'Enviar matéria', 'envoyer' => 'Enviar', 'reference_de' => 'a referência de', 'par_courriel' => 'por email', 'a_destination' => 'Enviar para:', 'donnees_optionnelles' => 'Dados opcionais', 'separe_virgule' => 'separe com vírgulas se escrever mais de um', 'sujet' => 'Assunto', 'titre_vouloir' => 'Título da mensagem', 'nom' => 'Seu nome', 'adresse' => 'Seu e-mail', 'texte' => 'Texto que irá junto com a mensagem', 'envoi' => 'Enviar', 'annuler' => 'Cancelar', 'enviar_title' => 'Enviar referência deste documento por email', 'enviar_por_email' => 'Enviar', 'referencia' => 'A referencia de', 'enviado' => 'foi enviado a:', 'sentimos' => 'Sentimos muito', 'problema' => 'Houve um problema e não se pôde enviar a mensagem', 'hola' => 'Olá. Talvez esta informação possa lhe interessar.', 'leer' => 'Leia mais...', 'enviado_por' => 'Enviado por: ', 'direction' => 'mas sem um endereço eletrônico válido', 'podemos' => 'não podemos enviar a mensagem', 'fermer' => 'fechar', 'documento' => 'Olá. Talvez este documento de', 'interesar' => 'possa lhe interessar.', 'descargarte' => 'Na página web poderá fazer o download de:', 'source' => 'fonte', ); ?> 'Envoyer l\'article', 'envoyer' => 'Envoyer', 'reference_de' => 'la référence de', 'par_courriel' => 'par courrier électronique', 'a_destination' => 'Envoyer á l\'adresse:', 'donnees_optionnelles' => 'Données optionnelles', 'separe_virgule' => 'séparer les adresses par des virgules si vous écrivez á plusieurs personnes', 'sujet' => 'Sujet', 'titre_vouloir' => 'Titre du message', 'nom' => 'Nom', 'adresse' => 'Adresse mail', 'texte' => 'Vous pouvez ajouter un texte', 'envoi' => 'Envoyer', 'annuler' => 'Annuler', 'enviar_title' => 'envoyer l\'article par mail', 'enviar_por_email' => 'envoyer par mail', 'referencia' => 'La référence de ', 'enviado' => 'a été envoyé à:', 'sentimos' => 'désolé', 'problema' => 'Il y a eu un problème et le courrier n\'a pas pu être envoyé', 'hola' => 'Salut. Cet article t\'interéssera peut-être ', 'leer' => 'Lire la suite...', 'enviado_por' => 'Envoyer par : ', 'direction' => 'mais sans une adresse de courrier électronique valable', 'podemos' => 'nous ne pouvons pas envoyer le message', 'fermer' => 'fermer', 'documento' => 'Salut, les documents de', 'interesar' => 'pourraient t\'intéresser', 'descargarte' => 'Si vous visitez le site vous pourrez télécharger les documents suivants :', 'source' => 'Source', ); ?> 'Enviar matéria', 'envoyer' => 'Enviar', 'reference_de' => 'a referência de', 'par_courriel' => 'por email', 'a_destination' => 'Enviar para:', 'donnees_optionnelles' => 'Dados opcionais', 'separe_virgule' => 'separe com vírgulas se escrever mais de um', 'sujet' => 'Assunto', 'titre_vouloir' => 'Título da mensagem', 'nom' => 'Seu nome', 'adresse' => 'Seu e-mail', 'texte' => 'Texto que irá junto com a mensagem', 'envoi' => 'Enviar', 'annuler' => 'Cancelar', 'enviar_title' => 'Enviar referência deste documento por email', 'enviar_por_email' => 'Enviar', 'referencia' => 'A referencia de', 'enviado' => 'foi enviado a:', 'sentimos' => 'Sentimos muito', 'problema' => 'Houve um problema e não se pôde enviar a mensagem', 'hola' => 'Olá. Talvez esta informação possa lhe interessar.', 'leer' => 'Leia mais...', 'enviado_por' => 'Enviado por: ', 'direction' => 'mas sem um endereço eletrônico válido', 'podemos' => 'não podemos enviar a mensagem', 'fermer' => 'fechar', 'documento' => 'Olá. Talvez este documento de', 'interesar' => 'possa lhe interessar.', 'descargarte' => 'Na página web poderá fazer o download de:', 'source' => 'fonte', ); ?> 'Envoyer l\'article', 'envoyer' => 'Envoyer', 'reference_de' => 'la référence de', 'par_courriel' => 'par courrier électronique', 'a_destination' => 'Envoyer á l\'adresse:', 'donnees_optionnelles' => 'Données optionnelles', 'separe_virgule' => 'séparer les adresses par des virgules si vous écrivez á plusieurs personnes', 'sujet' => 'Sujet', 'titre_vouloir' => 'Titre du message', 'nom' => 'Nom', 'adresse' => 'Adresse mail', 'texte' => 'Vous pouvez ajouter un texte', 'envoi' => 'Envoyer', 'annuler' => 'Annuler', 'enviar_title' => 'envoyer l\'article par mail', 'enviar_por_email' => 'envoyer par mail', 'referencia' => 'La référence de ', 'enviado' => 'a été envoyé à:', 'sentimos' => 'désolé', 'problema' => 'Il y a eu un problème et le courrier n\'a pas pu être envoyé', 'hola' => 'Salut. Cet article t\'interéssera peut-être ', 'leer' => 'Lire la suite...', 'enviado_por' => 'Envoyer par : ', 'direction' => 'mais sans une adresse de courrier électronique valable', 'podemos' => 'nous ne pouvons pas envoyer le message', 'fermer' => 'fermer', 'documento' => 'Salut, les documents de', 'interesar' => 'pourraient t\'intéresser', 'descargarte' => 'Si vous visitez le site vous pourrez télécharger les documents suivants :', 'source' => 'Source', ); ?> Diplô - Biblioteca: A corrida às embaixadas
Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» 14 de agosto de 2020

» Chomsky: o mundo precisa da derrota de Trump

» Por que Globo está em cruzada contra os servidores?

» Capitalismo em Quarentena: para afastar os mitos

» Literatura dos Arrabaldes: Rebeldia não engajada

» O bispo dos pés descalços e do bom-combate

» 13 de agosto de 2020

» Bolívia: a liberdade se recupera nas ruas

» Boaventura: em busca de saídas para o Brasil

» “Sionismo de esquerda”, cruel contradição

Rede Social


Edição francesa


» Désobéissance civique pour une Europe de gauche

» Confucius ou l'éternel retour

» Marseille, quartiers nord

» Le style paranoïaque en politique

» La Chine est-elle impérialiste ?

» Victor Hugo peintre

» La mémoire meurtrie de Mahabad

» L'hostilité et la haine, ici, chaque jour...

» Contestation sonore en Angola

» Contre la concurrence, l'émulation


Edição em inglês


» Violence spreads in Nigeria

» US-Iran: an election showdown?

» August: the longer view

» Hagia Sophia in Turkey's culture wars

» Pilgrimage routes

» Bolivia's shrinking glaciers

» It's the healthcare system, stupid

» The Twenty Years' war

» Government by the worst

» The eternal Johann Sebastian


Edição portuguesa


» Edição de Agosto de 2020

» Prisioneiros do paradigma

» A guerra dos vinte anos?

» Offshores: paraíso para alguns, inferno para todos

» Edição de Julho de 2020

» Metáforas bélicas

» Alguém disse «sistémico»?

» Dois ou três lugares a preencher – a propósito de José Saramago

» A Jangada de Saramago

» Um homem chamado Saramago


CHILE, 30 ANOS

A corrida às embaixadas

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

Quando o palácio La Moneda foi bombardeado, no dia 11 de setembro de 1973, a esquerda chilena estava desprevenida e a tragédia foi total. Foi um salve-se quem puder. Todo mundo correu para as embaixadas. Cadáveres boiavam no rio Mapocho...

Pierre Kalfon - (01/09/2003)

As listas de “procurados”

O governo de Allende utilizara apenas os recursos da legalidade para levar o país a um regime socialista. Sem recorrer aos fuzis, sem armar o povo

No rio Mapocho, no coração de Santiago, os cadáveres daqueles que haviam sido fuzilados durante a noite tornavam-se um espetáculo corriqueiro. Do alto dos cais, ao longo dos rios, os pedestres silenciosos, aterrorizados, olhavam-nos boiarem à deriva. As buscas policiais e as prisões multiplicaram-se. Os principais dirigentes da Unidade Popular estavam com a cabeça a prêmio. Em sua casa em Santiago, saqueada, o poeta Pablo Neruda deixara-se morrer. Rapidamente, o campo de concentração do Estádio Nacional, imenso, ficara lotado de homens e de mulheres quase pasmos por se encontrarem ali. Um sociólogo argentino, de nome irlandês, havia sido preso na clínica onde sua mulher acabara de dar à luz. Estava muito bem vestido e o que tinham contra ele era suficientemente leve para que o soltassem após tê-lo esquecido por três dias, sentado num tamborete. Contou-me ter visto, fixadas na parede e em várias colunas, as listas das pessoas de esquerda procuradas, com a indicação da vinculação política precisa de cada uma. Havia até uma coluna de “estrangeiros” onde, disse-me ele, eu tinha a honra de aparecer em segundo lugar. Os serviços militares de informação não haviam perdido tempo durante o governo Allende.

Foi exatamente minha condição de jornalista estrangeiro, somada à de professor enviado pelo governo francês, que me valeu uma avalanche de pedidos de ajuda: amigos e desconhecidos, amigos de amigos, sempre em situação urgente. Os chilenos de esquerda não eram os únicos em perigo. Muitos latino-americanos tinham sido apanhados na arapuca. Brasileiros, bolivianos, uruguaios, fugindo da repressão em seus países, tinham vindo buscar refúgio no Chile. Tinham à sua frente somente as metralhadoras do exército. Para onde ir?

A solidariedade inesperada da Holanda

Nas paredes, em várias colunas, eram afixadas as listas das pessoas de esquerda procuradas, com a indicação da vinculação política precisa de cada uma

Minha mulher e eu improvisamos como pudemos uma rede de assistência imediata, recorrendo aos diplomatas que conhecíamos, aos franceses dispostos a ajudar. Com Véronique D., uma enviada especial da AFP chamada como reforço, com Jacques d’A., um colega de Valparaíso, com muitos outros, fizemos a lista das embaixadas amigas e das embaixadas “malditas”. Na primeira categoria, distinguiam-se a do México, a da Argentina, a da Suécia (graças a um homem extraordinário, Harald Edelstam) e a embaixada da França sob o comando do embaixador Pierre de Menthon. Ao contrário, as dos países do Leste, da URSS, da Alemanha Federal, da Holanda sobressaíam por sua má vontade e por suas portas trancadas. Contava-se que um embaixador recorrera aos policiais para retirar um homem que, dependurado nos galhos de uma árvore da residência, com um pé ainda do lado de fora, pedia proteção.

Entretanto, de uma maneira espetacular, a Holanda deu uma guinada num domingo de manhã. Nesse dia, bem cedo, um diplomata holandês que eu conhecia apareceu em minha casa. “Acabo de pôr no avião meu embaixador, aquele que me obrigava a lhe dizer não. A partir de agora, eu respondo pela embaixada de meu país. Amanhã mesmo, alugo uma casa, compro colchões, contrato uma cozinheira. Pode colocar nela quem você quiser”. Tive vontade de abraçá-lo. Vidas iam poder ser salvas. Aliás, não esperei o dia seguinte. Em minha lista de espera, três parlamentares comunistas estavam em perigo iminente. Mandei-os imediatamente para a casa amiga.

Artifícios para conseguir asilo

Diante de cada embaixada, havia patrulhas. Se um cidadão parecia suspeito, era imediatamente algemado, com os braços em volta de uma árvore, na calçada

Com freqüência, era menos difícil conseguir uma porta aberta do que chegar fisicamente à dita porta de embaixada. Diante de cada representação diplomática, a Junta havia posto patrulhas que filtravam as entradas. Fulano parecia suspeito? Era imediatamente algemado, às vezes com os braços em volta de uma árvore, na calçada. A viatura da polícia viria cuidar dele. Mas sempre havia alguns artifícios. De tanto observar, havíamos notado, por exemplo, que o acesso à embaixada da Bélgica ficava no fundo de uma rua sem saída, no bairro rico da Providencia. Os policiais tinham, então, que deixar seu posto no momento da troca da guarda para irem esperar a viatura dos substitutos na beira da avenida. Era durante essa brecha de apenas alguns minutos que se podia acompanhar, e sobretudo sem correr, os candidatos ao exílio e se certificar de que, realmente, haviam passado a soleira tão bem defendida um minuto antes.

Depois chegou a hora em que aqueles mesmos que punham os refugiados nas embaixadas tiveram, por sua vez, que nelas buscar proteção e deixar o país. Os chilenos tiveram que aprender a viver com Pinochet, com a repressão, com o toque de recolher, com o ultraliberalismo. Dezessete longos anos...

(Trad.: Iraci D. Poleti)




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Chile
» América Latina
» Ditaduras Militares

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos