esse “contrabando”, informando aos produtores, que aceitaram nos apoiar”. Isso permite economizar despesas consideráveis com viagens e estada. Os realizadores filmam a título benevolente, sendo apenas remunerada a coordenação. “Quanto ao lucro, quando há, ele é reinvestido na série, em outros projetos com o mesmo espírito, como a organização de estágios de formação no Sul”.

Os projetos futuros dos realizadores incluem os indígenas na América Latina, a memória audiovisual dos curdos e uma oficina de roteiros de TV em Ruanda

Vários eventos audiovisuais2 acolheram “A face oculta da Terra” e cadeias de televisão já se dizem também interessadas. No entanto, a Alterdoc impõe critérios bastante exigentes : “Claro que queremos vender a série, mas não com exclusividade, insiste José Maldavsky. Queremos que várias cadeias de televisão a transmitam, em particular as públicas. E também escolas e associações”. E no Sul ? “Quem quer que produza um mini-retrato, terá direito de divulgação sobre todos os outros, gratuitamente”, responde Gonzalo Arijon.

Uma TV Social Mundial

Porque não somente os realizadores não se consideram como uma sociedade de produção, como não pretendem ser os únicos a ter poder sobre sua aventura. Esperam, ao contrário, que outros – tanto no Hemisfério Norte quanto no Sul – dela se apropriem e proponham seus próprios mini-filmes. A Alterdoc se vê como uma “ONG audiovisual”. Ela recusa qualquer patrocínio e financiamento do Banco Mundial – “mas uma parceria com o Programa das Nacões Unidas para o Desenvolvimento seria benvinda”, concede Gonzalo Arijon. Em compensação, a entidade está aberta à toda contribuição engajada e beneficente. Não faltam projetos à Alterdoc. Primeiro, completar a série dos mini-retratos. Em seguida, realizar um filme de "90 minutos", contando a jornada de vida desta humanidade abandonada, “como um colar de pérolas, uma sucessão de histórias”. Enfim, transformar algumas utopias em realidade: o financiamento e o acompanhamento de experiências como o vídeo sobre os indígenas na América Latina, a coleção sobre a memória audiovisual dos curdos, uma oficina de roteiros de TV em Ruanda... “No fundo, sonhamos com uma televisão social mundial”, deixam escapar quase simultaneamente Gonzalo Arijon e José Maldavsky. “E de uma Porto Alegre do documentário ?” Ainda que não ousem responder “sim”, visivelmente é o que desejam...

(Trad.: Nena Mello)

1 - Alterdoc (Gonzalo Arijon, Laurence Jourdan, Jean Christophe Klotz, Baudouin Koenig, José Maldavsky Alberto Marquardt e José Reynes) : Rua Dupetit-Thouars, 16, 75003, Paris. Tel. : 01-43-57-56-14 (alterdoc@noos.fr).
2 - Assim foi com os Estados Gerais do documentário de Lussas, o Festival dos três continentes de Amiens, o Festival internacional de programas audiovisuais (FIPA) de Biarritz, o Festival internacional de grandes reportagens da atualidade (FIGRA) de Touquet, e “Sonho com uma noite DVD” (“ Songe d’une nuit DV ”) de Saint-Denis…




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Desigualdades Internacionais
» Pobreza
» Indústria Cultural
» Televisão

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos