Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Como derrotar a “direita Trump-Bolsonaro”

» As pedras da contracultura (ainda) rolam

» Corporações: já vivemos uma distopia…

» Olhai a nova geração de ativistas

» Rússia e China: fim do mundo unipolar?

» Está aberta a nova temporada de privatizações

» Direito à privacidade e o cinismo de Moro

» Boaventura: o avanço da direita e a causa oculta

» Fiori: Danação da História e disputa pelo futuro

» O sinistro lobby sionista

Rede Social


Edição francesa


» Les pompiers pyromanes de l'antisémitisme

» Menace iranienne, menace sur l'Iran

» Comme si l'école était une entreprise…

» Voyage au bout de la peur avec les clandestins du Sahel

» Chanter le devenir du monde

» A qui profite Paris ?

» Quand la ville se perd dans une métamorphose planétaire

» M. Jesse Jackson et l'ouverture du Parti démocrate

» Les aspirations des citoyens dans une structure étatique taillée sur mesure

» Comment la finance a tué Moulinex


Edição em inglês


» The Spaniards who liberated Paris

» Fighting for communication control

» June: the longer view

» Niger, a migration crossroads

» Niger, a migration crossroads

» Whatever happened to Bob Woodward?

» Europe in space

» The Corbyn controversy

» The invisible people

» Agadez, city of migrants


Edição portuguesa


» Edição de Junho de 2019

» As pertenças colectivas e as suas conquistas

» A arte da provocação

» 20 Anos | 20% desconto

» EUROPA: As CaUsas das Esquerdas

» Edição de Maio de 2019

» Os professores no muro europeu

» Chernobil mediático

» Edição de Abril de 2019

» A nossa informação, as vossas escolhas


ÁFRICA OCIDENTAL

O fim de um modelo?

Imprimir
Enviar

Ler Comentários
Compartilhe

Criada em 1949, uma sociedade anônima francesa de assistência ao setor algodoeiro entrou em conflito com a política neoliberal adotada pelo Banco Mundial. Embora ainda forte na comercialização, a empresa não conseguiu impedir as privatizações

André Linard - (01/09/2003)

Contrária ao esquema de privatização adotado pelo governo, por inspiração do Banco Mundial, a CFDT entrou com um pedido de arbitragem em 1997

Dagris (Desenvolvimento Agrícola e Industrial do Sul) é o novo nome da Companhia Francesa para o Desenvolvimento do Têxtil (CFDT). Esta sociedade anônima, com maioria de ações públicas, foi criada em 1949, ao mesmo tempo como instrumento de desenvolvimento das colônias do ultramar e de acesso a matérias-primas de que a metrópole necessitava. Depois das independências, “a CFDT tornou-se empresa de cooperação dirigida pelo Estado francês para complementar, auxiliar e assistir as empresas algodoeiras nacionais”. Por exemplo, a CFDT detinha 30% do capital da Companhia Marfiniana para o Desenvolvimentos dos Têxteis (CIDT) pouco antes da privatização parcial da empresa algodoeira.

Contrária ao esquema de privatização adotado pelo governo, por inspiração do Banco Mundial, ela entrou com um pedido de arbitragem em 1997 junto ao Centro Internacional para o Acordo de Conflitos Relativos a Investimentos (CIRDI), que pertence ao grupo do Banco Mundial. Seu argumento formal era um vício de procedimento, mas, na realidade, a CFDT defendia seu ponto de vista, segundo o qual somente a abordagem integrada do setor algodoeiro (explicitamente: um único operador se apropriando das diferentes etapas da produção) garante seu desenvolvimento sustentável1. Subdividir a estrutura de produção cria uma competição nefasta nos países produtores africanos, com proveito para os concorrentes estrangeiros.

O “sistema de concorrência”

A empresa fracassou na tentativa de impedir as privatizações, mas continua a deter uma parte do capital das empresas algodoeiras africanas

O Banco Mundial respondeu que a abordagem integrada é “um modelo sub-otimizado (leia-se, ineficaz) e priva o produtor de uma parte do valor agregado que deveria lhe caber num sistema de concorrência”. A CFDT fracassou na tentativa de impedir as privatizações, mas, com seu novo nome de Dagris, continua a deter uma parte do capital das empresas algodoeiras africanas e intervém no setor da assistência técnica. Controla ainda a comercialização do algodão, por intermédio de sua filial Copaco, no Mali, em Camarões, no Senegal e no Togo.

Por meio de uma rede de participações cruzadas, a Dagris detém partes importantes nas empresas algodoeiras dos principais países produtores da África.

(Trad.: Regina Salgado Campos)

1 - Ler, de Bernard Vinay, “La CFDT, outil de la coopération française”, edição especial de Coton et Développement, 1999.




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Agronegócio
» Livre Comércio e Desigualdade
» Recolonização da África

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos