Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Por que murchamos os pneus de SUVs

» Retrato do esgotamento dos comerciários digitais

» Golpes no Brasil (I): Uma república febril e oligarca

» Cinema: O dom de iludir

» Maranhão: CNBB denuncia a barbárie do “agro”

» 29 de junho de 2022

» Boaventura: o encolhimento do Ocidente

» Contramemória: Modernismo em alta voltagem política

» WikiFavelas: As lutas LGBTI+ pela saúde pública

» WikiFavelas: As lutas LGBTI+ pela saúde pública

Rede Social


Edição francesa


» Le poids des pamphlets, le choc des classes

» En Russie, réprimer plus et enfermer moins

» Apprendre à nager n'est plus donné à tout le monde

» Bouillonnement de l'art contemporain africain

» Les Sri-Lankais défient le pouvoir

» Clarice Lispector, l'étoile de Rio

» Séparatismes ukrainiens

» Les mineurs, la mer et autres histoires

» Le droit à l'avortement menacé

» Occident contre Occident


Edição em inglês


» Fragmented Yemen

» Ukraine's logistical crisis

» Tensions and blackmail over Western Sahara

» Migrants still risk their lives to reach England

» Africa: agribusiness or diversity?

» Poisoning our oceans

» UN Earth Summits: how the rot set in

» In Mexico, will slow and steady win the day?

» Sri Lanka plunges into crisis

» Uncertain loyalties and competing narratives


Edição portuguesa


» Que pode o teatro face ao crescimento das extremas-direitas?

» Mapeamento de uma arte político-social: "Untitled", de Paula Rego

» Assembleia-Geral da Outro Modo

» O problema da riqueza

» «Sangrar a Rússia»

» Vulnerabilidades territoriais: o que se pode aprender com a crise pandémica?

» O paraíso da inovação militarizada

» Mineração em mar profundo: para quê destruir os fundos oceânicos?

» O lado oculto das cimeiras da Terra

» Viagem ao fim da Transamazónica


INTERNET

Um jogo de Monopoly?

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

No universo da “nova economia”, o Google é um OVNI, uma ’start-up’ que deu certo. Enquanto a maioria delas não sobreviveu ao estouro da “bolha Internet”, o Google soube consolidar rapidamente sua viabilidade financeira

Pierre Lazuly - (01/10/2003)

n t

O Google continua se recusando a entrar na Bolsa de Valores, persuadido de que suas ambições tecnológicas seriam contrariadas por uma administração de curto prazo

O faturamento do Google, projetado em quase 1 bilhão de dólares para o ano de 20031 , baseia-se na venda de dois tipos de serviços. Antes de tudo, sua tecnologia de pesquisa, que oferece, pronta para ser usada, a clientes como Yahoo!, Cisco, Vodafone e o Exército norte-americano. Mas também, e cada vez mais, sua competência em publicidade dirigida: as mensagens publicitárias exibidas na página do Google – textos simples, mas correspondendo precisamente à pesquisa solicitada – são, em média, cinco vezes mais visitadas do que os anúncios tradicionais.

Embora muita gente o considere o candidato ideal para participar do mercado de capitais, o Google continua se recusando a entrar na Bolsa de Valores, persuadido de que suas ambições tecnológicas seriam contrariadas por uma administração de curto prazo, imposta pelos acionistas. “Nós somos mais ou menos bons, mas ainda estamos longe de sermos perfeitos. E não o seremos ainda por um bom tempo”, afirma Larry Page2 . Talvez seu sonho também seja o de fazer do Google uma nova Microsoft e só entrar na Bolsa quando dispuser de um quase-monopólio. Como numa longa partida de Monopoly...

(Trad.: Jô Amado)

n t

1 - “Google announces corporate search customers”, agência Reuters, 12 de agosto de 2003.
2 - “Inside Google”, San José Mercury News, 4 de maio de 2003.




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Comunicações
» Rumos da Internet

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos