Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Rebelião em Londres: é o clima ou o sistema?

» A “inteligência caolha” da família Bolsonaro

» O crime de Guarapuava e as elites sem freios

» Boaventura: os EUA flertam com o direito názi

» Argentina: ainda bem que há eleições…

» O bispo que não vai para o céu

» Prisões brasileiras: relato de dentro do inferno

» Bernardet: “Tirei o corpo fora”

» Bernardet: “Tirei o corpo fora”

» Em Los Silencios, fuga para o não-lugar

Rede Social


Edição francesa


» La justice, pilier ou béquille de la démocratie ?

» La canicule, révélateur d'une santé malade

» La caution des scientifiques

» Dans l'enfer blanc de l'amiante

» Fiasco à La Haye

» L'immigration au miroir des échecs de la gauche

» « Faxer » ou périr, une culture de l'urgence

» Comment Sciences-Po et l'ENA deviennent des « business schools »

» Assimilation forcée dans le Xinjiang chinois

» Les riches entre philanthropie et repentance


Edição em inglês


» Mica mining, why watchdogs count

» LMD's New York debates

» Decriminalizing the drug war?

» April: the longer view

» Housing, rubbish, walls and failing infrastructure in East Jerusalem

» Mining profits go to foreign investors

» Combatting climate change: veganism or a Green New Deal?

» Berlin's fight for expropriation

» Afghanistan: the fighting continues

» The private world of swiping on screens


Edição portuguesa


» Edição de Abril de 2019

» A nossa informação, as vossas escolhas

» O cordão sanitário

» O caso do Novo Banco: nacionalizar ou internacionalizar?

» Edição de Março de 2019

» Sabe bem informar tão pouco

» O presidente e os pirómanos

» Edição de Fevereiro e 2019

» As propinas reproduzem as desigualdades

» Luta de classes em França


GLOBALIZAÇÃO

PNUD reconhece recuos

Imprimir
Enviar

Ler Comentários
Compartilhe

Chefes de Estado de 189 países reunidos durante a Cúpula das Nações Unidas em 2000 definem os « Objetivos do Milênio » reconheceendo os recuos da globalização e que a pobreza é frequentemente um problema político

Ricardo Petrella - (01/08/2003)

No decorrer dos anos 90, 54 países registraram um recuo de sua renda média e 21 regrediram em matéria de desenvolvimento humano

O Relatório 2003 do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) é dedicado aos « Objetivos do Milênio » aprovados pelos chefes de Estado de 189 países reunidos durante a Cúpula das Nações Unidas em Nova York, em setembro de 2000. Quais são estes objetivos? Vamos citá-los em quatro: reduzir à metade o número de pessoas « extremamente pobres » (menos de 1 euro por dia de renda); garantir a educação primária para todos; parar a propagação do HIV/AIDS e controlar a malária e outras grandes doenças; reduzir à metade a população que não tem acesso à água potável e aos serviços sanitários...

O Relatório parte das seguintes constatações: 1) no decorrer dos anos 90, 54 países registraram um recuo de sua renda média e 21 regrediram em matéria de desenvolvimento humano; 2) os progressos realizados no decorrer das três últimas décadas em matéria de expectativa de vida e de luta contra o analfabetismo mostram que é possível atingir os objetivos do Milênio. « A pobreza não tem nada de fatalidade (...). A pobreza é freqüentemente um problema político », diz o Relatório.

Repartição da riqueza

O Relatório admite que a visão otimista da globalização se revelou amplamente inoperante para centenas de milhões de pobres

Os autores pensam que não é preciso focalizar a estratégia de desenvolvimento apenas no crescimento econômico e que é preciso agir em favor de uma repartição mais equitável das riquezas e dos serviços, mas eles permanecem convencidos da primazia do crescimento (as palavras "capitalismo" ou "capitalista" não aparecem aí) e do desenvolvimento científico e técnico como soluções mestras. "Bastaria – escrevem eles – utilizar as tecnologias existentes e canalizar melhor os meios financeiros para resolver vários problemas encontrados em grande parte do mundo em desenvolvimento".

Testemunha disso é a maneira como eles evocam a globalização liberal. Lembrando a idéia disseminada nos anos 90 que fazia da globalização "o novo motor do progresso econômico em escala planetária", o Relatório acaba admitindo que "esta visão otimista se revelou amplamente inoperante para centenas de milhões de pobres".

(Trad.: Fabio de Castro)




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» ONU
» Pobreza
» Ajuda ao Desenvolvimento

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos