Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Edição de 2 de junho de 2020

» O capitalismo ensaia sua distopia espacial

» Ultraliberais buscam sobreviver a seu desastre

» Regina, Jair e a manipulação da espontaneidade

» Não peçam o fim dos levantes, diz Alexandria Ocasio-Cortez

» Raiva e rebeldia e no coração do Império

» Edição de 1º de junho de 2020

» A Frente Ampla contra o Brasil

» Ken Loach e sua crítica incompleta à uberização

» Edição de 29/05/2020

Rede Social


Edição francesa


» Comment la droite américaine exploitait les émeutes

» Les Républicains peuvent-ils tirer parti des émeutes de Los Angeles ?

» Les États-Unis, une nation née dans la brutalité

» Un débat intellectuel en trompe-l'œil

» Le Texas en armes contre le confinement

» Shaw ou l'engagement ironique

» Cinquante ans de « dé-mesure » à l'anglo-saxonne

» Le magot de l'industrie musicale

» Les urnes et le peuple

» La démondialisation et ses ennemis


Edição em inglês


» Another ‘Europeanisation'

» Miami: flood risk and development

» Texas opens again for business

» US in the spring of the pandemic

» Florida's flooded future

» Oman struggles to stay neutral

» Syria's quiet return

» UK coexists with coronavirus

» Austerity is the killer

» UK, a new leader for Labour


Edição portuguesa


» Edição de Maio de 2020

» Defender os trabalhadores

» Todos crianças

» Há um problema com a representação jornalística da violência doméstica

» Chile, o oásis seco

» Edição de Abril de 2020

» O tempo é agora

» Achatar as desigualdades

» O olhar dos artistas

» Assine por 3 meses (€10) ou 6 meses (€18)


ÁFRICA OCIDENTAL

O fim de um modelo?

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

Criada em 1949, uma sociedade anônima francesa de assistência ao setor algodoeiro entrou em conflito com a política neoliberal adotada pelo Banco Mundial. Embora ainda forte na comercialização, a empresa não conseguiu impedir as privatizações

André Linard - (01/09/2003)

Contrária ao esquema de privatização adotado pelo governo, por inspiração do Banco Mundial, a CFDT entrou com um pedido de arbitragem em 1997

Dagris (Desenvolvimento Agrícola e Industrial do Sul) é o novo nome da Companhia Francesa para o Desenvolvimento do Têxtil (CFDT). Esta sociedade anônima, com maioria de ações públicas, foi criada em 1949, ao mesmo tempo como instrumento de desenvolvimento das colônias do ultramar e de acesso a matérias-primas de que a metrópole necessitava. Depois das independências, “a CFDT tornou-se empresa de cooperação dirigida pelo Estado francês para complementar, auxiliar e assistir as empresas algodoeiras nacionais”. Por exemplo, a CFDT detinha 30% do capital da Companhia Marfiniana para o Desenvolvimentos dos Têxteis (CIDT) pouco antes da privatização parcial da empresa algodoeira.

Contrária ao esquema de privatização adotado pelo governo, por inspiração do Banco Mundial, ela entrou com um pedido de arbitragem em 1997 junto ao Centro Internacional para o Acordo de Conflitos Relativos a Investimentos (CIRDI), que pertence ao grupo do Banco Mundial. Seu argumento formal era um vício de procedimento, mas, na realidade, a CFDT defendia seu ponto de vista, segundo o qual somente a abordagem integrada do setor algodoeiro (explicitamente: um único operador se apropriando das diferentes etapas da produção) garante seu desenvolvimento sustentável1. Subdividir a estrutura de produção cria uma competição nefasta nos países produtores africanos, com proveito para os concorrentes estrangeiros.

O “sistema de concorrência”

A empresa fracassou na tentativa de impedir as privatizações, mas continua a deter uma parte do capital das empresas algodoeiras africanas

O Banco Mundial respondeu que a abordagem integrada é “um modelo sub-otimizado (leia-se, ineficaz) e priva o produtor de uma parte do valor agregado que deveria lhe caber num sistema de concorrência”. A CFDT fracassou na tentativa de impedir as privatizações, mas, com seu novo nome de Dagris, continua a deter uma parte do capital das empresas algodoeiras africanas e intervém no setor da assistência técnica. Controla ainda a comercialização do algodão, por intermédio de sua filial Copaco, no Mali, em Camarões, no Senegal e no Togo.

Por meio de uma rede de participações cruzadas, a Dagris detém partes importantes nas empresas algodoeiras dos principais países produtores da África.

(Trad.: Regina Salgado Campos)

1 - Ler, de Bernard Vinay, “La CFDT, outil de la coopération française”, edição especial de Coton et Développement, 1999.




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Agronegócio
» Livre Comércio e Desigualdade
» Recolonização da África

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos