Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» A China tem uma alternativa ao neoliberalismo

» Marielle, Moa, Marley, Mineirinho

» As trapaças do gozo individual

» Vermelho Sol, fotossíntese da violência

» Assim arma-se a próxima crise financeira

» Quantos anos o automóvel rouba de sua vida?

» Guerra comercial: por que Trump vai perder

» Mulheres indígenas, raiz e tronco da luta pelo território

» Por que a educação voltou às ruas?

» O ditador, sua “obra” e o senhor Guedes

Rede Social


Edição francesa


» Les soucoupes volantes sont-elles un sous-produit de la guerre froide ?

» Ovnis et théorie du complot

» Boulevard de la xénophobie

» Une machine à fabriquer des histoires

» Un ethnologue sur les traces du mur de Berlin

» Le stade de l'écran

» Un ethnologue à Euro Disneyland

» Lénine a emprunté ses règles d'action à des écrivains radicaux du siècle dernier

» Le rêve brisé de Salvador Allende

» Un ethnologue à Center Parcs


Edição em inglês


» Manufacturing public debate

» August: the longer view

» Trump returns to the old isolationism

» Yellow vests don't do politics

» Kurdish territories in northern Syria

» The changing shape of the Balkans: 1991 / 2019

» Minorities in Kosovo

» Borders 1500-2008

» Man with a mission or deranged drifter

» The Louise revolution


Edição portuguesa


» Edição de Agosto de 2019

» Plural e vinculado à esquerda

» Os talibãs de São Francisco

» Edição de Julho de 2019

» Inconsistências (ou o sono da razão?)

» Comércio livre ou ecologia!

» Edição de Junho de 2019

» As pertenças colectivas e as suas conquistas

» A arte da provocação

» 20 Anos | 20% desconto


ÁFRICA DO SUL

Gêneros alimentícios versus transgênicos

Imprimir
Enviar

Ler Comentários
Compartilhe

Enquanto o Zimbábue e a Zâmbia lutam para evitá-los, a África do Sul tornou-se a porta de entrada dos transgênicos no continente, onde pode encontrar sua melhor clientela: fazendeiros em busca de lucro rápido e um governo que aposta cegamente no progresso tecnológico

Colette Braeckman - (01/09/2003)

A Kwanalu (Kwazulu-Natal Agricultural Union), uma associação amplamente financiada pela cooperação internacional, dá suporte aos fazendeiros comerciais, organiza o monitoramento de “fazendeiros negros emergentes”, ensina-os a formularem planos de investimentos, facilita-lhes o acesso ao mercado de capitais. Sua elegante diretora, Sandy la Marque, no entanto, admite que a modernização pode ter efeitos perversos: “Fazendeiros comerciais, brancos e negros, são movidos, sobretudo, pelo desejo de obter lucro rápido. E privilegiam, por exemplo, a produção de páprica, pimentão, flores e algodão em detrimento da segurança alimentar, dos gêneros alimentícios. As ervas medicinais, que têm uma grande demanda, deveriam ser melhor protegidas, pois são objeto de colheitas selvagens e nossos médicos tradicionais são muito assediados por pesquisadores que querem patentear seus remédios.”

É sem hesitar que o governo autoriza o uso dos organismos geneticamente modificados. Ninguém se preocupa com o fato de que os pequenos fazendeiros negros não terão acesso a essas tecnologias

É essa liberalização, associada à busca do lucro, que faz da África do Sul o laboratório das sementes geneticamente modificadas. “Esse governo acredita no progresso tecnológico”, garante Richard Haigh, que dirige o departamento de tecnologia integrada da associação Valley Trust, uma organização presente há 20 anos nas colinas de Natal e que luta pela melhora da saúde pública via a produção de culturas alimentícias e uma melhor alimentação. “É sem hesitar que o governo autoriza o uso dos organismos geneticamente modificados. Ninguém se preocupa com o fato de que os pequenos fazendeiros negros não terão acesso a essas tecnologias e que, além disso, suas culturas correm o risco de serem contaminadas. (...) A África do Sul é a primeira etapa do avanço dos transgênicos na África, no momento em que os países vizinhos, o Zimbábue e a Zâmbia, ainda lutam para evitar ter que recorrer a eles. Uma outra ONG, Biowatch, denuncia, além disso, o fato de que o milho geneticamente modificado, autorizado desde 1999, será vendido sem etiqueta específica, privando portanto os pobres, de quem o milho é o alimento básico, do princípio de precaução.

(Trad.: Wanda Caldeira Brant)




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» África do Sul
» Agronegócio
» Zâmbia
» Zimbabue
» Transgênicos
» África

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos