Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Internet: liberdade é controle

» O capitalismo como imensa coleção de perguntas

» Assim os laboratórios torturam animais

» Bolsonaro, o anacronismo genial-idiota

» 10 mandamentos para as elites impenitentes

» As explosões que abalaram a Arábia Saudita

» O que são os “Laboratórios do Comum”

» Trump e Bolsonaro: em busca dos porquês

» Legalidade não faz jus a Brizola

» Como a Estônia concretizou o passe livre

Rede Social


Edição francesa


» Depuis 2010, la majorité de la population est urbaine

» Match démographique : Urugay-Paraguay

» Match démographique : Uruguay-Paraguay

» Chaos postsoviétique

» Richesse et population, un monde à double face

» Machines hostiles

» Refaire le monde à coups de bistouri

» Libye, l'appel du devoir

» La gauche française bute sur l'Europe

» Fédéralisme à l'allemande et évolutions politiques


Edição em inglês


» An end to Mediterranean standoffs?

» The logs of war

» Benjamin Netanyahu, best friend of the far right

» September: the longer view

» Afghan peace talks: Trump tweets, Taliban fights

» An inexhaustible myth in times of extreme adversity

» What happened to social solidarity?

» Sudan: conflict, violence and repression

» Russia's appointed billionaires

» Another end is possible


Edição portuguesa


» Edição de Setembro de 2019

» Portugal não pode parar?

» Quem elegeu Ursula von der Leyen?

» Edição de Agosto de 2019

» Plural e vinculado à esquerda

» Os talibãs de São Francisco

» Edição de Julho de 2019

» Inconsistências (ou o sono da razão?)

» Comércio livre ou ecologia!

» Edição de Junho de 2019


ESTADOS UNIDOS

Os operários e a guerra do Vietnã

Imprimir
Enviar

Ler Comentários
Compartilhe

Estudantes contra a guerra, de um lado; operários pró-guerra, do outro. Essa é a imagem freqüentemente veiculada sobre o engajamento militar norte-americano contra o Vietnã, mas está longe de ser a verdade .

Rick Fantasia - (01/06/2003)

A maioria das pesquisas indica que, até 1967, foram os norte-americanos mais ricos e com um maior nível de escolaridade, e não os operários e empregados, que apoiaram mais ativamente a política imperial de seu país. 1 Bastou ser colocada em questão a determinação que permitia aos estudantes adiarem a incorporação ao exército até o final de sua escolaridade, para que a oposição à guerra nos meios privilegiados aumentasse. A repressão policial contribuiu, em seguida, para endurecê-la.

Em um contexto de conflitos raciais, a generalização do apelo às drogas e a animosidade crescente entre soldados rasos e seus comandantes atingiram proporções de crise aberta

A hostilidade dos meios operários ao conflito no Vietnã progrediu a partir de 1968, na retaguarda, mas também no front. Em um contexto de conflitos raciais e de desenvolvimento da contracultura, a generalização do apelo às drogas e a animosidade crescente entre soldados rasos e seus comandantes atingiram proporções de crise aberta. Foram registradas centenas de casos de tropas que se recusaram a atacar e, pelo menos, dez rebeliões significativas.

A orientação bélica da central sindical AFL-CIO não coincidiu como se esperava com os sentimentos dos soldados mais jovens e dos combatentes que acabavam de chegar da Indochina.

(Trad.: Wanda Caldeira Brant)

1 - Ler, de Bruce Andrews, Public Constraint and American Policy in Vietnam, ed. Sage Publications, Beverly Hills, 1976.




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Estados Unidos
» Guerras contra o Vietnã
» Sindicatos

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos