Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Portugal, o novo alvo da extrema-direita

» Portugal, o novo alvo da extrema-direita

» E quando nos levantaremos contra os rentistas?

» “Quem tá na rua nunca tá perdido”

» Eles querem organizar a população de rua

» Municipalismo, alternativa à crise da representação?

» A China tem uma alternativa ao neoliberalismo

» Marielle, Moa, Marley, Mineirinho

» As trapaças do gozo individual

» Vermelho Sol, fotossíntese da violência

Rede Social


Edição francesa


» Population, subsistance et révolution

» Une nouvelle classe de petits potentats domine les villages

» Vers une « révolution agricole »

» En dehors de la « Petite Europe » d'autres débouchés s'offriront aux produits tropicaux

» Dans le domaine agraire il serait dangereux de vouloir brûler toutes les étapes

» L'expérience de M. Fidel Castro pourrait être mise en péril par une socialisation trop rapide de l'industrie cubaine

» Au Japon, le ministre de la défense s'inquiète

» Les soucoupes volantes sont-elles un sous-produit de la guerre froide ?

» Ovnis et théorie du complot

» Boulevard de la xénophobie


Edição em inglês


» Manufacturing public debate

» August: the longer view

» Trump returns to the old isolationism

» Yellow vests don't do politics

» Kurdish territories in northern Syria

» The changing shape of the Balkans: 1991 / 2019

» Minorities in Kosovo

» Borders 1500-2008

» Man with a mission or deranged drifter

» The Louise revolution


Edição portuguesa


» Edição de Agosto de 2019

» Plural e vinculado à esquerda

» Os talibãs de São Francisco

» Edição de Julho de 2019

» Inconsistências (ou o sono da razão?)

» Comércio livre ou ecologia!

» Edição de Junho de 2019

» As pertenças colectivas e as suas conquistas

» A arte da provocação

» 20 Anos | 20% desconto


CRONOLOGIA

Três anos de escalada

Imprimir
Enviar

Ler Comentários
Compartilhe

(01/09/2003)

2000

11 - 24 de julho: Após duas semanas de negociações, o encontro de Camp David entre o presidente americano William Clinton, o primeiro ministro israelense Ehoud Barak e o presidente da Autoridade palestina Yasser Arafat fracassa.

28 de setembro: O chefe do Likoud Ariel Sharon vai até a esplanada das Mesquitas em Jerusalém. No dia seguinte, primeiros choques, primeiras vítimas. É o início da segunda Intifada.

2001

21 - 27 de janeiro: As negociações israelo-palestinas de Taba no Egito acabam sem acordo global.

6 de fevereiro: Ariel Sharon é eleito primeiro-ministro de Israel com 62,5 % dos votos. A posse de seu governo de união nacional é validada pela Knesset em 7 de março.

21 de maio: A comissão Mitchell preconiza um congelamento da expansão das colônias judaicas na Cisjordânia e na Faixa de Gaza, bem como a prisão dos terroristas palestinos para tentar pôr um fim a oito meses de violências.

9 de agosto: O atentado suicida em Jerusalém Oeste, o mais fatal desde o inicio da Intifada (17 mortos e 90 feridos), foi assumido pelo Jihad islâmico.

2002

8 de março: Dia mais sangrento desde o inicio da Intifada, com 46 mortos (40 palestinos e 6 israelenses).

29 de maço: Após um mês de atentados fatais contra a população civil israelense, e dois dias após um ataque particularmente sangrento em Netanya, o exército israelense lança a operação “Muralha”. Esta ofensiva – a maior desde a guerra de 1967 – lhe permite recuperar as cidades autônomas da Cisjordânia.

2 de maio: Arafat sai de seu quartel-general de Ramallah, após mais de um mês de cerco israelense.

16 de junho: Israel inicia a construção de um muro entre Israel e a Cisjordânia.

24 de junho: Durante um discurso na Casa Branca, o Sr. Bush condiciona a criação de um Estado palestino à instalação de uma “direção palestina nova” realizando “verdadeiras reformas”.

20 de dezembro: Em Washington, o “mapa do caminho”, novo plano de paz internacional para o Oriente Médio, é adotado pelo Quarteto (Estados Unidos, Rússia, União européia e ONU).

2003

9 de março: O Conselho Legislativo palestino elege Mahmoud Abbas (Abou Mazen) no cargo de primeiro-ministro.

30 de abril: O mapa do caminho é oficialmente entregue aos israelenses e palestinos.

4 de junho: Um encontro tripartite centrado na realização do “mapa do caminho” reúne o presidente Bush, Ariel Sharon e Mahmoud Abbas em Akaba (Jordânia).

29 de junho: Os islâmicos do Hamas e do Jihad islâmico anunciam uma trégua de três meses dos ataques anti-israelenses.

Na data de 4 de agosto de 2003, o balanço da segunda Intifada e de sua repressão é, segundo o jornal Le Monde, de 3 388 mortos, dos quais 2 553 palestinos e 774 israelenses.




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Israel
» Palestina
» Ocupação da Palestina

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos