Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Quando os cientistas enfrentam o sistema

» Moro tenta escapulir em latim

» Dinheiro: o novo sonho de controle do Facebook

» Mulheres na política: uma nova onda a caminho

» Sertanejo, brasilidade e Nelson Pereira Santos

» A crise do Brexit e o capitalismo impotente

» Pilger: é hora de salvar o jornalismo

» Missão: extinguir o BNDES

» Etiópia: a eterna marcha da humanidade

» O direito ao sagrado dos povos do terreiro

Rede Social


Edição francesa


» Autopsie d'une canicule

» Quand la gauche renonçait au nom de l'Europe

» Un « New Deal » pour l'école

» La Chine bouscule l'ordre mondial

» L'affirmation homosexuelle

» Faut-il larguer la république ?

» Comment les apprentis sorciers ont aggravé le chaos au Proche-Orient

» Quarante ans de conflits et d'échecs nourris par les interventions occidentales

» Décentraliser l'éducation pour mieux la privatiser

» L'avenir du temps


Edição em inglês


» How US climate deniers are working with far-right racists to hijack Brexit for Big Oil

» Confessions of a map-maker

» The Spaniards who liberated Paris

» Fighting for communication control

» June: the longer view

» Niger, a migration crossroads

» Niger, a migration crossroads

» Whatever happened to Bob Woodward?

» Europe in space

» The Corbyn controversy


Edição portuguesa


» Edição de Junho de 2019

» As pertenças colectivas e as suas conquistas

» A arte da provocação

» 20 Anos | 20% desconto

» EUROPA: As CaUsas das Esquerdas

» Edição de Maio de 2019

» Os professores no muro europeu

» Chernobil mediático

» Edição de Abril de 2019

» A nossa informação, as vossas escolhas


GLOBALIZAÇÃO

PNUD reconhece recuos

Imprimir
Enviar

Ler Comentários
Compartilhe

Chefes de Estado de 189 países reunidos durante a Cúpula das Nações Unidas em 2000 definem os « Objetivos do Milênio » reconheceendo os recuos da globalização e que a pobreza é frequentemente um problema político

Ricardo Petrella - (01/08/2003)

No decorrer dos anos 90, 54 países registraram um recuo de sua renda média e 21 regrediram em matéria de desenvolvimento humano

O Relatório 2003 do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) é dedicado aos « Objetivos do Milênio » aprovados pelos chefes de Estado de 189 países reunidos durante a Cúpula das Nações Unidas em Nova York, em setembro de 2000. Quais são estes objetivos? Vamos citá-los em quatro: reduzir à metade o número de pessoas « extremamente pobres » (menos de 1 euro por dia de renda); garantir a educação primária para todos; parar a propagação do HIV/AIDS e controlar a malária e outras grandes doenças; reduzir à metade a população que não tem acesso à água potável e aos serviços sanitários...

O Relatório parte das seguintes constatações: 1) no decorrer dos anos 90, 54 países registraram um recuo de sua renda média e 21 regrediram em matéria de desenvolvimento humano; 2) os progressos realizados no decorrer das três últimas décadas em matéria de expectativa de vida e de luta contra o analfabetismo mostram que é possível atingir os objetivos do Milênio. « A pobreza não tem nada de fatalidade (...). A pobreza é freqüentemente um problema político », diz o Relatório.

Repartição da riqueza

O Relatório admite que a visão otimista da globalização se revelou amplamente inoperante para centenas de milhões de pobres

Os autores pensam que não é preciso focalizar a estratégia de desenvolvimento apenas no crescimento econômico e que é preciso agir em favor de uma repartição mais equitável das riquezas e dos serviços, mas eles permanecem convencidos da primazia do crescimento (as palavras "capitalismo" ou "capitalista" não aparecem aí) e do desenvolvimento científico e técnico como soluções mestras. "Bastaria – escrevem eles – utilizar as tecnologias existentes e canalizar melhor os meios financeiros para resolver vários problemas encontrados em grande parte do mundo em desenvolvimento".

Testemunha disso é a maneira como eles evocam a globalização liberal. Lembrando a idéia disseminada nos anos 90 que fazia da globalização "o novo motor do progresso econômico em escala planetária", o Relatório acaba admitindo que "esta visão otimista se revelou amplamente inoperante para centenas de milhões de pobres".

(Trad.: Fabio de Castro)




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» ONU
» Pobreza
» Ajuda ao Desenvolvimento

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos