Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Rio: o que esperar das UPPs recauchutadas

» 24 de janeiro de 2021

» Ucrânia: quem atiça a guerra em zona crítica

» Brasil: assim surge um “novo” clientelismo

» Honduras: a nova presidente diante do colapso

» Honduras: a nova presidente diante do colapso

» 21 de janeiro de 2020

» Amor, desconcerto anticapitalista

» Torto Arado e o direito da mulher camponesa

» ¿Adónde va Chile?: Um olhar afetivo e político

Rede Social


Edição francesa


» L'armée mexicaine de l'Union européenne

» Les candidats parlent de moi

» À gauche… mais proches des milieux d'affaires

» Argent public, fortunes privées

» Le Roi sans nuages ni soleil

» Le Maghreb central

» Conséquences du changement climatique au Maghreb

» Alphabétisation & scolarisation

» Développements comparés des pays du Maghreb

» Taux de croissance annuel de la population


Edição em inglês


» January: the longer view

» United States: the black hole of Guantanamo

» Transnistria: a pro-Russian enclave in Europe

» The Chinese take to the slopes

» Japanese women find their voice

» The open-source world is more and more closed

» Transnistria, relic of a frozen conflict

» The Algeria-Morocco standoff

» Chile's victorious ‘new left' brings hope, but it's all to play for

» Europe's secretive system to keep out migrants


Edição portuguesa


» A orquestra do caos

» Recortes de Imprensa

» Será a caneta mais poderosa do que a espada?

» A pilhagem da comunidade do software livre

» Braço-de-ferro entre Marrocos e a Argélia

» Transnístria: o vestígio de um conflito congelado

» As japonesas já não querem ficar caladas

» O regresso da chantagem da dívida

» Homenagem do vício à virtude

» Impor uma visão do mundo


GUERRA ARBITRÁRIA

Curdos: eternamente traídos

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

Desde o final da I Guerra Mundial, inúmeras potências utilizaram-se dos curdos para abandoná-los na última hora. Nos anos 70, com ajuda norte-americana, israelense e iraniana, eles foram usados para enfraquecer o regime ba’athista

(01/04/2003)

A história se repete. Desde o final da I Guerra Mundial, inúmeras potências utilizaram-se dos curdos para abandoná-los à última hora. Na década de 70, no Iraque, ocorreu um episódio que merece ser relembrado. O partido Ba’ath tinha acabado de tomar o poder quando o dirigente histórico dos curdos iraquianos, Mustapha Barzani – pai de Massud Barzani, atual líder do Partido Democrático do Curdistão (PDK) –, lançou a velha reivindicação de seu povo. Vivia-se, então, em plena guerra fria e a aproximação entre Bagdá e a União Soviética preocupava Henry Kissinger e os Estados Unidos. A partir de 1972, os curdos passaram a receber uma ajuda financeira norte-americana e israelense, além de gozarem do apoio do xá do Irã. O relatório confidencial Pike, redigido pela CIA em 19751, explicava: ao apoiar o movimento de Mustapha Barzani, Washington – aliás, como Teerã – não pretendia a vitória dos rebeldes e, sim, manter “um nível de hostilidade suficientemente forte” para enfraquecer o regime ba’athista, dissuadindo-o de aventureirismos internacionais.

Vendidos ao poder iraniano em 1975, seriam os curdos entregues em sacrifício, em 2003, aos militares turcos?

Por ocasião da guerra árabe-israelense de 1973, seguindo as orientações de conselheiros israelenses, os curdos estavam prestes a lançar uma ofensiva contra o exército iraquiano, mas Kissinger dissuadiu-os com firmeza e os peshmergas (guerrilheiros) obedeceram. Em março de 1974, também foi devido aos conselhos dos Estados Unidos e do Irã que Mustapha Barzani recusou um acordo proposto por Bagdá (um território autônomo bastante grande, em troca do fim da luta armada) e rejeitou uma oferta de mediação soviética2.

Alguns meses mais tarde, no dia 6 de março de 1975, Saddam Hussein e o xá do Irã assinaram um acordo em Argel: em troca da suspensão da ajuda de Teerã ao movimento rebelde de Mustapha Barzani, Bagdá aceitava que a fronteira Sul entre os dois países fosse fixada no estreito de Chat-Al-Arab. Sem a ajuda, da qual haviam se tornado totalmente dependentes, os autonomistas curdos sofreram uma derrota acachapante: 200 mil refugiaram-se no Irã. Questionado sobre as conseqüências de sua política, Kissinger respondeu: “Ações clandestinas não podem ser confundidas com obras missionárias3.” Vendidos ao poder iraniano em 1975, seriam os curdos entregues em sacrifício, em 2003, aos militares turcos?

(Trad.: Jô Amado)

1 - Divulgado, em grande parte, pelo jornal Village Voice, Nova York, 16 e 23 de fevereiro de 1976.
2 - Ler, de Hamit Bozarslan, La Question kurde, ed. Presses de Sciences Po, Paris, 1997.
3 - Ler, de William Blum, The CIA. The forgotten history, ed. Zed, Londres, 1986.




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Iraque
» Curdistão
» Geopolítica do Oriente Médio
» Poder Imperial dos EUA
» Nações sem Estado

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos