Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Dinheiro: o novo sonho de controle do Facebook

» Mulheres na política: uma nova onda a caminho

» Sertanejo, brasilidade e Nelson Pereira Santos

» A crise do Brexit e o capitalismo impotente

» Pilger: é hora de salvar o jornalismo

» Missão: extinguir o BNDES

» Etiópia: a eterna marcha da humanidade

» O direito ao sagrado dos povos do terreiro

» Como derrotar a “direita Trump-Bolsonaro”

» As pedras da contracultura (ainda) rolam

Rede Social


Edição francesa


» Quand la gauche renonçait au nom de l'Europe

» Un « New Deal » pour l'école

» La Chine bouscule l'ordre mondial

» L'affirmation homosexuelle

» Faut-il larguer la république ?

» Comment les apprentis sorciers ont aggravé le chaos au Proche-Orient

» Quarante ans de conflits et d'échecs nourris par les interventions occidentales

» Décentraliser l'éducation pour mieux la privatiser

» L'avenir du temps

» Ces Espagnols qui ont libéré Paris


Edição em inglês


» How US climate deniers are working with far-right racists to hijack Brexit for Big Oil

» Confessions of a map-maker

» The Spaniards who liberated Paris

» Fighting for communication control

» June: the longer view

» Niger, a migration crossroads

» Niger, a migration crossroads

» Whatever happened to Bob Woodward?

» Europe in space

» The Corbyn controversy


Edição portuguesa


» Edição de Junho de 2019

» As pertenças colectivas e as suas conquistas

» A arte da provocação

» 20 Anos | 20% desconto

» EUROPA: As CaUsas das Esquerdas

» Edição de Maio de 2019

» Os professores no muro europeu

» Chernobil mediático

» Edição de Abril de 2019

» A nossa informação, as vossas escolhas


ESTADOS UNIDOS

Os operários e a guerra do Vietnã

Imprimir
Enviar

Ler Comentários
Compartilhe

Estudantes contra a guerra, de um lado; operários pró-guerra, do outro. Essa é a imagem freqüentemente veiculada sobre o engajamento militar norte-americano contra o Vietnã, mas está longe de ser a verdade .

Rick Fantasia - (01/06/2003)

A maioria das pesquisas indica que, até 1967, foram os norte-americanos mais ricos e com um maior nível de escolaridade, e não os operários e empregados, que apoiaram mais ativamente a política imperial de seu país. 1 Bastou ser colocada em questão a determinação que permitia aos estudantes adiarem a incorporação ao exército até o final de sua escolaridade, para que a oposição à guerra nos meios privilegiados aumentasse. A repressão policial contribuiu, em seguida, para endurecê-la.

Em um contexto de conflitos raciais, a generalização do apelo às drogas e a animosidade crescente entre soldados rasos e seus comandantes atingiram proporções de crise aberta

A hostilidade dos meios operários ao conflito no Vietnã progrediu a partir de 1968, na retaguarda, mas também no front. Em um contexto de conflitos raciais e de desenvolvimento da contracultura, a generalização do apelo às drogas e a animosidade crescente entre soldados rasos e seus comandantes atingiram proporções de crise aberta. Foram registradas centenas de casos de tropas que se recusaram a atacar e, pelo menos, dez rebeliões significativas.

A orientação bélica da central sindical AFL-CIO não coincidiu como se esperava com os sentimentos dos soldados mais jovens e dos combatentes que acabavam de chegar da Indochina.

(Trad.: Wanda Caldeira Brant)

1 - Ler, de Bruce Andrews, Public Constraint and American Policy in Vietnam, ed. Sage Publications, Beverly Hills, 1976.




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Estados Unidos
» Guerras contra o Vietnã
» Sindicatos

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos