Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» 12 de agosto de 2022

» Nos arquivos soviéticos, a vida real sob Stálin

» Propostas agroecológicas para o novo governo Lula

» Crônica: Influências

» Conversas entre a psicanálise e a terapia psicodélica

» Ab’Sáber: Caetano Veloso do transe à transa e depois

» 11 de agosto de 2022

» O capitalismo à beira da Grande Estagflação

» Entre ver estrelas e apagar pessoas

» Os possíveis estertores do neoliberalismo autoritário

Rede Social


Edição francesa


» L'Afrique du Sud lassée de ses libérateurs

» Le rêve américain au miroir du basket-ball

» Minsk se rebiffe contre le grand frère russe

» L'agriculture biologique dans l'Union Européenne

» Retrouver le rire de Bertolt Brecht

» En campagne avec les troupes de Jeremy Corbyn

» Au Chiapas, la révolution s'obstine

» Profession : député

» La civilisation de la tomate

» Le capitalisme raconté par le ketchup


Edição em inglês


» America's ageing nuclear facilities

» Julian Assange, unequal before the law

» Wuhan: the Covid diary

» The high price of becoming a student in Russia

» Why Parisians fear and loathe Saint-Denis

» Kosovo's problematic special status

» Summer in Moldova: will the party have to stop?

» Three little letters the world came to hate: IMF

» Will the FARC accords finally work under Petro?

» A tiny piece of Palestine, not quite forgotten


Edição portuguesa


» Dos lucros dos oligarcas aos vistos dos pobres

» Em defesa da água e do futuro do Algarve

» A escrita delas, África em Portugal (ou Donde sou)

» Vozes femininas e o livre imaginar

» O Comité de Salvamento Privado

» A burguesia francesa recompõe-se em Versalhes

» Que país pode ser independente?

» O fim do desencanto para os ex-guerrilheiros?

» Acarinhar Pinochet, destruir Assange

» Ardósia mágica


LIVROS

As guerras de Kapuscinsky

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

Autor de obras marcantes, como ’Imperium’ e ’Ebano’1 , novo livro do famoso jornalista polonês narra a incrível e ridícula guerra entre Honduras e El Salvador causada pelos tumultos ocorridos durante as eliminatórias da Copa do Mundo, em 1969

Claude Wauthier - (01/07/2003)

Os combates - após os tumultos entre os torcedores das duas seleções nacionais pelas eliminatórias para a Copa do Mundo - fizeram 6 mil mortos e 15 mil feridos

A guerra do futebol – título do livro do jornalista polonês Ryszard Kapuscinky2 – também foi aquela guerra, ridícula, entre Honduras e El Salvador, em 1969, após os tumultos entre os torcedores das duas seleções nacionais pelas eliminatórias para a Copa do Mundo. Os combates fizeram 6 mil mortos e 15 mil feridos.

O autor, enviado especial da agência de notícias polonesa PAP, cobriu essa guerra fulminante, que durou cem horas, embrenhando-se, ao lado dos soldados de Honduras, na densa e asfixiante floresta da América Central. Viu agonizarem e morrerem, a seu lado, jovens combatentes esgotados pelo avanço implacável do exército adversário, enquanto sonhavam sair daquele inferno cheio de cobras venenosas para alcançar um vilarejo onde o chefe do batalhão lhes tinha prometido que seriam recebidos com uma festa e teriam uma moça para passar a noite. Uma moça dotada de um patriotismo ardente, sem dúvida, como Amelia Bolanos, uma salvadorenha de 18 anos que se suicidou com a pistola de seu pai quando viu, pela televisão, um atacante de Honduras marcar, já no finalzinho, o gol da vitória. A morte de Amelia foi homenageada, no dia seguinte, por um funeral quase-nacional, com o presidente de El Salvador, em pessoa, pelas ruas da capital do país.

Talento e riscos extraordinários

O autor, enviado especial da agência de notícias polonesa PAP, cobriu essa guerra fulminante, que durou cem horas, embrenhando-se, ao lado dos soldados de Honduras

Uma vez mais, Ryszard Kapuscinsky teve o extraordinário talento – e a coragem – de assumir todos os riscos da profissão, enfurnando-se nesse vespeiro da América Central de onde saiu por milagre. Foi também por milagre que escapou da morte, em 1966, na Nigéria, em meio a uma guerra civil feroz. Atravessava a região iorubá do país, em pleno delírio assassino, onde os adeptos do chefe do Action Group, Obafemi Awolowo, controlavam a passagem pelas estradas, levantando barreiras de árvores em chamas. Completamente drogados, imolavam, pelo fogo, todo mundo que tivesse o azar de não ter uma foto de Awolowo. Seu método – spray and lit – consistia em jogar gasolina na vítima e tocar fogo.

Indomável, o jornalista polonês também se aventurou durante a guerra entre a Etiópia e a Somália, no outono de 1976, na região do deserto de Ogaden, que era disputada por Addis Abeba e Mogadiscio. Ao lado dos soldados etíopes, descreveu um percurso extenuante, em land rover, num sol asfixiante, e na primeira noite foi picado por um escorpião. De noite, dormiam apavorados, com medo de um ataque dos soldados da Somália.

Todas essas passagens de bravura fazem parte das reportagens em que o autor analisa, em minúcia e de maneira esclarecedora, a situação política do país que está visitando. Kapuscinky cobriu boa parte da África: da independência de Gana, em 1957, nos tempos de Kwame Nkrumah, à Tanzânia, em 1963 e, em seguida, à Argélia, em 1965, por ocasião do golpe de Estado de Boumedienne, e à África do Sul do tempo do apartheid, etc. De certa forma, ele é possuído pela necessidade de viajar e conhecer pessoas e países longe de sua Polônia natal. E nada exprime melhor essa sede por viagens e descobertas do que a indescritível angústia que se abate sobre ele quando, por algumas semanas, se encontra sentado a uma mesa na sede da agência polonesa de notícias, em Varsóvia.

(Trad.: Jô Amado)

1 - Lançado no Brasil pela Companhia das Letras, São Paulo.
2 - Ler, de Ryszard Kapuscinsky, La guerre du foot et autres guerres et aventures, ed. Plon, Paris, 250 pages, 19 euros (63 reais).




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Honduras
» Guerras
» Literatura
» El Salvador

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos