Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


Rede Social


Edição francesa


» Ainsi nos jours sont comptés

» Au Brésil, des collectionneurs d'art très courtisés

» Fantômes russes dans l'isoloir ukrainien

» Bernard Madoff, à la barbe des régulateurs de la finance

» Les famines coloniales, génocide oublié

» LTCM, un fonds au-dessus de tout soupçon

» Récalcitrante Ukraine

» Europe de l'Est : un bilan positif sur le plan social mais négatif dans le domaine des droits politiques

» La crise russo-ukrainienne accouchera-t-elle d'un nouvel ordre européen ?

» Offensive sur l'or noir africain


Edição em inglês


» Rojava's suspended future

» Biden's Middle East challenges

» April: the longer view

» Africa's oil-rich national parks

» Montenegro's path to independence

» Japan's bureaucrats feel the pain

» Who's who in North Africa

» Being Kabyle in France

» Who wins in Chile's new constitution?

» Senegal's five days of anger


Edição portuguesa


» Edição de Abril de 2021

» A liberdade a sério está para lá do liberalismo

» Viva o «risco sistémico!»

» Pandemia, sociedade e SNS: superar o pesadelo, preparar o amanhecer

» A maior mentira do fim do século XX

» Como combater a promoção da irracionalidade?

» A Comuna de Paris nas paredes

» Como Donald Trump e os "media" arruinaram a vida pública

» Edição de Março de 2021

» Acertar nas fracturas


LIVROS

O futuro incerto do comunismo

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

Em sucessivas eleições, o Partido Comunista Francês teve um desempenho abaixo de seus patamares históricos. Essa decadência aparentemente inexorável de seu potencial militante e de seu apelo político é questionada por três livros lançados recentemente

Jack Dion - (01/06/2003)

Pesquisadores insistem nos trunfos comunistas: número de militantes sem equivalente em outras formações e uma implantação local que provoca ciúmes entre os Verdes e a extrema esquerda

Em sucessivas eleições, o Partido Comunista Francês (PCF) atingiu patamares historicamente baixos. Seu potencial militante não é mais o que era. Teria perdido toda a oportunidade de se recuperar? Ao contrário das opiniões correntes, os pesquisadores Marie-Claire Lavabre e François Platone1 insistem nos trunfos comunistas: um número de militantes certamente em baixa constante mas sem equivalente em outras formações políticas e com perfil em sintonia com a evolução do assalariado na sociedade francesa (ascensão dos funcionários e executivos, em detrimento dos operários tradicionais); uma implantação local que provoca ciúmes entre os Verdes e os da extrema esquerda. Os pesquisadores destacam igualmente a nova imagem do PCF na opinião pública depois da ruptura com o modelo soviético, desde o findar dos anos 70, que atingiu seu ponto máximo na “mutação” do último período. Resta saber se o PCF está à altura para investir em um espaço político que no momento lhe escapa.

Alguns acreditam nisso, como o historiador Roger Marteli, membro ativo do PCF, que escreve um livro com título iconoclasta: Le communisme est um bon parti, dites-lui oui2 (O comunismo é um bom partido. Diga sim, para ele.) Marteli é daqueles que refletem há muito tempo sobre o inexorável declínio do comunismo na ausência de uma renovação à altura do desafio. Aliás, ele consagra grande parte de sua obra a um enfoque histórico-político da questão, inseparável da crise do modelo tal como foi aplicado no Leste e como se expressou no cenário nacional. Ele aponta a especificidade própria do movimento operário francês, que nunca foi uma simples cópia do sistema soviético.

Um comunismo reconstruído

Martelli imagina uma revolução na revolução, passagem obrigatória para desenvolver um projeto novo para sua teoria, suas práticas, sua organização, seu simbolismo.

Esta lembrança permite ao autor ressaltar que o declínio do PCF vem de muito longe. Segundo ele, para resolver a crise estrutural seria necessário uma mudança completa para chegar ao que ele denomina “ um comunismo político da nova geração”. Martelli imagina uma revolução na revolução, passagem obrigatória para desenvolver um projeto novo para sua teoria, suas práticas, sua organização, seu simbolismo. Amplo programa, sedutor em seu enunciado, mas que necessitaria ser definido em seu conteúdo. Se ele é um daqueles que permanecem céticos sobre a atual evolução do PCF, Martelli não deixa de apostar em um “comunismo reconstruído”, definitivamente despido das ilusões do passado.

Um outro historiador, Alain Ruscio, conhecido por seus trabalhos sobre o colonialismo, confronta-se de uma forma mais pessoal à realidade do comunismo3. Ele foi membro do PCF. Não é mais, mas permanece visceralmente anti-capitalista. Ele relata sua trajetória pessoal, a de um homem que cruzou com espíritos generosos, a de um militante que se chocou com a lógica do aparelho partidário, a de um revoltado que conserva intactos suas iras da juventude. A sua maneira, original, o autor propõe um testemunho que interessará a todos aqueles que recusam ver no capitalismo o fim da História.

(Trad.: Celeste Marcondes)

1 - O que resta do PCF ? Revista Autrement, Paris, 2003, 142 páginas.
2 - O comunismo é um bom partido. Diga sim, para ele. La Dispute, Paris, 2003, 121 páginas.
3 - Nós e eu, grandeza e servidão comunista. Edição Tirésias.Paris, 2003, 300 páginas.




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» França
» Eleições
» Impasses da Esquerda Institucional

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos