Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Reino Unido: razões de um fracasso provisório

» Óleo nas praias: a tragédia tem a marca Bolsonaro

» O cimento familiar que faz A vida invisível

» Manifesto Feminista por uma Renda Cidadã

» Cinco livros para entender a polícia brasileira

» Fernando Meirelles vê Dois Papas e igreja em crise

» Em busca da funda de Davi

» Outras Palavras prepara nova travessia

» Argentina: o que esperar de Fernández e Cristina

» 2019, o ano do Pibinho do Guedes

Rede Social


Edição francesa


» La grande mystification des fonds de pension

» Cinq leviers pour l'emploi…

» L'instinct de résistance des Réunionnais

» Comment la pensée devint unique

» Résister à l'insécurité sociale

» La pêche, une guerre mondiale ignorée

» L'homme et les robots

» Le crépuscule de la raison

» Mystiques violentes et stratégie non violente

» La pêche doit être gérée à l'échelle mondiale


Edição em inglês


» Scotland decides

» UK's austerity election

» December: the longer view

» ‘No one was listening'

» Shattering the conspiracy of silence

» This must be called murder

» Bolivia's coup

» Algeria's massive movement for change

» Islamists make common cause with the Hirak

» Grenfell's untold story


Edição portuguesa


» Que prioridades para uma governação mais à esquerda?

» Edição de Dezembro de 2019

» Uma fractura social exposta

» «Uma chacina»

» Assinatura de 6 meses: só 18 €

» Golpe de Estado contra Evo Morales

» Será que a esquerda boliviana produziu os seus coveiros?

» A era dos golpes de Estado discretos

» Pequeno manual de desestabilização na Bolívia

» No Brasil, os segredos de um golpe de Estado judiciário


O PÓS-GUERRA IMPERIAL

Uma bofetada na civilização

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

As forças da coalizão não só trucidaram e humilharam o povo e a cultura do Iraque, mas esbofetearam a civilização ao permitir os saques e o vandalismo no Museu Nacional. O legado iraquiano perdido nesta guerra pertencia a toda a humanidade

May Muzaffar - (01/05/2003)

A história relembra a invasão de Bagdá pelos mongóis, no século 13 com desprezo. Mas eles eram tribos bárbaras, e não os senhores do mundo

Ao longo da História, há milênios que os rios Tigre e Eufrates vêm sendo testemunhas de inúmeros desastres, o mais célebre dos quais foi a invasão de Bagdá, já então uma metrópole, pelos mongóis, no século 13 depois de Cristo. A herança cultural de séculos inteiros esbarrou nesse primeiro desastre humano. A história relembra esse período com desprezo. Mas os mongóis eram tribos bárbaras, e não os senhores do mundo.

Os dois rios continuam fluindo. Poderiam contar a história daqueles vasos quebrados, da era pré-sumeriana, que atualmente se encontram expostos, em pedaços, numa das salas do museu. A grande estátua do rei jaz decapitada, apenas um corpo abandonado, como os cadáveres iraquianos nas ruas de Bagdá. A mais antiga harpa do mundo – a harpa de ouro, sumeriana – desapareceu. Assim como se evaporaram, em poucas horas, a bela cabeça de mulher de Warka, os tesouros dos reis e rainhas de antigamente, e os milhares de objetos e velhas tábuas ainda não decifradas. Também desaparecidos estão os velhos manuscritos, esses exemplares do Corão que datam dos primeiros séculos do islamismo.

Algumas dessas peças já estão a caminho do mercado mundial de obras de arte.

Referência perdida

Evaporaram, em poucas horas, a bela cabeça de mulher de Warka, os tesouros dos reis e rainhas de antigamente, e os milhares de objetos e velhas tábuas ainda não decifradas

Com suas coleções que datam da Antigüidade e do início da era islâmica, o Museu Nacional sempre constituiu uma referência para os pesquisadores, os críticos de arte e os artistas. Simbolizava o vínculo entre o passado e o presente. Ao longo de sua história, foram muitas as guerras e rebeliões que devastaram, no Iraque, grande parte de seu legado. Os grandes museus do mundo expõem as peças mais importantes das civilizações iraquiana, mesopotâmia e islâmica. Haverá, certamente, quem entenda que os iraquianos não são dignos desses tesouros...

Sua raridade e originalidade distinguem esses objetos fabricados da Antigüidade. Cada peça tem uma dimensão simbólica. Porque esta permanece, até nossos dias, como um elemento característico da arte iraquiana. Os artistas desse país nunca foram meros artesãos. Foi necessária a chegada do modernismo para que, finalmente, fosse reconhecido o seu valor artístico. Isto, sem dúvida, porque Malraux, em seu prefácio ao livro de André Parrot sobre a Suméria1, observou: “Agora, não só as descobrimos, mas descerramos os olhos e vemos, finalmente, que são autênticas obras de arte, e não apenas peças de museu.”

Agressão contra a civilização

Destruindo a herança do Iraque, seu povo e sua arquitetura, varreram-se milênios de cultura da humanidade

Do passado ao presente, do Museu Nacional ao Museu de Arte Moderna de Bagdá, saqueados e incendiados, surge uma linha contínua. Nosso passado é o nosso presente. A guerra e a superpotência nos roubaram os dois, durante esta segunda guerra do Golfo.

Foi uma agressão contra a civilização. Destruindo a herança do Iraque, seu povo e sua arquitetura, varreram-se milênios de cultura da humanidade. As forças invasoras do país mais poderoso do planeta atravessaram vastos oceanos, espezinharam os corpos martirizados de crianças, de mulheres, de jovens e de outros mais idosos, utilizando-se da tecnologia militar mais moderna para se apoderar dos poços de petróleo iraquianos.

Infelizmente, as forças da coalizão não só trucidaram e humilharam o povo e a cultura do Iraque, mas esbofetearam a civilização. O legado que o Iraque acaba de perder nesta guerra pertencia a toda a humanidade.

(Trad.: Jô Amado)

1 - Sumer, NRF, col. “Univer des formes”, Paris, 1960, 392p.




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Iraque
» História
» Choque de Fundamentalismos
» Guerra contra o Iraque

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos