Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Internet: liberdade é controle

» O capitalismo como imensa coleção de perguntas

» Assim os laboratórios torturam animais

» Bolsonaro, o anacronismo genial-idiota

» 10 mandamentos para as elites impenitentes

» As explosões que abalaram a Arábia Saudita

» O que são os “Laboratórios do Comum”

» Trump e Bolsonaro: em busca dos porquês

» Legalidade não faz jus a Brizola

» Como a Estônia concretizou o passe livre

Rede Social


Edição francesa


» Depuis 2010, la majorité de la population est urbaine

» Match démographique : Urugay-Paraguay

» Match démographique : Uruguay-Paraguay

» Chaos postsoviétique

» Richesse et population, un monde à double face

» Machines hostiles

» Refaire le monde à coups de bistouri

» Libye, l'appel du devoir

» La gauche française bute sur l'Europe

» Fédéralisme à l'allemande et évolutions politiques


Edição em inglês


» An end to Mediterranean standoffs?

» The logs of war

» Benjamin Netanyahu, best friend of the far right

» September: the longer view

» Afghan peace talks: Trump tweets, Taliban fights

» An inexhaustible myth in times of extreme adversity

» What happened to social solidarity?

» Sudan: conflict, violence and repression

» Russia's appointed billionaires

» Another end is possible


Edição portuguesa


» Edição de Setembro de 2019

» Portugal não pode parar?

» Quem elegeu Ursula von der Leyen?

» Edição de Agosto de 2019

» Plural e vinculado à esquerda

» Os talibãs de São Francisco

» Edição de Julho de 2019

» Inconsistências (ou o sono da razão?)

» Comércio livre ou ecologia!

» Edição de Junho de 2019


FRANÇA

Empresas de segurança de perfil duvidoso

Imprimir
Enviar

Ler Comentários
Compartilhe

O desafio da lei francesa de repressão da atividade mercenária é desencorajar a criação no país de empresas de tipo anglo-saxão, que acumulam a experiência de antigos generais, o mercado de armamento pesado e logística para grandes operações

Barbara Vignaux , François Dominguez - (01/08/2003)

O projeto de lei de repressão da atividade mercenária possibilita que se processe pessoas jurídicas, organizações e sociedades, inclusive de origem anglo-saxã

Nenhuma empresa francesa se dedica a atividade abertamente mercenária. Uma única estabeleceu essa ambição, o grupo Octógono, e teve vida breve, de 1995 a 1998. Sem dúvida, essa é a razão pela qual a ministra da defesa, Michèle Alliot-Marie, explicitava, durante a discussão do projeto de lei de repressão da atividade mercenária, diante da Assembléia Nacional, em 3 de abril último: “O projeto também inclui a possibilidade de processar pessoas jurídicas, organizações e sociedades, muitas vezes de origem anglo-saxã”.

Contudo, essa situação poderia mudar. De acordo com um agente dos serviços especiais, “assiste-se à emergência de um mercenariato da marinha, homens de 50 a 70 anos que ocupam-se de verdadeiros contratos de segurança”. Dessa maneira, depois do golpe de Estado de 16 de março de 2003, na República Centro-Africana, os negociadores sucedem-se em Bangui na esperança conquistar um mercado lucrativo: o da organização do exército do governo e a constituição de uma guarda presidencial (paga, por falta de dinheiro, com concessões de mineração). A concorrência é dura. Os mercados da África francófona, tradicionalmente reservados aos franceses, sofrem a concorrência crescente dos sul-africanos, especialmente na Costa do Marfim e na República Democrática do Congo.

Um elo humano

As empresas anglo-saxãs acumulam a experiência de antigos generais, do mercado de armamento pesado e a logística necessária a operações de grande envergadura

Se nada impede de pensar que as empresas de segurança bem implantadas nos países africanos propõem, como suplemento, serviços militares (fornecimento de armas, de instrutores...), as provas são poucas. O caso mais conhecido é o de Paul Barril, que à testa da empresa Secrets, se impôs como “vice-rei” da República Centro-Africana até a deposição de presidente Ange-Felix Patassé, em 16 de março de 2003. Oficialmente conselheiro do presidente, Barril tornou possível a compra de muitos helicópteros de combate russos, muito apreciados na África para reprimir rebeliões. Outro policial do Elysée reconvertido, Robert Montoya, dedicou-se aos mesmos tipos de atividades na África Ocidental. E a Geolink, grande empresa francesa de serviços de telecomunicações por satélite, recrutou mercenários para o Zaire em 1997.

O elo mais importante entre as empresas de segurança privada e os mercenários permanece... simplesmente humano. Entre duas operações, os mercenários, na qualidade de antigos militares, tornam-se agentes de segurança, na França ou no exterior, para PHL Consultants, Geos, Eric Sa, African Security ou a empresa inglesa DSL (que tem uma estação de transmissão na França). Trabalhando em conjunto, esses homens podem mobilizar, no momento oportuno, redes comuns. Entretanto, se está longe das empresas de tipo anglo-saxão, que acumulam a experiência de antigos generais, do mercado de armamento pesado e a logística necessária a operações de grande envergadura. A lei de 3 de abril de 2003 vai desencorajar qualquer veleidade em criar tais estruturas na França?

(Trad.: Teresa Van Acker)




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Estados Unidos
» França
» Guerras
» Mercenários
» Reino Unido

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos