Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Dinheiro: o novo sonho de controle do Facebook

» Mulheres na política: uma nova onda a caminho

» Sertanejo, brasilidade e Nelson Pereira Santos

» A crise do Brexit e o capitalismo impotente

» Pilger: é hora de salvar o jornalismo

» Missão: extinguir o BNDES

» Etiópia: a eterna marcha da humanidade

» O direito ao sagrado dos povos do terreiro

» Como derrotar a “direita Trump-Bolsonaro”

» As pedras da contracultura (ainda) rolam

Rede Social


Edição francesa


» Quand la gauche renonçait au nom de l'Europe

» Un « New Deal » pour l'école

» La Chine bouscule l'ordre mondial

» L'affirmation homosexuelle

» Faut-il larguer la république ?

» Comment les apprentis sorciers ont aggravé le chaos au Proche-Orient

» Quarante ans de conflits et d'échecs nourris par les interventions occidentales

» Décentraliser l'éducation pour mieux la privatiser

» L'avenir du temps

» Ces Espagnols qui ont libéré Paris


Edição em inglês


» How US climate deniers are working with far-right racists to hijack Brexit for Big Oil

» Confessions of a map-maker

» The Spaniards who liberated Paris

» Fighting for communication control

» June: the longer view

» Niger, a migration crossroads

» Niger, a migration crossroads

» Whatever happened to Bob Woodward?

» Europe in space

» The Corbyn controversy


Edição portuguesa


» Edição de Junho de 2019

» As pertenças colectivas e as suas conquistas

» A arte da provocação

» 20 Anos | 20% desconto

» EUROPA: As CaUsas das Esquerdas

» Edição de Maio de 2019

» Os professores no muro europeu

» Chernobil mediático

» Edição de Abril de 2019

» A nossa informação, as vossas escolhas


FRANÇA

Empresas de segurança de perfil duvidoso

Imprimir
Enviar

Ler Comentários
Compartilhe

O desafio da lei francesa de repressão da atividade mercenária é desencorajar a criação no país de empresas de tipo anglo-saxão, que acumulam a experiência de antigos generais, o mercado de armamento pesado e logística para grandes operações

Barbara Vignaux , François Dominguez - (01/08/2003)

O projeto de lei de repressão da atividade mercenária possibilita que se processe pessoas jurídicas, organizações e sociedades, inclusive de origem anglo-saxã

Nenhuma empresa francesa se dedica a atividade abertamente mercenária. Uma única estabeleceu essa ambição, o grupo Octógono, e teve vida breve, de 1995 a 1998. Sem dúvida, essa é a razão pela qual a ministra da defesa, Michèle Alliot-Marie, explicitava, durante a discussão do projeto de lei de repressão da atividade mercenária, diante da Assembléia Nacional, em 3 de abril último: “O projeto também inclui a possibilidade de processar pessoas jurídicas, organizações e sociedades, muitas vezes de origem anglo-saxã”.

Contudo, essa situação poderia mudar. De acordo com um agente dos serviços especiais, “assiste-se à emergência de um mercenariato da marinha, homens de 50 a 70 anos que ocupam-se de verdadeiros contratos de segurança”. Dessa maneira, depois do golpe de Estado de 16 de março de 2003, na República Centro-Africana, os negociadores sucedem-se em Bangui na esperança conquistar um mercado lucrativo: o da organização do exército do governo e a constituição de uma guarda presidencial (paga, por falta de dinheiro, com concessões de mineração). A concorrência é dura. Os mercados da África francófona, tradicionalmente reservados aos franceses, sofrem a concorrência crescente dos sul-africanos, especialmente na Costa do Marfim e na República Democrática do Congo.

Um elo humano

As empresas anglo-saxãs acumulam a experiência de antigos generais, do mercado de armamento pesado e a logística necessária a operações de grande envergadura

Se nada impede de pensar que as empresas de segurança bem implantadas nos países africanos propõem, como suplemento, serviços militares (fornecimento de armas, de instrutores...), as provas são poucas. O caso mais conhecido é o de Paul Barril, que à testa da empresa Secrets, se impôs como “vice-rei” da República Centro-Africana até a deposição de presidente Ange-Felix Patassé, em 16 de março de 2003. Oficialmente conselheiro do presidente, Barril tornou possível a compra de muitos helicópteros de combate russos, muito apreciados na África para reprimir rebeliões. Outro policial do Elysée reconvertido, Robert Montoya, dedicou-se aos mesmos tipos de atividades na África Ocidental. E a Geolink, grande empresa francesa de serviços de telecomunicações por satélite, recrutou mercenários para o Zaire em 1997.

O elo mais importante entre as empresas de segurança privada e os mercenários permanece... simplesmente humano. Entre duas operações, os mercenários, na qualidade de antigos militares, tornam-se agentes de segurança, na França ou no exterior, para PHL Consultants, Geos, Eric Sa, African Security ou a empresa inglesa DSL (que tem uma estação de transmissão na França). Trabalhando em conjunto, esses homens podem mobilizar, no momento oportuno, redes comuns. Entretanto, se está longe das empresas de tipo anglo-saxão, que acumulam a experiência de antigos generais, do mercado de armamento pesado e a logística necessária a operações de grande envergadura. A lei de 3 de abril de 2003 vai desencorajar qualquer veleidade em criar tais estruturas na França?

(Trad.: Teresa Van Acker)




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Estados Unidos
» França
» Guerras
» Mercenários
» Reino Unido

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos