Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Paulo Guedes pego na mentira

» Depois do senhor Guedes e de seu capitão

» Amazônia: caminho para o pós-Bolsonaro

» Tarifa Zero, a experiência europeia

» Marielles na Amazônia: apontar, fogo!

» Na África do Sul, a xenofobia não tem cor

» Uma semana contra o Capitalismo de Desastre

» Na Argentina, algo além de Macri começa a cair

» Transportes: a atualidade da Tarifa Zero

» Aos super ricos, os super genes?

Rede Social


Edição francesa


» Richesse et population, un monde à double face

» Machines hostiles

» Refaire le monde à coups de bistouri

» Libye, l'appel du devoir

» La gauche française bute sur l'Europe

» Fédéralisme à l'allemande et évolutions politiques

» « Métro, boulot, tombeau »

» Plus haute sera la prochaine tour

» Le Media Lab aux avant-postes du cybermonde

» Echec à la corruption au Brésil


Edição em inglês


» The logs of war

» Benjamin Netanyahu, best friend of the far right

» September: the longer view

» Afghan peace talks: Trump tweets, Taliban fights

» An inexhaustible myth in times of extreme adversity

» What happened to social solidarity?

» Sudan: conflict, violence and repression

» Russia's appointed billionaires

» Another end is possible

» Arms sales: the Swedish model


Edição portuguesa


» Edição de Setembro de 2019

» Portugal não pode parar?

» Quem elegeu Ursula von der Leyen?

» Edição de Agosto de 2019

» Plural e vinculado à esquerda

» Os talibãs de São Francisco

» Edição de Julho de 2019

» Inconsistências (ou o sono da razão?)

» Comércio livre ou ecologia!

» Edição de Junho de 2019


ESTADOS UNIDOS

A vigilância anti-muçulmana

Imprimir
Enviar

Ler Comentários
Compartilhe

Para alguns intelectuais norte-americanos, os costumes muçulmanos são preocupantes e é preciso "vigiar e informar" sobre as atividades dos professores universitários especialistas em Oriente Médio, que "parecem não gostar de seu país".

Joel Beinin - (01/07/2003)

Certos intelectuais norte-americanos exploram os temores nascidos do atentado contra o World Trade Center para impôr uma ortodoxia anti-islâmica e antiárabe

Um trio de intelectuais norte-americanos conduz o movimento contra qualquer pensamento crítico referente ao Islã e ao Oriente Médio, em particular nos campi. Explorando os temores legítimos nascidos dos atentados de 11 de setembro de 2001, as publicações e os discursos de Martin Kramer, Daniel Pipes e Steven Emerson procuram impor uma ortodoxia anti-islâmica e antiárabe.

Pouco depois de 11 de setembro, Kramer, antigo diretor do Centro Dayan para os estudos sobre o Oriente Médio da universidade de Tel-Aviv, publicou um texto incendiário condenando o conjunto das universidades especializadas no Oriente Médio1. O autor proclamava nesta ocasião que “mandarins” da Middle East Studies Association of North América, inspirados pelas análises do livro de Edward Saïd "Orientalismo" teriam imposto um "politicamente correto" e teriam se demonstrado incapazes de avisar o público norte-americano dos perigos do islamismo. O fracasso do FBI e da CIA no 11 de setembro não é objeto das mesmas censuras.

O site "Campus Watch" serve para vigiar os professores especialistas em Oriente Médio nos EUA, que "alimentam a desinformação, a incitação e a ignorância”

Kramer também é responsável pelo Middle East Quarterly, publicação do Middle East Fórum, um think tank dirigido por Daniel Pipes. Este último tem como hábito os pressuopostos antiárabes2. Em 1990, ele já escrevia: "As sociedades da Europa ocidental não estão preparadas para a imigração maciça dos povos de pele escura que cozinham pratos estranhos e têm regras de higiene diferentes[…] Mas os costumes muçulmanos são os mais preocupantes3".

Vigiar e informar

O Campus Watch representa um dos projetos mais recentes do Middle East Fórum. Trata-se de um site na Internet encarregado de "vigiar e informar sobre os professores que alimentam as chamas da desinformação, da incitação e da ignorância". Segundo o Campus Watch, os universitários norte-americanos especialistas em Oriente Médio "muitas vezes parecem não gostar de seu país e estimar ainda menos os aliados estrangeiros dos Estados Unidos". A explicação não demora: esta área de estudo seria "a exclusividade de árabes do Oriente Médio que trouxeram a sua ideologia com eles". Pipes foi recentemente nomeado pelo presidente Bush membro do conselho de administração do United States Institute for Peace, uma fundação financiada pelo Congresso a fim de "promover a prevenção, a gestão e a resolução pacífica dos conflitos internacionais".

Para Emerson, os EUA são base para milhares de terroristas muçulmanos. Com esta tese, imputou ao islamismo atentados sem qualquer relação com ele

Steven Emerson é jornalista e diretor de cinema. Desde o seu documentário de 1994, "Jihad in America", ele não pára de proclamar que os Estados Unidos servem de base a milhares de terroristas muçulmanos. Sua última obra, "Os terroristas que vivem entre nós", retoma esta linha. Os atentados de 11 de setembro aparentemente confortaram a tese de Emerson. Mas já aconteceu dele divagar. Ele tinha, da mesma forma, imputado ao islamismo o atentado contra um prédio federal em Oklahoma City em 19954 e a queda de um vôo da TWA em 1996. Errou nos dois casos.

(Trad.: David Catasiner)

1 - Martin Kramer, Ivory Towers on Sand: The Failure of Middle Eastern Studies in America, Washington Institute for Near East Policy, outubro de 2001.
2 - Ler Dominique Vidal, “Cruzado de pai para filho”, Le Monde diplomatique, março de 2003.
3 - National Review, 19 de novembro de 1990.
4 - Vide Serge Halimi, “Expert en terrorisme”, Le Monde diplomatique, julho de 1995.




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Estados Unidos
» Islamismo
» Ameaças às Liberdades

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos