Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Atingida por barragem e acossada pelos poderosos

» Como o Google favorece a manipulação política

» Por um novo Pacto das Catacumbas

» Chantagem do governo aos desempregados

» Ruínas do neoliberalismo: Chile, caso precursor

» E se as startups pertencessem a seus funcionários?

» Boaventura vê Lula Livre

» América Latina: a ultradireita contra-ataca

» O Mercado, os economistas e outros seres transcendentais

» Nem todo Uber é capitalista

Rede Social


Edição francesa


» La Chine au miroir de l'Occident

» « Choc des civilisations », à l'origine d'un concept

» Les Allemands de l'Est saisis par l'Ostalgie

» A Berlin, le face-à-face des intellectuels de l'Est et de l'Ouest

» Réveil politique à l'Est

» Les Allemands de l'Est, sinistrés de l'unification

» Le difficile chemin de la démocratie espagnole

» Il y a cent cinquante ans, la révolte des cipayes

» Hôpital entreprise contre hôpital public

» Dernières nouvelles de l'Utopie


Edição em inglês


» The fall of liberal triumphalism

» Sarah Seo on Americans, their cars and the law

» November: the longer view

» Ibrahim Warde on the rise and fall of Abraaj

» Fighting ISIS: why soft power still matters

» Life as a company troll

» The imperial magazine

» Setting Socrates against Confucius

» Price of freedom on the road

» Global business of bytes


Edição portuguesa


» Golpe de Estado contra Evo Morales

» Será que a esquerda boliviana produziu os seus coveiros?

» A era dos golpes de Estado discretos

» Pequeno manual de desestabilização na Bolívia

» No Brasil, os segredos de um golpe de Estado judiciário

» Edição de Novembro de 2019

» Sempre uma coisa defronte da outra

» OTAN: até quando?

» Alojamento local-global: especulação imobiliária e desalojamento

» Rumo a uma governança participativa da vida nocturna de Lisboa


ECONOMIA

Quando The Economist pensa contra si mesmo

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

Diante do êxito da Malásia, que impôs o controle cambial para responder à crise financeira de 1997, violando um dos cânones mais sagrados da ortodoxia liberal, badalado semanário econômico liberal faz auto-crítica

Bernard Cassen - (01/06/2003)

“Durante muito tempo, este jornal afirmou que o controle da movimentação de capitais devia ser proscrito em qualquer caso”

É uma verdadeira retratação, o que acaba de fazer The Economist, altivo guardião da ortodoxia liberal: o controle da movimentação de capitais teria algo de bom! O semanário britânico tem convicções, mas também respeita fatos. “Pensar contra si mesmo” não se limita a ser uma retificação ambígua ou uma embrulhada para convencer o leitor: é um editorial completo e o artigo de conclusão de um amplo tema que assinalam a abrupta mudança de opinião1.

Lembrando que a Malásia respondeu à crise financeira de 1997-1998, “violando um dos cânones mais sagrados da ortodoxia econômica: a imposição de um controle cambial”, The Economist constata que esse procedimento teve pleno êxito. Em seguida, faz uma autocrítica: “Durante muito tempo, este jornal afirmou que o controle da movimentação de capitais devia ser proscrito em qualquer caso. Ora, deduz-se dos dados analisados neste tema que o mercado mundial de capitais é turbulento e perigoso, particularmente para as economias pouco desenvolvidas, mal equipadas para nele navegar. Certamente, o controle cambial não é a melhor maneira de se preparar para isso, mas, para determinados países, vale mais do que não se preparar de forma alguma.” O semanário menciona em seguida, favoravelmente, o caso do Chile, que impôs taxas sobre a entrada de capitais para lutar contra sua volatilidade.

“Mesmo que isso signifique uma certa desordem, os economistas liberais deveriam reconhecer que os controles da movimentação de capitais se justificam.”

Conclusão: “Mesmo que isso signifique uma certa desordem, os economistas liberais deveriam reconhecer que – em certos casos e dentro de certos limites – os controles da movimentação de capitais se justificam.” Segue-se uma admoestação transatlântica: “Ao negociarem novos acordos de livre-comércio com o Chile e Cingapura, os Estados Unidos exigiram recentemente uma liberalização completa da conta de capital. Experiências amargas fazem pensar que essas exigências são um erro. Está mais do que na hora de revisar a ortodoxia econômica a esse respeito.”

(Trad.: Regina Salgado Campos)

1 - Ler o editorial “A place for capital controls” e o artigo “A slightly circuitous route” sobre o tema “A cruel sea of capital. A survey of global finance”, The Economist, Londres, 3 de maio de 2003.




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Malásia
» Neoliberalismo
» Mercados Financeiros Internacionais
» Ditadura das Finanças
» Pensamento Único
» Imprensa e Poder

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos