Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» A desigualdade brasileira posta à mesa

» Fagulhas de esperança na longa noite bolsonarista

» 1 de setembro de 2020

» O fim do mundo e o indiscreto racismo das elites

» O milagre da multiplicação de bilhões — para os bancos

» Movimento sindical em tempos de tormenta

» 31 de agosto de 2020

» A crucificação de Julian Assange

» Nuestra America: os cinco séculos de solidão

» Ir além do velho mundo: lições da pandemia

Rede Social


Edição francesa


» Comme un rouleau chinois

» Décembre 1960, les Algériens se soulèvent

» La Biélorussie, un allié de Moscou dans l'escarcelle d'Ankara

» Parti communiste : grandes évolutions statistiques

» Russie et Turquie : deux anciens empires entre rivalité et coopération

» Discrétion chinoise aux Nations unies

» Pour qui les Américains ont-ils voté ?

» Et Napoléon III a choisi le libre-échange

» Population du Sri Lanka

» Les damnés de Las Palmas


Edição em inglês


» Russia and Turkey: partners and rivals

» China at the UN

» Sex, drugs and money or pure hearts?

» Oh, for a country home

» The post-virus city

» In search of the good life

» Africa's drugs free-for-all

» Africa's struggle for pharmaceuticals

» China's long UN game

» Palestinian bitterness


Edição portuguesa


» A segunda morte da Europa

» Ofereça uma assinatura de 6 meses, apenas €18

» Edição de Novembro de 2020

» A máquina infernal

» Requisição civil

» Um resultado que ninguém aceitará

» Edição de Outubro de 2020

» Distâncias à mesa do Orçamento

» Falsas independências

» Trabalho na cultura: estatuto intermitente, precariedade permanente?


ECONOMIA

Quando The Economist pensa contra si mesmo

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

Diante do êxito da Malásia, que impôs o controle cambial para responder à crise financeira de 1997, violando um dos cânones mais sagrados da ortodoxia liberal, badalado semanário econômico liberal faz auto-crítica

Bernard Cassen - (01/06/2003)

“Durante muito tempo, este jornal afirmou que o controle da movimentação de capitais devia ser proscrito em qualquer caso”

É uma verdadeira retratação, o que acaba de fazer The Economist, altivo guardião da ortodoxia liberal: o controle da movimentação de capitais teria algo de bom! O semanário britânico tem convicções, mas também respeita fatos. “Pensar contra si mesmo” não se limita a ser uma retificação ambígua ou uma embrulhada para convencer o leitor: é um editorial completo e o artigo de conclusão de um amplo tema que assinalam a abrupta mudança de opinião1.

Lembrando que a Malásia respondeu à crise financeira de 1997-1998, “violando um dos cânones mais sagrados da ortodoxia econômica: a imposição de um controle cambial”, The Economist constata que esse procedimento teve pleno êxito. Em seguida, faz uma autocrítica: “Durante muito tempo, este jornal afirmou que o controle da movimentação de capitais devia ser proscrito em qualquer caso. Ora, deduz-se dos dados analisados neste tema que o mercado mundial de capitais é turbulento e perigoso, particularmente para as economias pouco desenvolvidas, mal equipadas para nele navegar. Certamente, o controle cambial não é a melhor maneira de se preparar para isso, mas, para determinados países, vale mais do que não se preparar de forma alguma.” O semanário menciona em seguida, favoravelmente, o caso do Chile, que impôs taxas sobre a entrada de capitais para lutar contra sua volatilidade.

“Mesmo que isso signifique uma certa desordem, os economistas liberais deveriam reconhecer que os controles da movimentação de capitais se justificam.”

Conclusão: “Mesmo que isso signifique uma certa desordem, os economistas liberais deveriam reconhecer que – em certos casos e dentro de certos limites – os controles da movimentação de capitais se justificam.” Segue-se uma admoestação transatlântica: “Ao negociarem novos acordos de livre-comércio com o Chile e Cingapura, os Estados Unidos exigiram recentemente uma liberalização completa da conta de capital. Experiências amargas fazem pensar que essas exigências são um erro. Está mais do que na hora de revisar a ortodoxia econômica a esse respeito.”

(Trad.: Regina Salgado Campos)

1 - Ler o editorial “A place for capital controls” e o artigo “A slightly circuitous route” sobre o tema “A cruel sea of capital. A survey of global finance”, The Economist, Londres, 3 de maio de 2003.




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Malásia
» Neoliberalismo
» Mercados Financeiros Internacionais
» Ditadura das Finanças
» Pensamento Único
» Imprensa e Poder

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos