Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Internet: liberdade é controle

» O capitalismo como imensa coleção de perguntas

» Assim os laboratórios torturam animais

» Bolsonaro, o anacronismo genial-idiota

» 10 mandamentos para as elites impenitentes

» As explosões que abalaram a Arábia Saudita

» O que são os “Laboratórios do Comum”

» Trump e Bolsonaro: em busca dos porquês

» Legalidade não faz jus a Brizola

» Como a Estônia concretizou o passe livre

Rede Social


Edição francesa


» Depuis 2010, la majorité de la population est urbaine

» Match démographique : Urugay-Paraguay

» Match démographique : Uruguay-Paraguay

» Chaos postsoviétique

» Richesse et population, un monde à double face

» Machines hostiles

» Refaire le monde à coups de bistouri

» Libye, l'appel du devoir

» La gauche française bute sur l'Europe

» Fédéralisme à l'allemande et évolutions politiques


Edição em inglês


» An end to Mediterranean standoffs?

» The logs of war

» Benjamin Netanyahu, best friend of the far right

» September: the longer view

» Afghan peace talks: Trump tweets, Taliban fights

» An inexhaustible myth in times of extreme adversity

» What happened to social solidarity?

» Sudan: conflict, violence and repression

» Russia's appointed billionaires

» Another end is possible


Edição portuguesa


» Edição de Setembro de 2019

» Portugal não pode parar?

» Quem elegeu Ursula von der Leyen?

» Edição de Agosto de 2019

» Plural e vinculado à esquerda

» Os talibãs de São Francisco

» Edição de Julho de 2019

» Inconsistências (ou o sono da razão?)

» Comércio livre ou ecologia!

» Edição de Junho de 2019


MÍDIA

“Quatro vezes o imposto federal”

Imprimir
Enviar

Ler Comentários
Compartilhe

Numa matéria de 1905, que fez muito barulho, Ray Stannard Baker denuncia as práticas das companhias ferroviárias, exemplo do que foi o jornalismo “muckraking» que mudou a face dos Estados Unidos naquela época

Serge Halimi - (01/08/2003)

Na América, cada cidadão paga em média sete dólares por ano para bancar as despesas do governo federal. A taxa ferroviária custa 26 dólares para cada homem, mulher e criança

As companhias ferroviárias determinam mais a sorte do povo do que o governo dos Estados Unidos. (...) Uma tarifa de frete é um imposto incidindo sobre cada bocado que comemos, sobre cada roupa que usamos, sobre cada tábua de nossa casa, sobre cada pá de carvão que queimamos. Nenhum imposto é universal a este ponto, nem tão pesado. Na América, cada cidadão paga em média sete dólares por ano para bancar as despesas do governo federal, o que cobre ao mesmo tempo o exército, a marinha, o déficit do correio, a construção do canal do Panamá e tudo o que garante o funcionamento da maquinaria administrativa: presidente, Congresso e Suprema Corte. Por sua vez, a taxa ferroviária custa 26 dólares por ano a cada homem, mulher e criança – quatro vezes o imposto federal. Os presidentes das empresas ferroviárias e os membros de seus conselhos administrativos são de fato os cobradores de impostos do povo. Pois as estradas de ferro não são, nunca foram, uma propriedade privada no mesmo sentido que uma fazenda ou uma quitanda. Elas são estradas. (...) O barão do trilho não cobra o imposto de uma maneira igualitária. Ele faz seus amigos pagarem pouco – os Rockefeller, os Armour, e outros como eles – e impõem tarifas particularmente pesadas ao camponês, ao pequeno industrial, à massa desorganizada dos produtores e consumidores. O barão do trilho utiliza então seu enorme poder para praticar a extorsão. (...) Este sistema discriminatório permitiu aos homens que dominam o truste do gado de Chicago aproveitarem descontos e favores que lhes eram consentidos para jogar na falência as pequenas empresas de embalagem de carne, antigamente prósperas, para concentrar o conjunto do setor nos grandes abatedouros urbanos insalubres. E foi remunerando mal os pequenos criadores, enquanto faziam os consumidores pagarem mais caro, que eles constituíram suas gigantescas fortunas.

(“Railroad rebates”, McClure, dezembro de 1905. In Judith and William Serrin, Muckraking: The Journalism That Changed America, New Press, Nova York, 2002).

(Trad.: Fabio de Castro)




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Estados Unidos
» Imprensa Contra-hegemônica
» Imprensa e Poder

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos