Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Os “coletes amarelos” e o fatalismo de certa esquerda

» Morte na Economia do Algoritmo

» Vianninha e Nelson Rodrigues vão ao cinema

» O enigma dos “Coletes Amarelos”

» O enigma dos “Coletes Amarelos”

» Nas dívidas, o declínio do Ocidente

» Nas dívidas, o declínio do Ocidente

» Viagem insólita à União Soviética (2)

» Assim o Facebook estrangulou o jornalismo

» Inteligência Artificial para quem?

Rede Social


Edição francesa


» Le carnaval de l'investigation

» L'acheminement de l'électricité verte, alibi de la privatisation

» En Inde, l'expérience du revenu garanti a revitalisés les villages

» Une Amérique « plus gentille et plus tendre » sur les écrans de télévision

» Dans les bas-fonds de la campagne électorale de George H. W. Bush

» Du théâtre par gros temps

» Du soja pour le bétail

» En Amazonie, le bétail mange la forêt

» Le monde du travail, interdit de télévision

» Régime soviétique et mentalité russe expliquent le succès des « spoutniks »


Edição em inglês


» Will China dare challenge the UDHR?

» Sabine Cessou on Kenya's grand digital ambitions

» Who is listening to Chad?

» December: the longer view

» After Argentina: the G20's climate hypocrisy

» Trump's trade czar, the latest architect of imperial disaster

» ‘Listen only to me': inside Al-Sisi's Egypt

» Abizaid of Arabia

» Cameroon's colonial history

» The music of migration


Edição portuguesa


» Edição de Dezembro de 2018

» A justiça social e os seus responsáveis

» Para Julian Assange

» Jantar de Apoio

» Economia Social e Solidária: outro modo de criar futuro sustentável

» Edição de Novembro de 2018

» «Eleitoralismo» e democracia sem povo

» Acalmia na Ásia

» Assinatura de 6 meses: só 18 €

» Edição de Outubro de 2018


IMPRENSA

Os cães de guarda da ordem social

Imprimir
Enviar

Ler Comentários
Compartilhe

Empoleirados na posição de árbitros das habilidades tecnológicas da mídia, os jornalistas parecem isentos de qualquer crítica. Seus mitos profissionais exaltam a autonomia, a liberdade, a busca individual, mas ignoram, quase em absoluto, a realidade social

Gilles Balbastre, Pierre Rimbert - (01/09/2003)

Na noite do dia nacional de mobilização, 10 de junho, a emissora de televisão TF1 dedicou três minutos e 47 segundos aos grevistas e manifestantes, contra 14 minutos e cinco segundos àqueles que os denunciavam. O mesmo equilíbrio na emissora France 2: o telejornal das 20 horas do dia 24 de maio dedicara um minuto e meio à palavra dos manifestantes contra oito minutos e 50 segundos aos incômodos causados pelas greves.

Por pelo menos três vezes (13, 14 e 16 de maio), os telespectadores do serviço público puderam se emocionar com os infortúnios de uma “emergente” parisiense, seguramente muito representativa dos trabalhadores franceses. Inversamente, a “França dos grevistas”, difamada como aquela dos “retardatários” e dos “privilegiados”, era simbolizada por Marselha. “Deve ser dito que nesta cidade os serviços públicos e parapúblicos ocupam um espaço muito grande e que existem inúmeros aposentados, desempregados e beneficiários da renda mínima”, salientava Patrick Poivre-d’Arvor na TF1 (4 de junho).

“Fazendo a festa com a mídia”

Durante as grandes mobilizações dos meses de maio e junho, a “França dos grevistas” foi difamada pela mídia como a dos “retardatários” e dos “privilegiados”

Seria necessária, então, toda a sofisticada perspicácia de David Abiker, comentarista do programa “Arrêt sur Image” (France 5), para deplorar o tratamento favorável reservado aos grevistas: “Olhando estas imagens, eu disse a mim mesmo que a greve pode ter sido uma série de pequenas felicidades (...). Não tenho certeza, tendo constatado ao redor, com meus colegas, que isso foi, de forma autêntica e sistemática, um prazer. Deve ser possível encontrar um ou dois usuários que tenham fervido interiormente de raiva, ou que tenham ficado injuriados1.” Sim, eles os encontraram...

Uma idéia muito difundida, no entanto, pretende que o tratamento dado pela mídia aos conflitos sociais seja a resultante das estratégias de comunicação empreendidas pelos atores do conflito. A imprensa serviria então de caixa de ressonância para os protagonistas. Ela relataria seus esforços para ter acesso à mídia, ganhando assim a simpatia da “opinião pública2”. Por meio de diferentes abordagens, ela restituiria todos os pontos de vista. No caso contrário, a divulgação, através de pesquisas, da popularidade de uma contestação iria obrigar as empresas de comunicação a equilibrar suas linhas editoriais para conservar a clientela. Em virtude desse postulado, um dirigente de um instituto de pesquisa de opinião afirmou: “Não se pode dizer que em 1995 os grevistas não tenham feito a festa com a mídia3.”

A mídia como protagonista social

Esta tese tem a seu favor as aparências: não se orgulham os governantes de sua preocupação constante com a “pedagogia”, os sindicatos, de suas estratégias de comunicação, e os contestadores de sua capacidade de organizar manifestações que interessarão aos jornalistas e lhes permitirão, dessa forma, “sensibilizar a opinião pública”? Empoleirados na posição de árbitros das habilidades midiáticas, os profissionais da informação parecem isentos de qualquer crítica, pois as críticas só podem provir de gente rabugenta, distante das coisas da mídia.

Uma idéia muito difundida pretende que o tratamento dado pela mídia aos conflitos sociais decorra da estratégia de comunicação empreendida pelos grevistas

Nos antípodas desta concepção vaporosa de um mercado auto-regulado da informação, a cobertura das greves da primavera de 2003 lembra que a mídia (muitas vezes, pertencente a grandes grupos capitalistas) não é um mero espectador, mas um ator nos conflitos sociais. Segundo um roteiro já familiar, o plano governamental de reforma das aposentadorias foi aclamado pelos comentaristas de maior destaque; os signatários do acordo, felicitados. Aos ministros e às direções sindicais distribuíram-se incentivos no sentido de “resistir” à pressão de “multidões impuras4”; convidaram-se “peritos” para ratificar “cientificamente” a reforma. Os pesquisadores intimaram os pesquisados a optarem entre diversas variantes de uma mesma proposta, enquanto a imprensa brandia os resultados como prova do apoio popular a um plano de redução dos “direitos adquiridos”, ainda que este fosse diferente, em detalhes, do projeto governamental. E, entre duas notícias anunciando a “asfixia” do movimento, os jornalistas se precipitaram contra esses grevistas “fanáticos”, acusados de “bloquear a economia num momento em que é até difícil defender reivindicações simplistas e ultracorporativistas5”. Os grevistas faziam de novo “a festa”. Como latas de conservas empilhadas para serem alvejadas com bolas de meia...

Questão salarial é “monótona”

A cobertura dada ao conflito sobre as aposentadorias e à descentralização de parte do pessoal da educação nacional ressaltou imediatamente a quase ausência, na França, de informação sobre o social. Em tempos normais, nenhum dos três grandes jornais nacionais, ditos “de referência”, comporta uma editoria diária sobre este tema. As relações sociais na empresa ou estão isoladas – nos suplementos semanais amplamente ocupados por classificados destinados à contratação de executivos (caderno “Emprego”, do jornal Libération, por exemplo) – ou engolidas pelo noticiário policial nas páginas da editoria “sociedade”, ou rejeitadas, nas editorias de “economia” ou “empresas”, dedicadas à microeconomia e redigidas do ponto de vista dos “donos das decisões”. Nenhum caderno dedicado às lutas sindicais se compara com os suplementos “dinheiro”, “moda” e “presentes” (de luxo). A mesma situação no audiovisual: com exceção da France 5, os canais hertzianos (abertos) não programam qualquer discussão social regular, embora pululem notas sobre a “sociedade”.

Um dirigente de um instituto de pesquisa de opinião afirmou: “Não se pode dizer que em 1995 os grevistas não tenham feito a festa com a mídia”

Dentro da profissão, o jornalismo social não tem vez. Para os editores, o problema se deve à monotonia da questão salarial: ele não seria do interesse dos consumidores de jornais... e, principalmente, dos anunciantes. François de Closets, jornalista de economia, justificou essa lacuna: “É muito difícil fazer nascer uma demanda implícita dos problemas sociais. Os sindicatos são uma coisa que faz fugir todo mundo6.” Seria realmente todo mundo? Ou deveria se ver nesta repulsa (imaginada) o resultado da formação, pelas escolas de poder, de uma elite profissional oriunda dos meios abastados, dotada de tamanho etnocentrismo de classe que, para um “repórter especial”, “subir os degraus que levam aos apartamentos [de conjuntos populares], equivale a penetrar num outro universo7”?

Hierarquia define a cobertura

Contrariamente às “odisséias” dos patrões, o social só é divulgado em situações de crise. Para que uma janela da mídia se abra sobre o mundo do trabalho, é preciso que uma explosão abale uma cidade (o caso da AZF, de Toulouse), que uma greve induza a perturbações (ferroviários), ou que uma escalada eleitoral de extrema-direita seja atribuída aos operários. Ou então que haja a emergência de uma forma de ação considerada “nova” pelos jornalistas (caso da Cellatex e dos empregados do McDonald’s) 8. Quanto ao resto, ou seja, quanto ao essencial, silêncio. Dessa censura espontânea decorre uma conseqüência maior: enquanto a divulgação de um conflito de grande amplitude só começa depois das primeiras mobilizações, as decisões que desencadeiam esse conflito já foram objeto de um profundo acompanhamento da mídia.

Desde meados da década de 80, a urgência de uma reforma liberal das estruturas do Estado social adotadas por ocasião do final da II Guerra foi constantemente proclamada pelos semanários Le Point e Le Nouvel Observateur, pelos jornais Le Monde e Le Figaro, por emissoras de televisão e rádios como TF1, France 2, France Inter e Europe 1. A hierarquia das redações define os caminhos editoriais ao longo dos quais vai serpentear a cobertura cotidiana de uma greve ou de um conflito.

A cobertura das greves da primavera de 2003 lembra que os meios de comunicação não são meros espectadores, mas atores nos conflitos sociais

Em 1993, o diretor da revista Le Point exigia que Edouard Balladur, recém-nomeado primeiro-ministro, operasse sem mais tardar “a anunciada cirurgia sobre as aposentadorias e a previdência social9” Dez anos mais tarde, o diretor-adjunto do Nouvel Observateur, notando com pesar que “a França [era] um dos últimos países que ainda não reformaram a previdência social nem as aposentadorias”, exortava o governo a ultrapassar de uma vez “a barreira da reforma10”. Nesse meio tempo, inúmeros artigos sobre o tema “Será ainda possível reformar o Estado?” teriam, ao mesmo tempo, destilado e denunciado “um sentimento difuso de bloqueio. Aposentadorias, educação nacional, ferrovias, Ministério da Fazenda, algumas reformas acionadas e em grande parte abortadas. O suficiente para alimentar o refrão daqueles que desprezam a esfera pública11”.

Jornalistas, os privilegiados

Estas considerações ideológicas, sempre dissimuladas em nome da “racionalidade”, da “modernidade”, da Europa ou do “realismo”, ajustam-se a um dique doutrinal comum: “Há 20 anos”, acha o comentarista de economia de um grande jornal nacional, “os países europeus fizeram uma opção ruim. Não aumentaram suas despesas básicas – polícia, justiça, exército, gastos administrativos (...). Em compensação, o Estado social (saúde, aposentadoria, auxílio-moradia, auxílio-desemprego, programa de renda mínima) não pára de progredir12”. Para além das divergências de forma sabiamente colocadas em cena, os jornalistas que “formam a opinião pública” convergiam há muito tempo sobre o essencial: a reconstrução “inevitável” do sistema de aposentadorias, a “necessária” contribuição do trabalho, e não do capital, o alinhamento “incontornável” da duração da contribuição dos servidores públicos em relação aos trabalhadores de empresas privadas.

“Isto decorre de uma solidariedade muito normal entre os franceses, para quem não se acomoda com uma sociedade de privilégios13”, dispararam. Sociedade de privilégios? Os executivos da imprensa nacional se abstiveram, em todo caso, de assinalar que se beneficiavam, eles próprios, de um abatimento fiscal automático de 7.620 euros (24.750 reais), de pelo menos 12 semanas de férias e recuperação do tempo de trabalho, de um 13o salário, de aposentadorias complementares, de juros, de “jabaculês de ouro”. E, sobretudo, de salários muito superiores à média14.

“Baderneiros” e “vítimas”

Dentro da profissão, o jornalismo social não tem vez. Para os editores, isto se deve à monotonia da questão salarial, que não interessa os leitores...

Quando François Fillon revelou suas intenções, aqueles que oito anos antes exaltavam “a audácia” e “o equilíbrio” do plano Juppé juraram, então, uma vez mais: “Não há alternativa15.” E como, em 1995, numerosos foram os guardiães do “círculo da razão” liberal que jogaram os contestadores no campo dos deficientes mentais (leia, nesta edição, o artigo de Serge Halimi). A política vaiada por milhões de manifestantes era, de certa forma, a deles.

Foi neste leito editorial que escorreu o fluxo cotidiano da informação do grande público sobre as greves. Neste registro, o impacto da televisão e da rádio predominam16. Para ater-se às informações difundidas pelos principais telejornais durante as greves da primavera de 2003, (re)aparecem várias figuras impostas pela cobertura que fez a mídia dos conflitos sociais17.

Em primeiro lugar, a definição dos protagonistas e a designação de seus papéis. Desde o dia que se seguiu ao da mobilização de 13 de maio, a esmagadora maioria das reportagens da TF1, France 2 e, em menor medida, da France 3, dividiam a sociedade em dois campos irredutivelmente opostos, fáceis de identificar e, sobretudo, de descrever. No papel dos incômodos, os grevistas sindicalizados do funcionalismo público; no papel de suas “vítimas”, os pais de alunos, usuários dos transportes coletivos, estudantes, trabalhadores.

A “França do trabalho”

A hierarquia das redações define os caminhos editoriais ao longo dos quais vai serpentear a cobertura cotidiana de uma greve ou de um conflito

Assim se opera a derrubada pela mídia dos antagonismos que estruturam o conflito: vistos na televisão, os trabalhadores já não se opõem a um governo e a um patronato decididos a amputar seus direitos; eles se opõem entre eles. Porque a maioria das reportagens apresenta os grevistas como profissionais, mas da parada do trabalho; eles não têm filhos, nunca usam transporte coletivo, nem freqüentam os comércios. Reciprocamente, martela-se esta outra “verdade”: os trabalhadores normalmente constituídos não fazem greve, mas “buscam por todos os meios chegar a seu trabalho” (France 2, 13 horas, 13 de maio).

Não é preciso, sem dúvida, buscar muito longe os fundamentos de tal evidência: os jornalistas que nos informaram sobre as desordens e as manifestações de 3 de abril, 13 e 25 de maio, 3, 10 e 19 de junho haviam optado, eles próprios, por não fazer greve naqueles dias, apesar de um pré-aviso divulgado pelo SNJ-CGT (Sindicato Nacional dos Jornalistas, seção CGT) 18. Não teria esta tido influência sobre a seleção das “micro-calçadas” constantemente difundidas na abertura dos jornais? Seria difícil enumerar os insultos de usuários invariavelmente “tomados como reféns” contra os condutores das estradas de ferro –“canalhas e egoístas”, “nazistões”, que seria preciso “jogar na cadeia19”...

A “França do trabalho” modelada pela mídia era paradoxalmente representada por frações minoritárias da população economicamente ativa: executivos, diretores de empresas, profissionais liberais – de preferência, parisienses. A indignação de pequenos e grandes patrões transbordava na tela. Na TF1, Jean-Pierre Pernaut contabilizava as “inúmeras categorias profissionais que não se sentem tocados por essa reforma nas aposentadorias. Os comerciantes, por exemplo: que pensam eles da agitação atual?” (19 de maio). Na France 2, David Pujadas elucidava outro mistério: “Ontem, pôde-se ouvi-lo, o patrão dos patrões, Ernest Antoine Seillières, dizendo que a França empobrecia na rua. Que a greve custava caro à economia. Como vivem as empresas estes dias de lentidão?” (14 de maio).

Os “reféns” dos “mal-humorados”

Assim como em 1995, numerosos foram os guardiães do “círculo da razão” liberal que jogaram os contestadores no campo dos deficientes mentais

Segunda figura imposta pela cobertura audiovisual de um conflito social: a remoção de suas questões reais em proveito de problemas exploráveis pela mídia. À medida que se afastava a perspectiva da revogação ou da renegociação das “reformas” Fillon e Ferry, a televisão procurava novos ângulos para alimentar seu noticiário. Reconfiguraram, então, o conflito em torno de temas em suspenso, férteis em controvérsias e repercussão. As infelicidades dos usuários, é claro, mas também a legalidade ou não da greve dos ferroviários, a adoção de um serviço mínimo, a polêmica em torno de uma “pequena frase” de Jean-Pierre Raffarin20, sobre a “radicalização do movimento” pela extrema-esquerda. E, principalmente, a suspensão ou não das provas do exame de admissão à universidade. Desde o dia 16 de maio, Daniel Bilalian expunha na France 2 o problema que iria cristalizar a atenção das redações: “Haverá ou não um boicote ao exame de admissão, é aí que está toda a questão.”

Um movimento de vários meses contra a descentralização, e em seguida contra a reforma das aposentadorias, foi, portanto, reduzido a uma problemática sem relação com as reivindicações dos manifestantes. A contar desta data, quase todas as reportagens colocavam os grevistas da educação nacional na defensiva. “Vejamos o mau humor dos professores. Sua greve perturba seriamente as famílias, seja por causa da guarda das crianças menores, seja pelas provas dos mais velhos”, atirou Jacques Legros às 13 horas do dia 21 de maio, na TF1, antes de encadear o retrato de uma família inquieta. Incitados pelos jornalistas a se explicarem sobre o eventual boicote das provas, os professores deviam também se justificar diante dos pais de alunos e dos estudantes que consideravam por sua vez ter sido “tomados como reféns21” em eco ao estribilho da mídia.

Preguiça e importância do ibope

O resultado desta redefinição das questões pela mídia foi a relegação ao segundo plano do jornal das informações sobre as manifestações e as razões das greves. A “bagunça” engendrada pelo movimento estava detalhada na “abertura”. Como explicava, involuntariamente, um apresentador da TF1, “quando se evocam todas estas greves, isso é feito tomando o que há de mais espetacular; acabamos de vê-lo com os garis, mas principalmente com as greves nos transportes” (13 horas, 10 de junho).

A individualização das lutas coletivas por meio de um retrato é o terceiro mata-burro em que escorrega e cai uma parte da mídia. Todo mundo conserva vivo, na memória, o badalado ícone da “primavera de Pequim” em 1989: um único homem detendo o avanço de uma coluna de tanques, a vontade do indivíduo contra a força do Estado. As centenas de milhares de manifestantes apinhados em volta dele foram excluídos da cena. Se o recurso compulsivo ao retrato, tanto na imprensa escrita quanto na audiovisual, deriva deste individualismo, ele decorre também de uma preguiça alimentada pela corrida pela audiência (ou pela tiragem). Mais fáceis de realizar que uma reportagem, os retratos de alunos, de pais ou de comerciantes perturbados pelas greves são também mais atrativos: apelam ao íntimo, à emoção. É por esse modo narrativo que os telespectadores descobriram os grevistas, muitas vezes encantados por se prestar ao jogo, acreditando estarem servindo ao movimento.

“Delícias” jornalísticas

O resultado da redefinição dos objetivos do conflito feita pela mídia relegou a segundo plano as informações sobre as manifestações e razões das greves

Mas esse gênero não é apropriado às causas comuns. Ele privilegia o que diferencia às custas do que une. Os antagonismos políticos e sociais se dissolvem na psicologia individual. “Eis aqui, para entender a questão, quatro exemplos, quatro retratos. Eles não trabalharão amanhã e irão à manifestação”, anuncia David Pujadas na France 2 (20 horas, 12 de maio). O retrato não é uma simples ilustração; ele demonstra. Dois minutos e trinta “para compreender” a greve, com “Karine, da empresa de ferrovias”, “Dominique, funcionário da prefeitura”, “Sylvie, professora de letras” e “Michel, delegado sindical pela central Força Operária”. Além disso, seriam três páginas “para entender” porque Julie, Joseph e Olivier pararam o trabalho, enquanto Robert, Yann e Clio continuaram em seus postos22. E se, em ambos os casos, o “discurso dos grevistas” e o “discurso dos professores” parecem equilibrar o de seus detratores, a análise legítima do movimento permanece monopólio dos editores e dos “especialistas”.

Encenação de uma oposição entre assalariados, eliminação dos motivos reais do conflito em proveito de polêmicas secundárias, insistência obsessiva sobre os prejuízos da greve e incapacidade de relatar as atividades coletivas... estas delícias jornalísticas incitaram alguns manifestantes exasperados a se reunirem diante das sedes das empresas de comunicação para denunciar a “cobertura tendenciosa” da greve.

Desilusão e ressentimento?

Algumas semanas mais tarde, o contraste com o conflito dos trabalhadores temporários23 da área de espetáculos podia parecer surpreendente. A abordagem ao mesmo tempo mais detalhada e mais favorável da qual se beneficiaram – pelo menos num primeiro momento... – esclarece a fundo as razões da animosidade da mídia para com os funcionários públicos. É evidente que a proximidade social e cultural dos quadros da grande imprensa com o mundo artístico teve seu peso: um editor-chefe sente espontaneamente maior afinidade com um diretor de cinema do que com um recepcionista da previdência social.

Mas, mais fundamentalmente, são o estilo de vida e os valores propalados que unificam os jornalistas, incluindo os mais precários, profissionais liberais ou artistas. Diante da figura do repórter ou do entrevistador, os mitos profissionais da imprensa exaltam a autonomia, a criatividade, a liberdade, a audácia, a flexibilidade, a transgressão, a busca individual, em suma, valores que em tudo se opõem à imagem que a mídia transmite do funcionário público: rigidez, hierarquia, rotina, anonimato... No entanto, nenhum observador de uma redação ignora que estes termos depreciativos atualmente descrevem o cotidiano da maioria dos trabalhadores da imprensa. Seria, então, a desilusão sem revolta, nascida da realidade morna de seu trabalho, que inspira a tantos jornalistas este ressentimento contra os servidores do público que – eles, sim – ainda se rebelam?

(Trad.: Fabio de Castro)

1 - 18 de maio de 2003. 2 “ Na realidade, trata-se de uma batalha, é preciso ganhar a opinião pública ”, ouvia-se na RTL no dia 12 de maio de 2003.
3 - Ler, de Stéphane Rozès, “Conquête de l’opinion et opinion de conquête”, in Médias et luttes sociales (coletivo), Paris, éditions de l’Atelier, 2003, p. 113. A respeito das greves de 1995, ler, de Serge Halimi, “Les médias et les gueux”, Le Monde diplomatique, janeiro de 1996, p 10.
4 - Claude Imbert citando Renan no semanário Le Point, 6 de junho de 2003.
5 - Le Parisien, 7 de junho de 2003. Sobre estas abordagens, ler “Les journalistes contre les grévistes”, Pour lire pas lu, n°15, junho-agosto de 2003.
6 - Conferência “La médiatisation des savoirs savants”, Inathèque de France, 5 de fevereiro de 2001.
7 - Declaração de uma jornalista visitando um bairro pobre, citada por François Ruffin em Les petits soldats du journalisme, Paris, ed. Les Arènes, 2003.
8 - Nota da Edição: Trabalhadores que iam perder seus empregos com o fechamento da usina de síntese têxtil Cellatex, em Ardénnes, perto da fronteira com a Bélgica, ocuparam e ameaçaram explodir a fábrica, em julho de 2000. Depois do movimento, receberam uma indenização especial do Estado pela perda de seu emprego. No caso do McDonald’s, foram quase quatro meses de greve dos trabalhadores da lanchonete localizada em Strasbourg- Saint- Denis, em Paris, terminada em fevereiro de 2002.
9 - Claude Imbert, Le Point, 15 de maio de 1993.
10 - Jacques Julliard, Le Nouvel Observateur, 10 de abril de 2003.
11 - Libération, 4 de março de 2002. Ler, de Pierre Bitoun, “Faux privilégiés, vrais nantis”, Le Monde diplomatique, março de 2002.
12 - Arnaud Leparmentier, Le Monde, 14 de junho de 2002.
13 - Jean-Michel Thénard, Libération, 2 de maio de 2003.
14 - O salário médio dos profissionais de jornais e televisão era de 3.582 euros (11.640 reais) em 1999 (apenas 10% das famílias francesas ganham mais de 3.530 euros por mês). As remunerações da elite profissional são mais elevadas ainda: segundo a revista Le Point de 25 de janeiro de 2002, um repórter especial da TF1 ganhava em 2001 entre 3.811 et 5.335 euros (12.390 e 17.340 reais, respectivamente); um editor-chefe adjunto entre 4.878 et 6.860 euros (15.860 e 22.300); o apresentador vedete, 45.700 euros (160 mil reais); um diretor de redação da editoria de economia ganha, em média. 7.900 euros mensais (25.680 reais). O salário médio na redação do Monde se situa em 4.376 euros (14.200 reais).
15 - Le Monde (13 de março), Le Figaro (24 de abril), France Inter (13 de maio), TF1 (14 de maio), Europe 1 (14 de maio), Libération (15 de maio), Le Nouvel Observateur (15 de maio), Valeurs actuelles (30 de maio), L’Express (5 de junho) etc. afirmaram, cada um por sua vez, por via editorial ou através de pesquisas cujas perguntas eram tendenciosas no sentido em que “não havia alternativa” ao tríptico aumento das contribuições salariais, aumento da duração do trabalho, queda do valor das pensões.
16 - Enquanto 7% dos franceses de mais de 15 anos declaram ler todos os dias um diário nacional, um habitante a cada três vê o telejornal da TF1, France 2 ou France 3 no fim do dia. (Fontes: Insee Première, n° 753, dezembro de 2000 e Correspondência da imprensa, Paris, 17 de junho de 2003.
17 - Os parágrafos que seguem se apóiam na decodificação de cerca de 60 de telejornais transmitidos na TF1, France 2 e France 3, entre 10 de maio e 20 de junho de 2003, realizada com a colaboração de Clothilde Dozier e Samuel Dumoulin.
18 - Na verdade, houve poucos grevistas, com exceção das estações locais da Radio France e da France 3.
19 - Respectivamente TF1 – 13 horas, 15 de maio; France 2 – 20 horas, 15 de maio; e France 3, 12h30, 14 de maio.
20 - No dia 11 de junho, Jean-Pierre Raffarin declarou que os socialistas “parecem preferir seu partido à sua pátria”.
21 - “Tomar reféns ” é um crime; a greve é um direito garantido pela Constituição.
22 - Le Monde, suplemento Le travail en crise, 22-23 de junho de 2003. 23 Nota da Edição: artistas e técnicos do área dos espetáculos que costumam só ter trabalho durante os meses de verão e que, antes desta reforma da previdência, podiam contar os meses que ficam parados, recebendo uma espécie de salário-desemprego, para fins de tempo de serviço. O governo atual quer obrigá-los a trabalhar no mínimo seis meses para obter esse benefício e eles alegam não ter trabalho para tanto.




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Crise da Democracia Representativa
» Jornalismo de Mercado
» Teorias do Fim da História e da Impotência Social

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos