Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Paulo Guedes pego na mentira

» Depois do senhor Guedes e de seu capitão

» Amazônia: caminho para o pós-Bolsonaro

» Tarifa Zero, a experiência europeia

» Marielles na Amazônia: apontar, fogo!

» Na África do Sul, a xenofobia não tem cor

» Uma semana contra o Capitalismo de Desastre

» Na Argentina, algo além de Macri começa a cair

» Transportes: a atualidade da Tarifa Zero

» Aos super ricos, os super genes?

Rede Social


Edição francesa


» Richesse et population, un monde à double face

» Machines hostiles

» Refaire le monde à coups de bistouri

» Libye, l'appel du devoir

» La gauche française bute sur l'Europe

» Fédéralisme à l'allemande et évolutions politiques

» « Métro, boulot, tombeau »

» Plus haute sera la prochaine tour

» Le Media Lab aux avant-postes du cybermonde

» Echec à la corruption au Brésil


Edição em inglês


» The logs of war

» Benjamin Netanyahu, best friend of the far right

» September: the longer view

» Afghan peace talks: Trump tweets, Taliban fights

» An inexhaustible myth in times of extreme adversity

» What happened to social solidarity?

» Sudan: conflict, violence and repression

» Russia's appointed billionaires

» Another end is possible

» Arms sales: the Swedish model


Edição portuguesa


» Edição de Setembro de 2019

» Portugal não pode parar?

» Quem elegeu Ursula von der Leyen?

» Edição de Agosto de 2019

» Plural e vinculado à esquerda

» Os talibãs de São Francisco

» Edição de Julho de 2019

» Inconsistências (ou o sono da razão?)

» Comércio livre ou ecologia!

» Edição de Junho de 2019


IRAQUE

Niilismo

Imprimir
Enviar

Ler Comentários
Compartilhe

O ataque que destruiu a sede das Nações Unidas demonstrou a limitação intelectual e o comportamento criminoso dos responsáveis pela ação, que podem ter provocado, com isso, o fortalecimento da posição norte-americana na região

Alain Gresh - (01/09/2003)

“Será que não temos uma certa tendência a glorificar qualquer foram de violência dirigida contra o ‘inimigo’, seja qual for sua utilidade?”

O ataque terrorista do dia 19 de agosto contra a sede das Nações Unidas em Bagdá provocou inúmeras condenações no mundo árabe. Entre elas, a do comentarista e analista Joseph Samaha, do jornal de esquerda libanês Al Safir1. “As coisas devem ser destruídas para que possam ser reconstruídas. Será que alguém pode negar que esta triste teoria se tenha instalado em nossas consciências? Será que alguns, entre nós, não crêem que a salvação se encontra no fundo da destruição (a magnífica destruição, como disse um dia um grande poeta)? Será que não temos uma certa tendência a glorificar qualquer foram de violência dirigida contra o ‘inimigo’, seja qual for sua utilidade?”

“A operação de ontem à noite contra a sede das Nações Unidas em Bagdá salienta essa mentalidade destrutiva. Expulsemos todos os mediadores. Proibamos todas as organizações internacionais. Que a situação desmorone de vez. Que a energia elétrica e a água sejam cortadas. Que o petróleo pare de ser bombeado. Que prevaleça o roubo. Que se fechem as universidades e as escolas. Que as empresas abram falência. Que acabe a vida civil. E, no final, a ocupação fracassará.”

O binladismo na resistência iraquiana

Os EUA criaram o mesmo tipo de situação contra a qual diziam ter pretendido desfechar a guerra (os supostos vínculos entre o regime de Saddan e a Al-Qaida)

“Não”, protesta Joseph Samaha, “no final, será uma catástrofe para o Iraque e uma maior exigência para que os Estados Unidos fiquem ali”. Após lembrar que, apesar das contradições, a ONU se tinha manifestado contra a guerra norte-americana e que continuava sendo um parceiro com quem se pode discutir, continuou: “O ataque contra a sede das Nações Unidas em Bagdá pertence a outro mundo; é uma forma de niilismo, de absurdo e de caos que se esconde por trás de slogans falaciosos que comprovam a convergência entre os responsáveis pela ação, sua limitação intelectual e seu comportamento criminoso.”

Dois dias mais tarde, o mesmo jornalista manifestava a preocupação com uma “possibilidade concreta de que o binladismo assumisse o controle da resistência iraquiana; embora os Estados Unidos se recusassem a reconhecê-lo, poderia servir-lhes de pretexto.”

“Vêem-se sinais crescentes de que a resistência à invasão norte-americana pelo antigo regime vem sendo gradualmente substituída por elementos islâmicos fundamentalistas, do mesmo modelo de Bin Laden. Isto não só seria irônico, como desastroso. Irônico porque confirmaria que os Estados Unidos criaram o mesmo tipo de situação contra a qual diziam ter pretendido desfechar a guerra (os supostos vínculos entre o antigo regime iraquiano e a Al-Qaida). E desastroso porque colocaria os Estados Unidos numa posição internacional mais forte para imporem sua vontade na região.”

(Trad.: Jô Amado)

1 - Edição de 20 de agosto de 2003, citado pelo jornal Mideast Mirror, Londres, 22 de agosto de 2003.




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Iraque
» ONU
» Terrorismo
» Guerra contra o Iraque

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos